Publicidade

Estado de Minas

Comissários de bordo feridos seriam motivo do retorno de voo turbulento a Confins

Passageiros de voo da Gol que seguia de Minas para Fortaleza (CE), na noite do domingo, dizem que dois comissários de bordo se feriram durante turbulência. Companhia não confirma


postado em 09/07/2018 19:33 / atualizado em 10/07/2018 07:31

(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press - 02/01/2011)
(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press - 02/01/2011)
Pelo menos dois comissários de bordo do voo G3 9126 teriam ficado feridos, depois que uma turbulência provocou um inesperado solavanco na aeronave no ar. O avião, que seguia para Fortaleza (CE), no fim da noite do domingo, retornou para o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, quando estava no meio da viagem.

A Gol Linhas Aéreas, operadora do voo, confirmou o retorno ao terminal mineiro na madrugada desta segunda-feira. Por meio de nota, a companhia afirmou que prestou assistência aos passageiros, que foram colocados em hotel. Às 9h10 desta segunda-feira, o voo partiu de Confins e chegou ainda no fim da manhã ao destino. “A companhia reitera que ações como essa visam garantir a segurança”, disse a Gol. A empresa não deu informações sobre os comissários feridos.

Ao G1 Ceará, o médico Thiago Gomes, um dos passageiros do voo G3 9126, os comissários se machucaram pois "voaram dentro do avião", sendo arremessados de um lugar para outro. "A gente teve a impressão foi de que, na verdade, esse movimento foi um desvio pra não ter colisão de uma aeronave com outra", comentou.

O movimento, segundo ele, foi uma "guinada brusca para a direita". Conforme relato do passageiro, a situação ocorreu quando o avião estava em procedimento de subida. "Ficou oscilando bastante e houve pânico. Foi uma turbulência bem fora do convencional", disse Gomes.

Ainda, segundo o passageiro, com a equipe ferida e sem condições para prosseguir o voo, a aeronave, retornou ao local de origem. Os passageiros foram hospedados em um hotel e colocados em voo que chegou à capital cearense às 11h56. "Tudo acontece muito rápido, na hora só dá pra pensar na família e esperar que aconteça o melhor. Mas realmente a situação foi bem tensa, bem angustiante", recordou Thiago, ao desembarcar em Fortaleza.

Tensão também em voo internacional

Em menos de 24 horas, foi o segundo caso de tensão que comissários de bordo enfrentaram durante a viagem. No domingo, mineiros que estavam no voo LA 8085, que saiu de Londres, Inglaterra, às 22h30 do sábado, e chegou ao Aeroporto de Guarulhos (SP), às 6h, relataram que um homem agrediu fisicamente um passageiro e três funcionários da empresa aérea Latam, além de gritar vários palavrões.

Com isso, o desembarque sofreu um atraso de meia hora, já que três agentes da Polícia Federal entraram na aeronave para retirar o passageiro. “Parecia que tinha bebido e ainda pediu vodca a uma comissária. Ela negou e ele continuou insistindo. Depois, disse que sofrera um ataque homofóbico por parte de três passageiros que estavam nos assentos de trás", contou uma estudante.

Para tentar resolver o problema, antes do pouso, os comissários solicitaram, por meio do sistema do som, o apoio de algum médico a bordo. Um passageiro se apresentou e aplicou medicamentos para tranquilizar o homem, que seguiu bastante nervoso. Como ele se tranquilizou, os comissários o imobilizaram com cintos apropriados e algemas. "Isso é um absurdo, fazer uma coisa dessas com os colegas", desabafou um outro comissário que não estava envolvido no episódio.

Por meio de nota, a Latam Airlines Brasil informou que solicitou o apoio da Polícia Federal para desembarcar um passageiro a bordo do voo LA 8085 (Londres - São Paulo/Guarulhos) de ontem (08) em função de comportamento indisciplinado. "A empresa reforça que segue os mais elevados padrões de segurança, atendendo rigorosamente aos regulamentos de autoridades nacionais e internacionais", afirma o comunicado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade