Publicidade

Estado de Minas

Atendimento é suspenso em centro de saúde de BH após protesto por mais segurança

Usuários organizaram um ato para solicitar mais segurança no entorno da unidade, localizada no Bairro Glória, Região Nordeste da capital. Na manhã desta terça-feira, uma funcionária foi assaltada. Moradores também pedem mais médicos no centro de saúde


postado em 19/06/2018 14:31 / atualizado em 19/06/2018 15:10

Aproximadamente 80 pessoas participaram do ato nesta terça-feira(foto: Sindibel / Divulgação)
Aproximadamente 80 pessoas participaram do ato nesta terça-feira (foto: Sindibel / Divulgação)

Usuários do Centro de Saúde Glória, localizado no bairro de mesmo nome, na Região Nordeste de Belo Horizonte, fizeram um protesto contra a violência e a falta de profissionais na unidade. Aproximadamente 80 pessoas ocuparam o imóvel e o atendimento foi suspenso. O ato já estava marcado para esta terça-feira, mas ganhou mais força após uma funcionária do local ser assaltada quando chegava para trabalhar. Ela teve o carro roubado. Uma reunião entre os representantes dos manifestantes e o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto, foi marcada para esta tarde. A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) informou que os serviços serão normalizados nesta quarta-feira.

A manifestação foi decidida na última terça-feira, durante uma reunião do Conselho de Saúde local e os usuários do centro de saúde. Os manifestantes cobram mais segurança e médicos na unidade. “Os usuários decidiram fechar o centro de saúde enquanto não houver reposta da prefeitura. Faltam quatro médicos da equipe de profissionais lá, além de outros profissionais. O quadro está defasado e mais um assalto aconteceu hoje”, explicou Bruno Pedralva, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel).

O roubo aconteceu por volta das 8h30. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), duas vítimas, de 28 e 55 anos, estavam no estacionamento anexo do centro de saúde, quando foram abordadas por um homem. As vítimas informaram que o assaltante estava armado com um revólver e que fugiu levando o carro. Ele saiu em alta velocidade em direção a Rua Fundão, no mesmo bairro. Ele não foi encontrado.

Pouco tempo após o assalto, os moradores fizeram o protesto no local. “Mais de 80 pessoas entraram na unidade e fizeram uma reunião. Ficou decidido fechar o anexo e o centro de saúde. A gente não está tendo respostas desta situação que estamos vivendo lá. Então, resolveram fechar a unidade até ter uma resposta do secretário”, disse Sueli Bernardes de Lima, de 62 anos, presidente do Conselho local e usuária da unidade de saúde.

Reunião marcada  


Por meio de nota, a SMSA informou que foi marcada para a tarde desta terça-feira, uma reunião entre uma comissão formada por usuários e trabalhadores, com o secretário Jackson Pinto. “O acolhimento aos pacientes foi suspenso e a previsão é de retornar amanhã (20/06). Os procedimentos agendados serão remarcados”, informou a pasta.  

Em relação ao assalto, a Secretaria confirmou que entre as vítimas está uma funcionária da unidade. No documento, afirmou que a Polícia Militar foi acionada após o roubo e que a guarda municipal estava na unidade no momento do assalto. “A SMSA tem desenvolvido ações em parceria com a Secretaria de Segurança, visando qualificar a segurança nas unidades de saúde. Foi implantado  luxo de abordagem a episódios de violência nos serviços desta Secretaria, que direcionam o trabalhador e/ou usuário na tomada de decisão em caso de violência. Este fluxo orienta quais providências e quem acionar em cada tipo de violência”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade