Publicidade

Estado de Minas

Falta verba para vacina contra o Aedes aegypti criada na UFMG

Substância mata o mosquito ou compromete sua reprodução, afetando o ciclo de várias viroses. Poderia estar no SUS em pouco tempo, mas falta dinheiro


postado em 25/04/2018 06:00 / atualizado em 25/04/2018 07:35

Professor Rodolfo Giunchetti diz que o estudo vai possibilitar a produção de milhões de doses da indústria(foto: Sidney Lopes/EM/DA Press)
Professor Rodolfo Giunchetti diz que o estudo vai possibilitar a produção de milhões de doses da indústria (foto: Sidney Lopes/EM/DA Press)

Uma vacina com proposta revolucionária de combate ao Aedes aegypti, desenvolvida nos laboratórios da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), está ameaçada por falta de financiamento, apesar de seu potencial para enfrentar as várias viroses transmitidas pelo mosquito, com aplicação no Brasil e em várias partes do planeta. O imunizante é o único no mundo por meio do qual o ser humano, ao ser imunizado, se torna “tóxico” ao inseto, matando ou prejudicando a reprodução do transmissor de males como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Com verbas suficientes para continuidade dos estudos, em um prazo de cinco anos o país poderia fazer uso da nova droga e incorporá-la ao calendário nacional de vacinação via Sistema Único de Saúde (SUS). “Temos a consciência de desenvolver um produto que seja barato e tenha apelo para o SUS para combater epidemias. E certamente ele não ficará restrito ao país”, afirma o professor Rodolfo Giunchetti, coordenador da pesquisa que gerou tese de doutorado e cujo resultado foi patenteado.


Os estudos em busca de uma vacina contra insetos que se alimentam de sangue e que transmitem doenças de importância médica e veterinária começaram há cerca de oito anos no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG. Giunchetti explica que esse tipo de imunizante representa uma vantagem tecnológica para o Brasil, pois combater o mosquito é mais eficaz do que vacinar a população contra cada uma das doenças que ele transmite. “Além disso, essa vacina pode ser associada à imunização contra algumas doenças, como dengue”, afirma o professor do Departamento de Morfologia.

Enquanto a pesquisa corre o risco de definhar por falta de dinheiro, as enfermidades que ela ajudaria a combater são preocupação constante para a população e o poder público. Em relação à febre amarela, cujo vírus pode se urbanizar e passar a ser transmitido pelo Aedes aegypti, o estado já confirmou, apenas este ano, 486 casos, com 155 mortes comprovadas. A dengue, outra virose disseminada pelo inseto, tem 14.781 registros suspeitos nos quatro primeiros meses de 2018, com três casos fatais confirmados e nove sob investigação. A febre chikungunya tem 4.310 notificações – média de 38,1 por dia –, conforme boletim divulgado no início da semana pela Secretaria de Estado de Saúde, enquanto a zika tem 170 diagnósticos prováveis.

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)
MECANISMO As formulações da vacina desenvolvida na UFMG contêm proteínas importantes para a vida do inseto e geram nas pessoas imunizadas a produção de anticorpos contra essas proteínas. Ao se alimentar do sangue com esses anticorpos, o Aedes aegypti sofre alterações em sua fisiologia que podem levá-lo à morte ou, no mínimo, provocar sérios danos à cadeia reprodutiva. O professor explica que o indivíduo que receber a dose não estará automaticamente protegido contra as viroses transmitidas pelo vetor, “mas o componente vai ajudar a eliminar o mosquito, o que, em última instância, provoca o fim dessas doenças por falta do principal elo de transmissão”. Além disso, o imunizante pode ser associado a outras vacinas, como a da dengue, que está em processo de desenvolvimento.

 

“Se conseguirmos entregar algo que cause distúrbio naquele inseto que tenta se alimentar de nós, conseguiremos comprometer o desenvolvimento do mosquito”, diz. O trabalho é parte da tese de doutorado da pesquisadora Marina Luiza Rodrigues Alves. Ela desenvolveu a formulação e a usou como prova de conceito. Observou que um terço dos insetos que picava animais imunizados morria imediatamente. Ao acompanhar o ciclo completo do inseto, a pesquisadora constatou redução significativa no número de ovos e baixa viabilidade das pupas (forma entre a fase larval e a adulta), que se desenvolveram mal ou morreram. Percebeu-se redução de cerca de 60% no ciclo do Aedes.

"Temos biotério de macacos, hospital na UFMG e condições de fazer todos os estudos, mas falta o principal: dinheiro"

Professor Rodolfo Giunchetti, coordenador da pesquisa


Para o estudo inicial da prova de conceito foi usada uma vacina rudimentar, que serviu para verificar se o experimento funcionaria. Depois dos primeiros resultados, os pesquisadores partiram para a segunda etapa: achar uma formulação que permita a produção em larga escala. “Encontramos quatro formulações que podem ser produzidas em milhões de doses pela indústria”, revela Rodolfo Giunchetti.


O alvo são as fêmeas do Aedes, que picam em busca do sangue, necessário para o amadurecimento do ovário e a produção de ovos. Ela digere o sangue, põe os ovos e volta para se alimentar. O ensaio pré-clínico da vacina foi feito em camundongos, que, depois de receber a dose, produziram anticorpos capazes de induzir alterações no inseto, resultando em desequilíbrio fisiológico de alto impacto. Os próximos passos são testes em macacos e em humanos. Para isso, a pesquisa depende de financiamento.

Pesquisador à espera de financiadores


O estudo desenvolvido na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que resultou em vacina que mata o mosquito Aedes aegypti é parcialmente financiado por parceria firmada entre Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Ministério da Saúde. Na UFMG, conta com a participação de professores dos departamentos de Morfologia e de Parasitologia. Também participam pesquisadores da Universidade Federal de Ouro Preto, do Centro de Pesquisas René Rachou/Fundação Oswaldo Cruz (CpqRR-Fiocruz) e do Instituto Butantan.


“Temos R$ 1,3 milhão, o que não cobre o restante das etapas. O estudo para os testes humanos é caro. Temos biotério de macacos, hospital na UFMG e condições de fazer todos os estudos, mas falta o principal: dinheiro”, ressalta o professor Rodolfo Giunchetti, coordenador da pesquisa que gerou a substância patenteada de combate ao Aedes. As formulações para produção em larga escala, por exemplo, só foram obtidas graças a recursos de outros projetos.
Com dinheiro em caixa, a vacina poderia ter registro submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em cinco anos. “A indústria, historicamente, não tem hábito de financiar projetos da área de saúde. Para termos um cenário parecido com o dos Estados Unidos, é preciso amadurecimento do empresariado. Esperamos que o setor privado se interesse e financie as etapas finais de desenvolvimento da vacina.”

APOSTA A parceria com o setor privado é expectativa da UFMG para equacionar um dos desafios da universidade, conforme mostrou o Estado de Minas na semana passada: transformar os mais de 800 depósitos de patentes da instituição em produtos de mercado. Para isso, a instituição pretende lançar mão da flexibilidade criada pelo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei 13.243/16) para fazer parcerias com empresas, arrecadar royalties e, assim, se livrar da atual dependência financeira das agências públicas, responsáveis por bancar a pesquisa no Brasil.
Para isso, a maior instituição de ensino superior de Minas aprovou em dezembro do ano passado sua Política de Inovação, com as diretrizes gerais para atender a várias demandas da nova legislação. Ela passou pelo crivo do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e, em seguida, do Conselho Universitário.

 

R$ 68 mi para hospitais


O Ministério da Educação anunciou ontem cerca de  R$ 68 milhões para hospitais universitários federais, como o Hospital das Clínicas da UFMG. A verba vem de programa  gerido pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), com liberação  por meio de portarias do Ministério da Saúde. Do total, R$ 50,8 milhões vão para o custeio de materiais de uso diário nas unidades e R$ 17,8 milhões para obras  e  equipamentos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade