Publicidade

Estado de Minas

Hospital do Norte de Minas reduz exames e restringe alimentação

A medida teve que ser tomada devido a falta de insumos provocada pela paralisação dos caminhoneiros contra o aumento do preço do combustível. Acompanhantes dos pacientes não terão alimentação


postado em 29/05/2018 16:55 / atualizado em 29/05/2018 21:07

(foto: Unimontes/Divulgação)
(foto: Unimontes/Divulgação)

A greve dos caminhoneiros, que chegou ao nono dia nesta terça-feira, restringe os serviços de hospitais no interior do estado, prejudicando pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), de Montes Claros, no Norte de Minas, anunciou, nesta terça-feira, que, devido ao movimento grevista, teve que adotar várias medidas, incluindo a redução de exames e a suspensão de fornecimento de alimentação aos acompanhantes dos pacientes internados.

O HUCF presta atendimento gratuito por meio do SUS, recebendo pacientes de todo o Norte do estado. Grande parte dos clientes são famílias de baixa renda. O hospital é vinculado à Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) que, em função da paralisação dos caminhoneiros, está com atividades suspensas devido ao ponto facultativo decretado pelo Governo do Estado. Apenas os serviços essenciais de saúde, segurança e das Unidades de Atendimento Integrado (UAIs).

Em nota, o Hospital Universitário informa que reduziu a realização dos exames de sangue creatinina e PCR, que agora serão feitos somente em casos “estritamente necessário”, “uma vez que os insumos não estão sendo entregues”. O exame de creatinina serve para avaliar as condições dos rins. Já o PCR é um exame que mede a proteína C reativa (produzida no fígado), sendo usado para o diagnóstico de casos de processos inflamatórios, doenças reumáticas e infecções no organismo.

O superintendente do HUCF, Otávio Braga Lima, disse que para a manutenção da realização dos exames de sangue é preciso recompor rapidamente os estoques de insumos do hospital. “Pois esses insumos são perecíveis. O prazo de validade de alguns produtos usados nos exames, em média, é de somente de uma semana”, afirma.

O Hospital Universitário da Unimontes informou que as cirurgias seletivas e de urgência na unidade estão garantidas até o próximo domingo, mas sendo realizadas somente após “avaliação criteriosa do corpo clínico”. De acordo com Otávio Braga, na próxima segunda-feira, o hospital vai fazer uma avaliação do quadro para novo agendamento das cirurgias.

Ainda por causa do desabastecimento de gêneros alimentícios provocado pela greve dos caminhoneiros, o Hospital Universitário de Montes Claros decidiu que vai fornecer alimentação “exclusivamente” para pacientes e servidores plantonistas, interrompendo o fornecimento de comida para acompanhantes dos pacientes internados. Até a troca de roupas de cama do hospital foi alterada. A partir de agora, a troca deverá ser feita apenas uma vez por dia (antes, eram duas) por conta da redução dos estoques de produtos usados na lavanderia da instituição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade