Publicidade

Estado de Minas

Polícia procura quarto integrante de grupo que roubou viatura da Polícia Civil em BH

O homem, que não teve o nome divulgado, é apontado como a pessoa que levou outras três pessoas para cometer o crime. O grupo invadiu a Academia da Polícia Civil e levou uma viatura descaracterizada


postado em 11/06/2018 16:53 / atualizado em 11/06/2018 17:05

Jovens presos disseram que não sabiam que o local do roubo era uma unidade da polícia(foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
Jovens presos disseram que não sabiam que o local do roubo era uma unidade da polícia (foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
O quarto integrante de um grupo que realizou um roubo ousado, dentro da Academia da Polícia Civil (Acadepol) no Bairro Gameleira, Região Oeste de Belo Horizonte, está sendo procurado. O homem, que não teve o nome divulgado, é apontado como a pessoa que levou outras três pessoas para cometer o crime. Os suspeitos entraram no local e renderam um policial civil que chegava para o serviço. Eles levaram uma viatura descaracterizada e se envolveram em dois acidentes. O agente atirou no automóvel e um dos indivíduos acabou baleado. Três foram detidos, entre eles, um adolescente. Aos investigadores, disseram que não sabiam que o local era uma unidade policial.

O crime aconteceu no início da manhã. Um inspetor do 1º Departamento da Polícia Civil chegava para prestar serviços na Acadepol. Ele entrou na unidade por volta das 6h e parou no estacionamento. Lá, acabou surpreendido pelos homens armados. “Havia acabado de estacionar sua viatura descaracterizada quando foi abordado por três indivíduos armados, que anunciaram o assalto e tomaram o veículo para si”, explicou a delegada Flávia Portes, coordenadora do 1º Departamento.

Carro que foi usado para levar os criminosos até a Acadepol(foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
Carro que foi usado para levar os criminosos até a Acadepol (foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
De acordo com Flávia, o inspetor saiu do veículo e se identificou como policial, para tentar evitar a fuga. Mas, os criminosos ignoraram a ordem. “O policial manteve a calma e tranquilidade, à princípio. A arma dele estava em na cintura e escondida por um casaco. Ele permitiu que os meliantes levassem a viatura, mas ao sair do veículo se identificou como policial e tentou impedir a ação. Os autores do crime perceberam que se tratava de um Policial Civil. Houve uma certa ameaça contra o policial, que acabou atirando para se defender”, disse a delegada. Um dos tiros atravessou a porta do lado do motorista e atingiu a perna de um dos indivíduos.

O grupo fugiu da Acadepol em alta velocidade na viatura descaracterizada pela Avenida Amazonas. Em um determinado ponto, acabaram se envolvendo em um acidente. “Ao entrar na Rua Cândido de Souza, bateram em outro carro. Um correu a pé e os outros dois tomaram um veículo de assalto e foram abordados”, explicou o tenente Leonardo Bohrer, da Polícia Militar (PM). O segundo carro roubado, um Uno, pertencia a uma mulher que estava levando três crianças para a escola. Ninguém se feriu. “Dentro do carro da Polícia Civil tinha uma réplica de pistola. O que fugiu estaria com a arma de fogo”, disse o tenente.

Detalhes das prisões foram divulgados em entrevista coletiva(foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
Detalhes das prisões foram divulgados em entrevista coletiva (foto: João Henrique do Vale/EM/DA Press)
Após o acidente, foi preso Igor da Silva Souza, de 21 anos, que foi baleado na perna no momento do assalto ao investigador. Ele foi levado para um hospital, onde recebeu atendimento médico. Um adolescente de 17 anos também foi detido. O terceiro envolvido, Gabriel Tales Gonçalves Ramos, de 18, conseguiu sair do local, mas acabou preso horas mais tarde em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Demos continuidade nos serviços de investigação e conseguimos localizar este terceiro indivíduo que fugiu no local do acidente”, comentou a delegada.

Na cidade, os policiais identificaram um Monza que foi usado para levar o grupo até a Acadepol. “O dono já está identificado, mas não conseguimos localizá-lo. Os trabalhos continuam para prendê-lo”, conta Flávia. Segundo ela, em entrevista, os envolvidos disseram que não sabiam que o local era da Polícia Civil. “Disseram que a intenção era roubar o veículo para depois praticar outros crimes contra o patrimônio, ou seja, roubos”, finalizou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade