Publicidade

Estado de Minas

Polícia prende suspeitos de vender atestados médicos na Praça Sete

Dupla guardava os papéis dentro de um cofre que ficava em um estabelecimento comercial da Região Central da cidade


postado em 05/06/2018 20:08 / atualizado em 05/06/2018 22:51

(foto: PMMG/Divulgação)
(foto: PMMG/Divulgação)
Após denúncias, dois homens foram presos nesta terça-feira (5) suspeitos de vender atestados médicos falsos na Praça Sete, na Região Central de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Militars (PM), que foi acionada e esteve no local indicado, além dos documentos encontrados em um cofre de um estabelecimento comercial da região, também foram apreendidos outros equipamentos que seriam úteis na confecção dos laudos.

Conforme o tenente Romeu Bessa, que esteve na operação, um homem, de 46 anos, foi abordado no quarteirão fechado da praça. "Com esse suspeito, foi encontrado um atestado médico e, depois disso, ele nos informou quem estaria fornecendo esses documentos", explicou o policial.

Os militares, então, se dirigiram para o local indicado pelo homem e chegou a um estabelecimento comercial também do Centro de BH. "Dentro do cofre dessa loja, foi localizada uma vasta quantidade de atestados médicos, sendo alguns com carimbos do Conselho Regional de Medicina (CRM)", informou o tenente. Também foram apreendidos um notebook, quatro celulares e documentos falsos, como talões de cheque, carteiras de trabalho e certidões de nascimento.

Tanto o fornecimento por parte do médico, quanto o uso por parte do paciente, têm restrições no Código Penal Brasileiro. Segundo o Artigo 304 do código, é probido "fazer uso de qualquer dos papéis falsificados ou alterados". A pena para esse tipo de crime, de acordo com o documento, é referente à falsificação ou à alteração de documento.

A corporação ressaltou a importância da população ao denunciar pelo disque-denúncia (181) qualquer tipo de informação que possa auxiliar o bem-comum da sociedade.

* Estagiário sob supervisão da subeditora Regina Werneck

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade