Publicidade

Estado de Minas

Polícia intensifica caçada aos líderes da série de ataques em Minas

Equipes de batalhões especializados se espalham pelo interior em busca de criminosos que comandam ofensiva em Minas. Apontado como um deles, foragido morre em enfrentamento


postado em 08/06/2018 06:00 / atualizado em 08/06/2018 07:40

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)
Militares de batalhões especializados da Polícia Militar (PM) estão espalhados por cidades mineiras em uma caçada aos criminosos que vêm há seis dias comandando a onda violência que avança sobre Minas Gerais. Ontem, dia em que foram registradas menos ocorrências no estado desde o início das ações criminosas, no domingo, um homem apontado como um dos articuladores dos atentados foi morto em confronto com militares do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam)
(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)
em Pouso Alegre, no Sul de Minas. Creonte dos Santos Nogueira, conhecido como Psico, estava foragido e é suspeito de fazer parte de uma organização criminosa paulista que age dentro e fora de presídios do país. Em outra ação, na cidade de Alfenas, na mesma região, foi preso o suspeito de atirar em um quartel da PM na cidade. Com ele foram apreendidos uma submetralhadora e um revólver. A ofensiva das forças de segurança avança com objetivo de chegar aos líderes e mandantes dos ataques, que até ontem já haviam atingido 34 cidades com registros de depredação de patrimônio público e privado. 


Uma força-tarefa foi montada para a caçada, coincidindo com a informação de que os ataques começariam a mudar de alvos, passando a visar mais objetivos policiais e ligados ao sistema prisional. Somente do Batalhão Rotam, seis equipes estão empenhadas em diferentes regiões de Minas na busca de integrantes de organizações criminosas. As forças são orientadas por informações colhidas pelas equipes de inteligência da PM, da Polícia Civil e também do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que faz parte do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Foi por meio dessa troca de dados que policiais conseguiram chegar até Creonte, considerado um criminoso de alta periculosidade.

Uma fonte que participou da operação, e preferiu anonimato, informou que o homem faz parte de uma facção criminosa paulista e seria um dos principais articuladores dos atentados. “Ele estava por trás do pessoal do baixo tráfico, ordenando a colocação de gasolina em ônibus e em seguida a queima”, informou. Creonte planejava outras estratégias, ainda mais ousadas, como o ataque a agentes de segurança. “As investigações apontaram que ele estaria planejando, agora, ataques contra policiais e servidores do sistema prisional”, completou. As apurações indicam que ele já tinha sido o mandante do ataque contra a casa de um sargento da PM em São Lourenço, no Sul de Minas, no início da semana.

A operação para tentar prender Creonte foi montada depois que o Gaeco conseguiu informações sobre a localização dele, que estava foragido da Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O fugitivo estaria morando em Pouso Alegre. O Batalhão Rotam foi acionado e enviou equipes à cidade. Os militares foram até o Bairro Jardim Olímpio na tentativa de prender o criminoso. Um cerco foi montado na moradia, para impedir uma possível fuga. Na ação, segundo a PM, a luz do quarto foi acesa e uma moradora chegou na janela. Ao ver a movimentação policial, correu.

Um militar perguntou a ela sobre a presença de Creonte, mas ela negou que ele estivesse no local. De acordo com a PM, o foragido tentou fugir pelos fundos do imóvel, mas voltou ao perceber a presença de outros policiais. Segundo o registro da ocorrência, um tenente invadiu no imóvel e entrou em luta com o homem, que segurou a arma do oficial enquanto tentava apontar outro revólver para o militar.  Na briga, o suspeito caiu com a arma na mão e, de acordo com os militares, fez um movimento para atirar. Policiais reagiram e o atingiram com quatro tiros. Baleado, Creonte foi levado ao Hospital das Clínicas Samuel Libânio, mas não resistiu. O militar que lutou com ele também precisou de atendimento médico.

Segundo a PM, no bolso da calça do homem foram encontrados cartuchos calibre 9 milímetros. Creonte tinha passagens pela polícia por tráfico de drogas e homicídio. Na ação foram apreendidos pelas equipes celulares, computadores, documentos e anotações, que segundo a corporação, continham informações sobre a organização criminosa.

O Estado de Minas entrou em contato com o Gaeco para falar sobre as operações conjuntas e investigações que ocorrem em todo o estado. A assessoria de imprensa do MP confirmou que ações estão em curso na tentativa de encontrar e prender os criminosos, mas não deu mais detalhes. A justificativa foi que as apurações ocorrem de forma sigilosa.

Homem é preso após atentado contra PM


 

Joel Marques foi detido depois de correr ao avistar viatura da Rotam(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Joel Marques foi detido depois de correr ao avistar viatura da Rotam (foto: Polícia Militar/Divulgação)
Em outra ação para conter os ataques em Minas Gerais, militares do Batalhão Rotam prenderam Joel Aparecido Marques, conhecido como Jô, apontado como um dos autores de disparos contra o segundo grupamento do primeiro pelotão da 18ª Companhia de Meio Ambiente da Polícia Militar (PM) de Alfenas, no Sul de Minas, na madrugada de ontem.

Criminosos armados dispararam quatro tiros contra o Segundo Grupamento do Primeiro Pelotão da 18ª Companhia de Meio Ambiente da PM da cidade. Um dos tiros atingiu o letreiro luminoso da unidade e cápsulas foram recolhidas pela perícia. Imagens de câmeras de segurança de um estabelecimento próximo foram analisadas na tentativa de identificar os autores.

Uma operação foi desencadeada na cidade em busca dos criminosos. De acordo com militares durante a ação, Joel correu ao avistar viaturas da Rotam e tentou se esconder em uma casa. Depois da prisão, buscas foram feitas no imóvel, onde foram apreendidos uma submetralhadora calibre .40 com silenciador e um revólver calibre 38. Também foi apreendida munição de diversos calibres e diferentes tipos de drogas. Durante a abordagem, segundo a PM, o homem confessou ter sido um dos autores dos disparos contra prédios públicos em Alfenas. Outros envolvidos estão sendo procurados.

Ao menos outros dois casos foram registrados ontem. Além de Alfenas, João Pinheiro, no Noroeste do estado, também teve ocorrências. Já na noite de quarta-feira, Sacramento, no Alto Paranaíba, e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, registraram ataques de criminosos, que atearam fogo a um ônibus em cada cidade (veja quadro). Com isso, já são pelo menos 34 cidades com ocorrências de depredação do patrimônio nos últimos cinco dias. De acordo com a PM, desde domingo, 73 pessoas foram detidas, entre elas, 22 menores.

Na casa em que ele tentou se esconder foram apreendidos armamento e drogas (foto: Polícia Militar/Divulgação)
Na casa em que ele tentou se esconder foram apreendidos armamento e drogas (foto: Polícia Militar/Divulgação)


Ontem, detentos foram transferidos do presídio de Uberaba, no Triângulo Mineiro, uma das cidades que mais vêm sofrendo com os ataques. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), a ação não tem relação com os atentados. “A Seap esclarece que a transferência de presos dentro do sistema prisional mineiro é uma ação diária e que faz parte da gestão prisional. No caso específico de Uberaba, as transferências com a presença do Cope realizadas nesta quinta-feira fazem parte da rotina da unidade. Por razões de segurança, não informamos detalhes sobre as ações”, informou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade