Publicidade

Estado de Minas

Protesto contra alta de combustível complica trânsito na Avenida Amazonas

Mais de 50 caminhões participaram do ato na via na Região Oeste de Belo Horizonte. Segundo a BHTrans, por volta das 18h, os veículos seguiram para Betim


postado em 23/05/2018 18:47 / atualizado em 24/05/2018 20:04



Belo Horizonte não escapou dos protestos dos caminhoneiros contra a alta dos combustíveis. Dezenas de caminhões pararam em fila na Avenida Amazonas, próximo à Avenida Silva Lobo, na Região Oeste da capital mineira. O protesto provocou longos congestionamentos na via na tarde desta quarta-feira, pois uma das pistas ficou interrompida. Mais de 50 veículos participaram do ato, segundo a BHTrans. A manifestação acabou por volta das 18h.

Veículos ocuparam duas pistas da avenida na tarde desta quarta-feira(foto: Rita de Cássia Duarte)
Veículos ocuparam duas pistas da avenida na tarde desta quarta-feira (foto: Rita de Cássia Duarte)


A concentração teve início por volta das 15h50. De acordo com a empresa que administra o trânsito em BH, os primeiros veículos começaram a trafegar em fila no sentido Bairro/Centro, próximo à Rua Rio Negro, no Bairro Prado. Por volta das 16h20, o comboio fez um retorno na altura da Avenida do Contorno e foi para a direção contrária, descendo no sentido Centro/Bairro, perto da Avenida Francisco Sá, no Bairro Gutierrez. O protesto terminou às 18h, quando os veículos pesados seguiram em direção a Betim. Equipes da BHTrans, Batalhão de Trânsito e Polícia Militar (PM) acompanharam o ato.

Motoristas que passavam pela Avenida Amazonas tiveram que ter paciência. “Passei pela via e o trânsito estava todo parado. Eram vários veículos, principalmente carregando caçambas. Os motoristas estavam em fila e buzinando, soltando fogos de artifício e com faixas contra o reajuste”, disse a funcionária pública Rita de Cássia Duarte. “Acho que tem que fazer mesmo (manifestação). É um absurdo o preço que a gente está pagando na gasolina. Os postos estão todos lotados, então, tem que fazer mesmo. Outros veículos tinham que participar também para parar a cidade e estradas na tentativa de conseguir alguma coisa”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade