Publicidade

Estado de Minas

Fiscalização emite mais de 1 mil multas por problemas nos ônibus de BH

BHTrans intensifica fiscalização, autua mil ônibus em três meses na capital. Em média, quatro veículos são impedidos de seguir viagem por dia


postado em 11/05/2018 06:00 / atualizado em 11/05/2018 07:26

Agentes da BHTrans fiscalizam 79 itens em cada coletivo, entre eles estado dos pneus (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Agentes da BHTrans fiscalizam 79 itens em cada coletivo, entre eles estado dos pneus (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

De um lado, empresas de ônibus pressionando por reajuste nas passagens de Belo Horizonte; de outro, a prefeitura da capital, que condiciona a análise a uma auditoria do setor sem data para terminar; no meio da queda de braço, o usuário do transporte, já pressionado pelo anúncio de disparada no preço da passagem do metrô, e que se vê às voltas com coletivos em más condições e problemas que às vezes impossibilitam até mesmo que o veículo rode. Esse quadro se traduz em números preocupantes revelados em ofensiva da BHTrans, que intensificou a fiscalização e, apenas nos primeiros três meses do ano, identificou 1.033 irregularidades na frota. São falhas que vão de pneus em condições precárias a defeito nos elevadores para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção, chegando a casos que exigem o recolhimento da autorização de tráfego dos veículos. De janeiro a março foram 425 retenções desse documento, o que equivale à média de quatro ônibus impedidos de seguir viagem a cada dia na cidade. Nesse caso, o motorista precisa levar o veículo para sanar o problema e depois submetê-lo a nova vistoria na sede da BHTrans, antes de retomar as atividades.


“Os ônibus têm que ser fiscalizados todos os dias, para dar mais conforto aos passageiros. A passagem é muito cara para o serviço que é oferecido. Já cansei de ver cadeira suja, janela quebrada e porta que demora a fechar, além de descumprimento do horário previsto”, testemunha o montador de andaimes Giovanni Luiz de Silva, de 37 anos, usuário da linha 9208 (Taquaril/Conjunto Santa Maria). Ele fala de problemas do cotidiano em um sistema que teve 11 ônibus multados todos os dias, em média, na capital durante vistorias da BHTrans entre janeiro e março. Segundo o gerente de Operações de Transporte da empresa municipal, Artur Abreu, o alto número de problemas reflete uma determinação da atual administração da Prefeitura de BH para fechar o cerco às más condições dos coletivos na cidade.

O anúncio da intensificação da fiscalização ocorre quase três meses depois que um ônibus caiu em um córrego no Barreiro, aparentemente depois de perder os freios, matando cinco pessoas e deixando 14 feridas. Paralelamente ocorre o impasse em relação ao preço das passagens, cujo reajuste foi barrado no início do ano pela prefeitura e depois pela Justiça. O sistema enfrenta ainda denúncias da ausência de cobradores em horários em que a presença deles seria obrigatória, além da queima de coletivos na cidade.

Só neste ano, já foram incendiados oito veículos de responsabilidade das empresas prestadoras do serviço na capital, que alegam falta de recursos para a reposição. Ainda segundo a BHTrans, de janeiro a 17 de abril foram 285 autuações pelo fato de as mesmas empresas colocarem ônibus sem o agente de bordo ou cobrador para rodar em horários em que o trabalhador deveria estar presentes. O número supera em 35% as 210 autuações registradas pelo mesmo motivo em todo o ano passado.

(foto: Arte/Paulinho Miranda)
(foto: Arte/Paulinho Miranda)


Ontem, a equipe do EM acompanhou vistorias de agentes da BHTrans, que conferem uma lista com 79 itens nos coletivos. Alguns deles, como problemas no freio de porta, para-brisa trincado, pneus carecas, saída de emergência travada, luz de freio queimada ou falta do extintor de incêndio, geram o recolhimento imediato da autorização de tráfego. “O objetivo das vistorias é evitar que acidentes aconteçam, porque nós temos cerca de 2,9 mil ônibus na cidade que, juntos, fazem 25 mil viagens e percorrem 540 mil quilômetros todos os dias”, afirma o gerente da BHTrans Artur Abreu. No período em que a reportagem acompanhou o trabalho, não houve autuações nos coletivos da linha 5201 (Buritis/Dona Clara), integrante do sistema do Move. “Cerca de um terço das 291 linhas de BH têm índice de desempenho operacional mais baixo do que as demais e por isso são visitadas com mais frequência por nossas equipes, justamente para tentar forçar a melhoria nas condições”, diz Abreu.

A estudante Amanda Pinheiro, de 23, defende que as vistorias devem ser cada vez mais intensificadas, principalmente para flagrar o descumprimento dos horários previstos nas viagens. Ela mora no Conjunto Santa Maria, Região Oeste de BH, e vai todos os dias para a faculdade no Bairro Funcionários, Centro-Sul da cidade. “Os ônibus só passam lotados e sempre atrasam. Além disso, é muito comum os coletivos da linha 9206 (Buritis/Vera Cruz) quebrarem. O serviço é horrível para os R$ 4,05 da passagem”, diz ela. O gerente Artur Abreu, diz que todos os dias são 110 vistorias, conforme divisão da cidade feita pela empresa para alcançar todas as 291 linhas. “Houve intensificação desde julho do ano passado, em função de uma reorganização interna da BHTrans”, afirma.

 

 

Mortes e desastres

 

Na noite de 13 de fevereiro, terça-feira de carnaval, o motorista de um ônibus da linha 305 (Estação Diamante/Mangueiras) perdeu o controle do veículo na Rua José Luiz Raso, na Região do Barreiro, e o coletivo caiu em um córrego. Além do condutor, Márcio João de Carvalho, de 60 anos, morreram quatro passageiros. Cinco dias depois, um motorista da linha 311 (Estação Diamante/Independência), da mesma empresa, parou o veículo e pediu que os passageiros descessem, devido a problemas mecânicos. Menos de duas semanas depois da ocorrência com mortes, na Região Nordeste, no Bairro Nazaré, um coletivo da linha 808 (Estação São Gabriel/Paulo VI) teve o eixo traseiro arrancado em uma ladeira. O ônibus estava cheio e houve pânico entre os passageiros. Na madrugada do mesmo dia, um micro-ônibus da linha 55 (Santa Amélia/Planalto) invadiu uma casa no Jardim Leblon, em Venda Nova, depois de ficar sem freios. Não havia passageiros. O condutor teve lesões leves.

Situação dos elevadores é checada nas operações. Ação de ontem não encontrou irregularidades nos veículos (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Situação dos elevadores é checada nas operações. Ação de ontem não encontrou irregularidades nos veículos (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
 

 

Auditoria ainda não tem prazo

 

Depois de o prefeito Alexandre Kalil dizer que as passagens não aumentariam até a abertura da “caixa-preta” do transporte coletivo da capital, o processo de auditoria nas contas das empresas agora depende da assinatura da ordem de serviço autorizando a empresa Maciel Consultores a entregar, em até seis meses, o relatório final da fiscalização. A empresa foi a única interessada em verificar os contratos referentes ao serviço de transporte público de passageiros por ônibus em BH. Segundo o edital 2017/002, o contrato tem como objetivo dar transparência aos números do setor, principalmente em relação aos custo operacionais para operação do sistema pelas concessionárias.

Falta de trocador tira ônibus das ruas


A flexibilização da presença dos trocadores em ônibus foi autorizada por meio de lei municipal apenas nos ônibus do Move, em qualquer horário, ou entre 20h30 e 5h59, nas demais linhas da cidade. Porém, na terça-feira o EM flagrou um coletivo da linha 8001A (Santa Inês/BH Shopping) sem o cobrador às 19h30, pleno horário de pico da volta para casa e também em um dia de evento na Arena Independência, que recebia a partida entre Atlético e San Lorenzo, pela Copa Sul-Americana. Essa situação tem incomodado tanto motoristas, que precisam cobrar as passagens além de dirigir, quanto passageiros. “Acho que a ausência do cobrador torna o percurso mais perigoso, pois tira o foco do motorista, além de atrasar a viagem”, diz a comerciante Ivana Queiroz.

Um condutor da linha 5201 (Buritis/Dona Clara), que não quis se identificar, disse que especialmente no caso dos coletivos que ele dirige, a medida complicou muito a vida dos motoristas. “Tem uns lugares em que temos que fazer manobra, e nessas horas o trocador ajudava demais. Além disso, quando embarca um passageiro cadeirante nós temos que acionar o elevador e abandonar a direção. Isso me deixa um pouco preocupado, porque já teve uma situação em que um passageiro transtornado entrou no ônibus e tentou soltar o freio de mão. Nesse caso eu estava no volante e pisei no freio. Imagina se alguém faz isso quando não houver ninguém na direção?”, questiona o condutor.

Outro motorista que pediu para não ser identificado disse que a presença do trocador é muito importante em algumas situações no trânsito. “Você não imagina como é sair da faixa exclusiva da Antônio Carlos para pegar o viaduto da rodoviária. Ninguém deixa passar e é muito difícil fazer essa manobra”, afirma. Ainda segundo o condutor, a linha 5201 foi integrada ao Move, mas roda não só pelas pistas exclusivas da Antônio Carlos e também enfrenta o trânsito em geral da cidade. Nesse caso, a ausência do cobrador tornou-se ainda mais prejudicial.

Apesar dos números da BHTrans e das queixas dos motoristas, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setra BH) sustentou, em nota, que a operação sem o agente de bordo somente é realizada em horários e linhas autorizados, e que a situação não acarreta prejuízo à qualidade do serviço. Ainda segundo a entidade, as 1.033 multas aplicadas aos veículos de janeiro a março de 2018 “correspondem a 0,05% das mais de 2 milhões de viagens realizadas pelo sistema de transporte coletivo” na capital no período. “A expressiva maioria delas é objeto de recurso junto à BHTrans”, concluiu.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade