Publicidade

Estado de Minas

Para denunciar violência doméstica, TJMG vai distribuir adesivos em bares de BH

Parceria firmada entre o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel/MG) vai colar adesivos na porta dos banheiros dos estabelecimentos


postado em 03/05/2018 22:02

Em 2017, a média foi de 1,1 feminicídio por dia em Minas Gerais(foto: Divulgação/TJMG.)
Em 2017, a média foi de 1,1 feminicídio por dia em Minas Gerais (foto: Divulgação/TJMG.)
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) vai divulgar informações para auxiliar mulheres a denunciar casos de violência doméstica. Distribuídos em bares, adesivos vão trazer a mensagem "Não se cale", além do telefone 180 da Central de Atendimento à Mulher. A hashtag #QuebreEsseCicloDeViolência complementa a mensagem. 

O material será colado nas portas dos banheiros feminino e masculino de estabelecimentos de Belo Horizonte. O trabalho nasceu de uma parceria entre Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), vinculada ao TJMG, com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel/MG). 

Quanto à identidade visual, os adesivos seguem as mesmas especificações da campanha Justiça pela Paz em Casa, do Supremo Tribunal Federal (STF). Realizada em março, entre os dias 21 e 25, a iniciativa centralizou os trabalhos jurídicos em processos relacionados à violência contra a mulher. 

Em conteúdo produzido em abril, o Estado de Minas ressaltou o aumento dos casos de feminícidio em Minas Gerais. Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) mostram aumento de 9% dos casos entre 2016 e o ano passado. 

Em 2017, a média foi de 1,1 crime dessa natureza por dia no estado. O crime de feminicídio é o homicídio contra a mulher motivado por menosprezo ou discriminação, ou por razões de violência doméstica. A lei foi sancionada em 2015 e transformou esse tipo de assassinato em crime hediondo (ações que merecem maior reprovação do Estado).

Com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade