Publicidade

Estado de Minas

BH já teve 15 ônibus incendiados de janeiro a julho de 2018

Duas carretas carregadas de minério também foram queimadas na madrugada de segunda-feira, em Betim, na Grande BH


postado em 18/07/2018 06:00 / atualizado em 18/07/2018 08:33

Ônibus incendiado em Vespasiano, na Grande BH, no último fim de semana(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Ônibus incendiado em Vespasiano, na Grande BH, no último fim de semana (foto: Polícia Militar/Divulgação)

Os ataques a ônibus continuam a desafiar as forças de segurança de Belo Horizonte e região metropolitana, mesmo após o anúncio de medidas para combater esse tipo de crime no fim de junho. Nos últimos três dias, foram pelo menos quatro ataques registrados. O último episódio ocorreu na segunda-feira, quando dois homens cercaram um ônibus da linha 615 (Estação Pampulha/Céu Azul), no Bairro Céu Azul, na Região de Venda Nova. Já são 15 coletivos incendiados de janeiro a julho na capital, segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH). Duas carretas carregadas de minério também foram queimadas na madrugada de segunda-feira, em Betim, na Grande BH. Não houve feridos e ninguém foi preso nos dois casos.

De acordo com a Polícia Militar (PM), a corporação foi chamada às 22h45, na Rua João Gualberto dos Santos, em Venda Nova. O condutor do ônibus contou aos militares que ele parou coletivo no ponto quando dois homens se aproximaram e ordenaram que todos descessem do veículo. Enquanto um dos homens ameaçava os passageiros com uma arma, o outro entrou e espalhou um líquido inflamável e, em seguida, ateou fogo. A dupla fugiu em seguida. O motorista disse ainda que conteve as chamas com um extintor de incêndio, amenizando os danos.

A Setra-BH informou que a Estação Pampulha foi imediatamente fechada e os serviços paralisados entre as 23h e as 5h. O usuário fica prejudicado, mas o sindicato alega que é um horário com pouca circulação e que os empresários não podem arcar com o prejuízo da queima criminosa de ônibus, que chega a R$ 400 mil por coletivo.

A decisão pela paralisação das estações foi tomada após uma reunião entre o sindicato e as autoridades no fim do mês passado – entre o governador Fernando Pimentel (PT), o prefeito Alexandre Kalil (PHS), a PM e a Guarda Municipal. Entre as ações propostas estava um maior refino das informações que chegam ao Disque Denúncia. 

GRANDE BH
Somente neste ano, 19 veículos do sistema metropolitano foram queimados, de acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram). Desde o último fim de semana, três coletivos foram queimados, compreendendo as linhas 5805R (São Damião/Vespasiano) e 5610 (Morro Alto/Terminal Morro Alto), em Vespasiano, e 7770 (Capelinha/Cidade Industrial), em Betim.

Em um dos casos, em Vespasiano, criminosos deixaram um bilhete com reclamações sobre os maus-tratos praticados durante visitas de familiares à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH. Apesar da proximidade dos ataques, a Polícia Militar negou que haja qualquer conexão entre os fatos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade