Publicidade

Estado de Minas

Buscas por francês desaparecido na Serra da Mantiqueira entram no 10º dia

O atleta Gilbert Eric Weterlín desapareceu em 17 de abril durante um treino na Serra da Mantiqueira. As buscas começaram dois dias depois, quando a família comunicou o desaparecimento


postado em 28/04/2018 09:39 / atualizado em 28/04/2018 11:58

Atleta fazia um treino quando desapareceu(foto: Divulgação)
Atleta fazia um treino quando desapareceu (foto: Divulgação)

A operação para tentar encontrar o atleta francês Gilbert Eric Weterlín, que desapareceu em 17 de abril na Serra da Mantiqueira, entra no 10º dia. Militares do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e São Paulo, além de policiais militares, seguem as buscas, que tiveram início dois dias depois do desaparecimento, quando as autoridades foram comunicadas pela família dele. Neste sábado, a ação começou logo no início do dia, por volta das 5h. Ainda não há pistas sobre o paradeiro do homem.

A família informou que Gilbert Eric desapareceu na terça-feira 17 de abril. Contudo, o registro só foi formalizado na quarta-feira e as buscas começaram na manhã de quinta-feira.  Welterlin estava acostumado a participar de competições de corrida em montanhas fora do Brasil. No dia do desaparecimento, segundo informações de familiares, ele teria saído para treinar com equipamentos mínimos de sobrevivência: uma jaqueta impermeável, um cobertor de emergência e uma head-lamp (dispositivo de luz na cabeça). Mas, não voltou. Ele é morador de Itajubá, no Sul de Minas, e casado com uma brasileira.

Nessa sexta-feira, a operação contou com 33 militares. A equipe do Corpo de Bombeiros de Itajubá, juntamente com militares do Batalhão de Emergências Ambientais e Resposta a Desastres (BEMAD) fizeram buscas em um local conhecido como Morro do Careca. Eles seguiram na direção Noroeste, até um trecho conhecido como Pedra do Sanduíche. Segundo o Corpo de Bombeiros, os militares vasculharam locais de difícil acesso que ainda não tinham sido vasculhados por outros equipes. Técnicas de rapel foram usadas em alguns trechos.

Outras equipes de militares de São Paulo fizeram as buscas em regiões fechadas até a área de estacionamento. Também vasculharam a rota a rota entre a Pedra Redonda até o trecho do Pico do Itaguaré. Outro grupo percorreu um trecho de quatro quilômetros em uma área conhecida como Marins, e depois foram até a divisa de Marmelópolis com Delfim Moreira, em um percurso de 15 quilômetros. Alguns populares que conhecem a região também participaram das buscas voluntariamente.

Militares do Corpo de Bombeiros tiveram que usar técnicas de rapel nessa sexta-feira durante as buscas em locais de difícil acesso(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Militares do Corpo de Bombeiros tiveram que usar técnicas de rapel nessa sexta-feira durante as buscas em locais de difícil acesso (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


Bombeiros cogitam morte


Na última quarta-feira, o Corpo de Bombeiros cogitaram a morte do atleta. De acordo com a corporação, os militares foram orientados a observar se há presença de urubus e odor forte que podem indicar presença de cadáver.  "Nesta terceira fase da operação as buscas concentram-se também na observação da presença de concentração de aves de rapina e odores específicos", diz em nota.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade