Publicidade

Estado de Minas

Cemig detecta mais de 15 mil gatos de energia em casas de classes média e alta

No total, levantamento da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) computou 68 mil equipamentos com indícios de fraudes, em toda área atendida pela empresa, desde 2017


postado em 27/06/2018 16:12 / atualizado em 27/06/2018 16:42

Técnico da Cemig retira medidor com suspeita de fraude em Minas Gerais(foto: Divulgação/Cemig)
Técnico da Cemig retira medidor com suspeita de fraude em Minas Gerais (foto: Divulgação/Cemig)
Fraudes na energia elétrica causam prejuízos de R$ 300 milhões a cada ano em Minas Gerais, de acordo com dados apurados pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Em mais 176 mil inspeções realizadas desde 2017, a companhia detectou 68 mil suspeitas de gatos, sendo 23% deles, ou 15,6 mil, em moradias de classe média ou alta. 

Segundo a companhia, já foram recuperados R$ 48 milhões desde o início da fiscalização. Além das casas e apartamentos das classes com maior poder econômico, os estabelecimentos comerciais concentram 36% das irregularidades, o que representa mais de 24 mil gatos. 

De acordo com o superintendente de Gestão da Receita da Distribuição da Cemig, Helton Diniz Ferreira, a tarifa dos consumidores mineiros poderia ser até 5% mais barata se não houvesse ligações irregulares e clandestinas na área de concessão da Cemig. 

Caso seja comprovada o gato, o responsável pela conta de luz pode responder criminalmente, por meio do artigo 155 do Código Penal. Segundo o texto, o cidadão está sujeito a multas e pena de um a oito anos de reclusão. 

Além disso, quem comete a infração se vê obrigado a ressarcir toda a energia furtada e não faturada em até 36 meses, de forma retroativa.

Danos à saúde também fazer parte da preocupação quanto às ligações clandestinas. Por não serem feitas por técnicos especializados, muitas vezes o equipamento é instalado sem seguir as normas de segurança, o que pode provocar acidentes. A população pode denunciar irregularidades pelo telefone 116.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade