Publicidade

Estado de Minas

Laudos detalham como aconteceu morte de francês na Serra do Mantiqueira

Casos recentes ligam sinal de alerta para quem se arrisca: em menos de dois meses, dois montanhistas se perderam nas trilhas do local


postado em 08/07/2018 06:00 / atualizado em 08/07/2018 07:48

(foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais)
(foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais)
Aventura, risco, tensão e morte nas montanhas de Minas. O resgate na última semana do paulista Luís Cássio Bezerra de Santana, de 27 anos, depois de oito dias perdido no maciço da Mantiqueira, chama a atenção para a atitude de esportistas experientes ou amadores que se arriscam, muitas vezes despreparados, por trilhas nas incontáveis serras mineiras. A saga do trilheiro de São Paulo terminou sem maiores consequências, depois de uma operação que envolveu nada menos que 50 militares, sete guias, nove viaturas e duas aeronaves, mas desafios do tipo têm vitimado até mesmo aventureiros mais experientes. É o que comprovam laudos aos quais o Estado de Minas teve acesso, que revelam como ocorreu a morte do corredor de montanhas francês Eric Gilbert Welterlín, de 53 anos, cujo corpo foi encontrado em 5 de maio, depois de uma expedição na mesma cadeia montanhosa do Sul mineiro.


Eric morreu de hipotermia a menos de mil metros de uma das fazendas da região, depois de se perder e percorrer mais de 10 quilômetros na tentativa de retomar a trilha correta (veja na página ao lado a reconstituição dos últimos passos do atleta). Já estava morto havia pelo menos 12 horas quando as primeiras equipes de bombeiros, policiais, militares e voluntários iniciaram as buscas pelo seu paradeiro, como mostram laudos do inquérito sobre o incidente, encerrado pela Polícia Civil de Itajubá, no Sul de Minas. Na manhã de 16 de abril, o francês iniciou a corrida para atingir o Pico dos Marins, de 2.420 metros de altitude, numa trilha dividida entre Minas Gerais e São Paulo, também na Serra da Mantiqueira e a 20 quilômetros da Pedra da Mina, o objetivo do paulista resgatado na última semana.

O cume visado por Eric é o 26º mais elevado do país, e a trilha é considerada um excelente treino para desportistas, exatamente pelo fato de o grau de dificuldade ser considerado alto. De acordo com a perícia feita no corpo do atleta, encontrado depois de 19 dias, a morte dele ocorreu entre o fim da manhã e o início da tarde de 17 de abril, sendo que as buscas só haviam começado na manhã do dia 18, uma quarta-feira. O francês surpreendido pelas armadilhas das montanhas mineiras não era um atleta amador. Casado com uma brasileira, morava havia três anos em Itajubá. Colecionava muitas aventuras em competições de corrida de montanha em diversos países, portanto, era considerado muito experiente.

O corpo de Eric Welterlín foi encontrado por equipes 19 dias depois do início das buscas(foto: Reprodução/Facebook)
O corpo de Eric Welterlín foi encontrado por equipes 19 dias depois do início das buscas (foto: Reprodução/Facebook)
Ao todo, somando-se os esforços de equipes mineiras e paulistas, mais de 100 pessoas se envolveram nas operações de buscas, que contaram também com cinco helicópteros, além de drones. Trilhas oficiais e caminhos alternativos que poderiam ter sido tomados por engano pelo montanhista foram percorridos, com a hipótese de morte tendo sido considerada apenas uma semana depois de as buscas terem se iniciado. “Nessa terceira fase da operação de buscas, as equipes concentraram-se também na observação da presença de aves de rapina e odores específicos”, informou uma nota divulgada à época pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, indicando que o corpo em decomposição poderia chamar a atenção desses animais ou orientar os socorristas.

O corpo do francês foi encontrado por um vaqueiro, em uma mata próxima a um pasto do município de Piquete, em São Paulo. Segundo um dos responsáveis pelas buscas, o capitão Paulo Roberto Reis Teixeira de Souza, do 11º Grupamento de Bombeiros da Região do Vale do Paraíba (SP), Eric estava fora de qualquer trilha, bem na base da montanha. “Se andasse mais um pouco ele sairia em um pasto, onde há gado. Ainda teria que caminhar para encontrar a civilização, mas estaria mais próximo. Estava deitado com a perna cruzada e com a mão no peito, encostado em uma pedra”, disse o oficial. A necropsia foi feita pelo Instituto Médico-Legal (IML) de Guaratinguetá (SP) e o laudo, enviado para a delegacia de Itajubá.

Segundo o inquérito policial de Itajubá, a causa da morte foi hipotermia, que resumidamente ocorre quando a temperatura do corpo humano cai abaixo de 35°C o que, em casos extremos, provoca quedas das frequências cardíaca, arterial e respiratória, segundo estudos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A Federação Francesa de Montanha e de Escalada (Fédération Française de la Montagne et de l’Escalade – FFME) afirma que numa montanha a temperatura externa cai em 6,5°C a cada mil metros de altura atingidos e os ventos são mais fortes, intensificando a perda de calor.

As investigações reconstituíram os momentos finais do atleta francês. Ele conseguiu sobreviver por cerca de 26 horas, mas não tinha abrigo nem material para se proteger. Em seu pulso foi encontrado um relógio com sistema de posicionamento global, o único meio de navegação de que Eric dispunha, mas que já o tinha levado a se perder em 2014, segundo informações dos bombeiros. Dados do aparelho mostram que o montanhista se perdeu pelo menos três vezes. Com as informações do equipamento e levantamentos feitos pela investigação policial, chegou-se à conclusão de que o corredor percorreu um total de 10.526 metros, sendo que 4.941 (47%) foram deslocamentos errados, feitos em caminhos inadequados, que podem tê-lo desgastado ainda mais. A temperatura na madrugada chegou a -4°C e a visibilidade devido à chuva e ao nevoeiro era de menos de 10 metros, segundo a polícia.


Equipes dormiram na Serra da Mantiqueira e vasculharam fendas em busca de atleta francês Gilbert Eric Weterlín, que desapareceu em 17 de abril(foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais)
Equipes dormiram na Serra da Mantiqueira e vasculharam fendas em busca de atleta francês Gilbert Eric Weterlín, que desapareceu em 17 de abril (foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Minas Gerais)
DRAMA. Os registros da frequência cardíaca muito acelerada de Eric mostram que o francês só parou de correr quando errou pela última vez a trilha e desceu beirando um abismo, seguindo caminhos de enxurradas, que pode ter acreditado tratar-se da trilha de retorno. Naquele momento, caso estivesse no caminho correto e seguisse por mais 2.098 metros, chegaria ao cume do Pico dos Marins, seu objetivo. Se decidisse retornar, teria de descer mais 3.575 metros. Os registros mostram que ele enfrentou um terreno extremamente acidentado, passando por caminhos entre rochas íngremes e se arriscando a cair em precipícios. Sua jornada se estendeu até a noite, tendo como única fonte de luz uma lanterna de cabeça. Se dispusesse de um localizador capaz de enviar sinais de socorro, àquela altura equipes de busca poderiam tê-lo encontrado.

Depois de descer por 1.729 metros, ele ainda tentou um nítido esforço de se localizar. Deixou o vale seguindo por onde a água da chuva naturalmente escorre da montanha e andou 518 metros até uma elevação 180 metros mais alta do que a vala de onde veio. Nesse ponto do inquérito, a polícia conjectura que o atleta tenha feito esse movimento em busca de alguma forma de orientação abaixo, ou para tentar buscar sinal de telefonia celular. Desse ponto em diante, tudo parte de hipóteses levantadas pelos investigadores, uma vez que a bateria do relógio acabou e o equipamento parou de registrar os deslocamentos de Eric. O mais provável, segundo os levantamentos periciais, é que o montanhista tenha retornado ao curso de água e descido por mais 2.694 metros, até o ponto onde seu corpo foi finalmente encontrado. Estava a apenas 223 metros de um pasto e a mais 620 metros da sede uma fazenda, onde poderia finalmente encontrar socorro e se salvar.

PERDIDO NA SERRA. 
Na última quarta-feira, o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e a Polícia Militar de São Paulo resgataram o paulista de Campinas Luís Cássio Bezerra de Santana, de 27 anos, que ficou perdido por oito dias depois de ter entrado na Serra Fina, em Minas Gerais, com o objetivo de chegar até a Pedra da Mina, quarto mais alto pico do Brasil, com 2.798 metros. Até o desfecho dos trabalhos foram três dias de buscas, que envolveram meia centena de militares, guias experientes, nove viaturas e duas aeronaves de corporações dos dois estados. Ao escutar a passagem do helicóptero Águia, da PM paulista, o jovem fez acenos e foi localizados. Porém, devido às dificuldades de pouso, uma equipe de solo fez o trabalho de resgate.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade