Publicidade

Estado de Minas

Cemig destaca riscos do uso de Ts e extensões; saiba como se proteger

De acordo com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), aparelhos são perigosos por elevar níveis de corrente elétrica


postado em 08/05/2018 19:55 / atualizado em 08/05/2018 20:08

De acordo com a Cemig, uso de dois aparelhos num mesmo T pode ocasionar acidentes(foto: Felipe Micaroni Lalli/Wikimedia Commons.)
De acordo com a Cemig, uso de dois aparelhos num mesmo T pode ocasionar acidentes (foto: Felipe Micaroni Lalli/Wikimedia Commons.)
Ts e extensões são objetos aliados de diversas pessoas em busca de praticidade. Entretanto, de acordo com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), esses equipamentos também representam risco para quem os utiliza. A razão é que os níveis de corrente elétrica podem até mesmo triplicar, quando usamos acessórios como os benjamins. 

Segundo o engenheiro de Segurança do Trabalho Demetrio Aguiar, da Cemig, é preciso cautela na hora de usar os itens. Principalmente, quando ligados numa mesma tomada. “Os Ts e os benjamins são muito utilizados, mas eles podem causar acidentes graves e até mesmo incêndios. Algumas pessoas usam vários equipamentos em uma mesma tomada, o que pode gerar aquecimento e até mesmo derretimento do objeto. E cada vez que esses objetos são sobrecarregados, as chances de acidentes aumentam ainda mais”, afirma o engenheiro.
 
Outra recomendação do profissional se dá no cuidado ao usar objetos em ambientes úmidos, como banheiros. Na versão do engenheiro, uma pessoa só pode usar eletrônicos, após o banho, quando estiver totalmente seca.

O cuidado com crianças e animais também merece atenção. De acordo com Demetrio Aguiar, o ideal é que os protetores de tomadas resguardem os mais vulneráveis contra choques provocados pela corrente elétrica. 

Quanto à fiação, a dica é manter o encapamento sempre em dia. Caso o acabamento original deixe a desejar, uma fita isolante se torna a parceira ideal: com ela, o cidadão podem corrigir os "defeitos"  e evitar choques e incêndios. 

O engenheiro da Cemig também faz recomendações em relação ao reenergização dos smartphones. Mesmo que, para a maioria das pessoas, seja difícil ficar longe deles, ainda é preciso manter os olhos abertos quanto à segurança.

O ideal é que a recarga seja realizada sobre uma superfície lisa e bem ventilada, livre de materiais condutores de calor – como tecidos de toalhas de mesa, colchas de camas, forros de sofás, entre outros. 

Para usar mais de um aparelho elétrico em uma mesma tomada e mesmo assim manter a segurança, o filtro de linha se torna um aliado indispensável. Com ele, o cidadão se protege, uma vez que o objeto evita a passagem de correntes elétricas elevadas para os aparelhos nele conectados. 

Quando a corrente está muito alta, o filtro de linha se desliga automaticamente. Assim, não há riscos de acidentes. 

Números


De acordo com a Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), o Brasil teve 773 acidentes na rede elétrica em 2016. Essas ocorrências resultaram em 240 mortes naquele ano.

Ainda segundo a Abradee, 1.244 vidas se perderam no país entre 2008 e 2016 em decorrência de negligência com a rede elétrica. No Sudeste, foram 484 mortes, com 321 (66%) delas em construção/manutenção de imóveis. A região que abriga Minas Gerais lidera o ranking de acidentes fatais no Brasil, com 42% dos casos. 

Com informações da Agência Minas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade