Publicidade

Estado de Minas

Empresas voltam a ameaçar retirada de ônibus das ruas em caso de incêndios em coletivos de BH

Sindicato dos empresários já havia feito esse comunicado no início do mês, mas depois de mais dois ataques o prefeito Alexandre Kalil também disse que isso pode ser rotina caso os episódios de depredação não cessem


postado em 27/06/2018 13:49 / atualizado em 27/06/2018 14:03

na parte da manhã, ônibus foi incendiado na Rua Cônego Trindade, no Bairro Jardim Leblon. De noite, outro incêndio foi registrado no Bairro Céu Azul(foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)
na parte da manhã, ônibus foi incendiado na Rua Cônego Trindade, no Bairro Jardim Leblon. De noite, outro incêndio foi registrado no Bairro Céu Azul (foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)
Novos episódios de incêndios em ônibus que fazem o serviço de transporte público de passageiros em Belo Horizonte podem significar a interrupção do serviço em determinada região ou linha da cidade, como aconteceu na noite desta terça-feira e madrugada de hoje nas estações Pampulha, Venda Nova e Vilarinho. O aviso é do presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra/BH), Joel Paschoalin, que foi ratificado pelo prefeito de BH, Alexandre Kalil (PHS).

Paschoalin defendeu que os empresários não podem arcar com o prejuízo da queima criminosa de ônibus, que chega a R$ 400 mil por coletivo, e que o episódio desta madrugada pode se repetir caso as empresas detectem risco para suas frotas. Na manhã de ontem, um coletivo da linha 640 (Estação Venda Nova/Jardim Lebon) foi incendiado por pelo menos seis homens na Rua Cônego Trindade, no Bairro Jardim Leblon, Região de Venda Nova. Um dos bandidos estava armado e rendeu motorista e passageiros. À noite, ainda na terça-feira, por volta das 20h, outro coletivo foi alvo de ataque, desta vez da linha 615 (Estação Pampulha/Céu Azul B).

O resultado foi o corte do serviço entre fim da noite de terça e madrugada de hoje em três estações: Pampulha, Venda Nova e Vilarinho. “O que decidimos internamente ontem é que caso a gente veja que há risco iminente de novos incêndios, de por em risco uma região ou uma linha com a queima de veículos, nós iremos recolher os coletivos até a situação acalmar e voltar com o dia claro. Serão recolhidos os veículos daquela linha, daquela região. Nós vamos medir junto com a PM, Guarda Municipal e prefeitura o grau de risco da situação, como foi ontem. Pode acontecer apenas em uma linha localizada, mas se a gente identificar que haverá risco de novos incêndios nós iremos parar o serviço imediatamente”, diz Joel Paschoalin.

O sindicato já havia feito um comunicado semelhante em 8 de junho. Na ocasião, a entidade informou que poderia paralisar os serviços durante o fim das noites e madrugadas em que houvesse risco. Naquela ocasião, porém, a BHTrans respondeu que existe um contrato que rege o serviço e precisa ser respeitado. Dessa vez, o próprio prefeito Alexandre Kalil admitiu essa possibilidade. “ Isso se tornará a rotina na vida do belo-horizontino, porque o poder público não pode obrigar as empresas a colocarem um aumento de frota na rua para ser incendiado. Então é um problema que a comunidade vai ter que tomar conta junto com a Polícia Militar e com a Guarda Municipal, que a comunidade vai ter que denunciar”, diz Kalil.

O presidente da BHTrans, Célio Freitas, voltou a citar a necessidade de respeito ao contrato de prestação do serviço, mas admitiu que cada caso será avaliado de forma individual, pois é uma orientação do prefeito acompanhar o assunto de perto para não penalizar a frota e prejudicar ainda mais a população.

Ataques a ônibus foram motivo de reunião entre governador Fernando Pimentel (PT) e o prefeito Alexandre Kalil (PHS). A Polícia Militar (PM) e a Guarda Municipal também participaram do encontro(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Press)
Ataques a ônibus foram motivo de reunião entre governador Fernando Pimentel (PT) e o prefeito Alexandre Kalil (PHS). A Polícia Militar (PM) e a Guarda Municipal também participaram do encontro (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A.Press)


REUNIÃO PARA TRATAR DOS ATAQUES Os dois últimos episódios de ataques aos coletivos, ambos na Região de Venda Nova, motivaram uma reunião entre o prefeito e o governador Fernando Pimentel (PT), acompanhados do comando da Polícia Militar e da Guarda Municipal. Pimentel estacou que a PM vai afinar algumas estratégias que já estão em andamento com o objetivo de evitar novos casos. “É um crime de que fato preocupa, que afeta a vida das comunidades, mas que pode ser combatido e está sendo combatido em Minas Gerais”, diz o chefe do governo do estado.

Entre as ações que serão colocadas em prática pela Polícia Militar está um maior refino das informações que chegam ao Disque Denúncia pelo número 181. Conforme o coronel Helbert Figueiró de Lourdes, comandante-geral da PM, todas as informações que chegarem ao 181 relacionadas à queima de ônibus ou ao risco de incêndios terão uma destinação especial, com o objetivo de agir mais rapidamente para evitar os casos. Além disso, também serão intensificados patrulhamentos nos itinerários de maior incidência criminal por onde passam os coletivos.

MAIORIA DOS PRESOS NÃO FICAM NA CADEIA O coronel destaca que de janeiro a 27 de junho deste ano foram 14 casos, contra 20 no mesmo período do ano passado. O perfil desses ataques, segundo o comandante-geral, está ligado a reações de bandidos às ações desenvolvidas pela polícia. “Essas queimas de ônibus decorrem de uma postura de retaliação da criminalidade em face de alguma intervenção policial”, afirma.

Figueiró garantiu que a PM vai intensificar as abordagens, mas admitiu grande dificuldade de combater esse crime uma vez que 68 incendiários de coletivos foram presos de janeiro de 2016 a junho de 2018 e 58 estão soltos, o que mostra que a prisão dos criminosos não é suficiente para mantê-los atrás das grades.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade