Publicidade

Estado de Minas

Mulheres fazem 'mamaço' após mãe ser constrangida ao amamentar filha em shopping

Depois de uma mãe ter sido constrangida por funcionário de shopping por alimentar bebê de 5 meses no estabelecimento, mulheres se manifestam pelo direito, já garantido em lei


postado em 28/04/2018 16:05 / atualizado em 29/04/2018 15:01

Cerca de 20 mães participaram do ato, que chamou a atenção de quem passava pelo local(foto: Larissa Ricci/EM/D.A press)
Cerca de 20 mães participaram do ato, que chamou a atenção de quem passava pelo local (foto: Larissa Ricci/EM/D.A press)
A amamentação é um dos momentos mais importantes da maternidade, pois beneficia tanto a saúde das crianças quanto das mães. A lactante tem o direito garantido por lei de escolher qualquer local para amamentar, de uso coletivo, públicos ou privados. Entretanto, ainda há quem critique e, pior, impeça esse ato. Depois de uma mãe denunciar ter sido constrangida ao alimentar sua filha ao peito no Boulevard Shopping, no Bairro Santa Efigênia, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, um grupo se juntou para se manifestar pelo direito.

O protesto foi organizado pelas redes sociais e contou com cerca de 20 mulheres, que, nas vésperas do dia das mães, chamou a atenção de quem passava pelo local na tarde deste sábado. O estabelecimento ressaltou que vai reforçar o treinamento dos seus funcionários para que eles tenham 'a melhor postura diante de tal fato”.

A estudante de odontologia Marina Brandão Braga, de 25 anos, diz que houve tentativa de impedi-la de amamentar sua filha de 5 meses na segunda-feira. "Eu já estava indo embora, por volta das 19h30, quando minha filha começou a chorar. Sentei-me no cantinho da escada, acompanhada de minha mãe e de uma irmã, quando um segurança do shopping nos abordou e disse para irmos ao berçário, que ali não poderíamos ficar", explica.

Marina lembra que fazia muito frio naquela noite e, por isso, aguardava por um carro de aplicativo dentro do shopping para ir embora com a família. "Minha mãe tentou argumentar com o segurança. Ele disse que era uma orientação da administração do local, mas que nos abriria uma exceção porque estávamos indo embora". 

A LEI Após o constrangimento, a estudante de odontologia avalia se levará o caso à Justiça. Isso porque, em junho de 2016, foi sancionada a Lei Municipal 10.940/2016 para assegurar o aleitamento, prevendo multa ao estabelecimento que impedir ou constranger a lactante. O art. 2 é claro: “Independentemente da existência de áreas específicas ou exclusivas para o aleitamento, a amamentação é ato livre e discricionário entre o filho e a mãe, a qual decidirá o momento e local onde deseja praticá-lo livremente ou sem qualquer restrição e intervenção de terceiros.” Em dezembro, foi a vez de o estado de Minas Gerais regulamentar esse mesmo direito, pela Lei 22.439/2016. 

Ainda de acordo com a coordenadora do Grupo Gestar, e também integrante do movimento nacional A Hora do Mamaço, Gabriele Faria, de 31, essa não é a primeira vez que mulheres são impedidas de amamentar livremente nesse shopping. No mês passado, um episódio parecido teria ocorrido na Praça de Alimentação do estabelecimento quando uma mãe colocou que começava a amamentar um dos seus gêmeos teria sido orientada a se dirigir ao Espaço Família.

"Eu acho triste ainda termos que fazer este tipo de ato A mulher tem o direito de escolher onde e quando vai amamentar, afinal, o corpo e o filho são dela". Gabriele lembra ainda que já havia solicitado ao estabelecimento comercial que fizesse uma retratação pública com relação aos casos anteriores, mas não obteve retorno. 

Esse tipo de constrangimento ultrapassa as barreiras de um shopping. “O Brasil é o país onde as mulheres mais são criticadas por amamentar em público no mundo. Nossos seios são vistos pela sociedade apenas com função sexual e não para a amamentação. E é parte de uma cultura machista”, pontuou a jornalista e relações-públicas Ana Regina Caldeira, de 40. Mãe de dois filhos, ela contou que também já foi abordada em outro tipo de estabelecimento: “Uma vez, fui amamentar em um banco e me pediram para cobrir o peito com um pano. Coloquei o pano na minha cabeça para ironizar o pedido.” 

O OUTRO LADO Em nota, o Boulevard Shopping informou que é totalmente a favor da amamentação e defende que toda mãe amamente seu filho. Disse ainda que seu posicionamento sempre foi e continua sendo o de deixar as mulheres livres para amamentarem nas dependências do shopping, onde for mais confortável para elas, seja nos corredores, seja nos espaços família disponíveis nos Pisos 2 e 3. Além disso, ressaltou que vai reforçar o treinamento dos seus funcionários e prestadores de serviços para que eles tenham a melhor postura diante de tal fato.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade