Publicidade

Estado de Minas

Ataques a caixas eletrônicos de três cidades mineiras podem ter ligação

Quinto dia útil do mês, quando agências reforçam cofres para pagamento de salários, se torna data de apreensão diante da ação de assaltantes de bancos. Quatro cidades foram alvo ontem, sendo que em três delas a PM suspeita de conexão


postado em 07/04/2018 06:00 / atualizado em 11/04/2018 13:52

Ação mais violenta, segundo a PM, ocorreu em Areado, onde cerca de 20 bandidos agiram com armas longas e promoveram verdadeiro terror na madrugada(foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)
Ação mais violenta, segundo a PM, ocorreu em Areado, onde cerca de 20 bandidos agiram com armas longas e promoveram verdadeiro terror na madrugada (foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)
A chegada do quinto dia útil do mês, comemorado por muitos trabalhadores diante da expectativa de depósito dos salários, vem se tornando motivo de apreensão em centenas de comunidades do interior de Minas. Com os cofres de agências bancárias reforçados para o dia de pagamento, municípios com pequenos destacamentos policiais se tornam alvo preferencial das quadrilhas especializadas no chamado novo cangaço, em que bandos fortemente armados espalham o terror e deixam acuados cidadãos e agentes das forças de segurança para praticar assaltos. Foi o que comprovou uma população estimada em mais de 40 mil pessoas de quatro cidades das regiões Sul e Centro-Oeste mineiras, atacadas com poucas horas de diferença na madrugada de ontem.

Em pelo menos uma dessas cidades o ataque interrompeu completamente os serviços bancários e obrigou quem precisava sacar qualquer quantia a viajar para municípios vizinhos. A Polícia Militar desconfia que o mesmo grupo pode estar ligado a três dos assaltos, pois a distância próxima entre Areado, Cabo Verde e Jacuí (todas no Sul de Minas), o horário espaçado entre as três ocorrências, a presença de duas caminhonetes nesses três casos e a proximidade com o estado de São Paulo reforçam a possibilidade de conexão. Além disso, a PM também registrou um ataque em Pains, na Região Centro-Oeste do estado.

(foto: Arte/EM)
(foto: Arte/EM)

A sequência de assaltos e explosões começou por volta de 0h25, em Areado, com relatos de cerca de 20 bandidos armados com fuzis e escopetas, em duas caminhonetes, carros e motos atirando a esmo na cidade. Eles conseguiram estourar caixas e cofres dos bancos do Brasil e Bradesco, além de danificar uma agência do Sicoob, mas não levaram nada desse último.

Uma hora e meia depois, um grupo estimado em 10 criminosos invadiu a cidade de Cabo Verde, que pelo trajeto principal fica a 60 quilômetros de distância de Areado. Chegaram atirando em uma viatura parada e no quartel local da PM, também com armas longas. Nesse caso houve reação dos militares e troca de tiros intensa com os ladrões, evitando que o grupo, que já tinha estourado a agência do Banco do Brasil, entrasse também no Sicoob. O grupo fugiu em duas caminhonetes, segundo a PM.

Às 4h, nova invasão de criminosos foi registrada no Sul de Minas. Desta vez, um bando que não teve estimativa numérica de integrantes divulgada entrou no Banco do Brasil e também em uma agência lotérica de Jacuí, a 90 quilômetros de Cabo Verde, e danificou equipamentos dos dois terminais. Nesse caso não houve explosão, segundo a PM, mas novamente houve relato de que duas caminhonetes foram usadas pelos assaltantes.
Segundo a PM, não houve explosão em Jacuí, mas bandidos danificaram equipamentos da agência do Banco do Brasil e da loteria que faz serviços bancários pela Caixa Econômica Federal(foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)
Segundo a PM, não houve explosão em Jacuí, mas bandidos danificaram equipamentos da agência do Banco do Brasil e da loteria que faz serviços bancários pela Caixa Econômica Federal (foto: Reprodução da Internet/WhatsApp)


O coronel Polícia Militar, Frederico Antônio de Lima, que comanda a 18ª Região da PM – onde ficam três municípios do Sul de Minas atacados na madrugada de ontem por quadrilhas de roubo a banco – diz que há possibilidade de relação entre os casos. “Acredita-se que sim, em razão do modus operandi e da proximidade com o estado de São Paulo”, diz o militar, referindo-se à atuação de uma organização criminosa no estado vizinho.

A partir da primeira ocorrência, segundo o coronel, foi lançado um plano de cerco e bloqueio na região, com o reforço de tropas de cidades vizinhas e também de uma companhia especializada no recobrimento das demais unidades do policiamento normal. Apesar do incremento, ninguém foi preso em nenhum dos três casos.

O militar aposta no fortalecimento da rede de policiamento do Sul de Minas, com a formação de mais soldados, para enfrentar os casos de explosões. “A partir de agora, todas as cidades da 18ª Região da PM vão ter no mínimo 10 policiais, por menor que seja o município”, afirma o militar, que chegou a ter cidades com quatro policiais no início de sua gestão à frente da área. Ontem, conforme o comando-geral da corporação, foram formados 1.549 soldados, sendo 1.341 destinados à Grande BH e o restante para o interior do estado.

Entre as dificuldades da corporação para prender os criminosos que agiram ontem está a grande capilarização de estradas no Sul de Minas. “Nossa malha viária é muito grande. Há várias opções de fuga e isso dificulta a localização dos bandidos”, afirma o tenente Sandro Almeida, comandante da PM em Cabo Verde, uma das cidades atacada na madrugada de ontem.

De acordo com ele, os bandidos destruíram a agência do Banco do Brasil na cidade, mas não chegaram a danificar a agência do Sicoob, depois de longa troca de tiros. Quem é cliente do BB, e precisou de dinheiro ontem, teve que se deslocar 22 quilômetros até Muzambinho para encontrar uma agência. Se em Cabo Verde sobraram ainda os serviços bancários do Sicoob, em Areado não restou essa possibilidade. As agências do Bradesco, BB e Sicoob amanheceram fechadas depois da ação dos criminosos, segundo o subtenente Nivaldo Lima. “Aqui eles não chegaram a atirar no quartel, mas temos informações de que monitoraram a casa de quatro policiais que estavam de folga”, afirma. A ação em Areado foi a mais violenta, com relatos até de armas com mira a laser e tiros de armas longas disparados a esmo.

Ver galeria . 7 Fotos Criminosos atiraram contra viatura e quartel da PM enquanto comparsas explodiam agência do Banco do BrasilReprodução da Internet/WhatsApp
Criminosos atiraram contra viatura e quartel da PM enquanto comparsas explodiam agência do Banco do Brasil (foto: Reprodução da Internet/WhatsApp )


O caso de Jacuí, que ocorreu às 4h, não teve explosão, conforme o tenente-coronel Marcellus Machado, comandante do 12º Batalhão da PM em Passos. Machado explica que os assaltantes usaram equipamentos para danificar o interior da agência do Banco do Brasil e também de uma lotérica que presta serviços bancários da Caixa Econômica Federal (CEF).

Um aspecto que chamou a atenção dos militares foi a descoberta de uma árvore fechando a rodovia que liga Passos a Jacuí, quando o reforço se encaminhava para a cidade atacada, o que atrasou o procedimento. Funcionária de uma loja de móveis em Jacuí, Márcia Aparecida Rodrigues diz que o dia da cidade foi muito prejudicado pelo não funcionamento do Banco do Brasil e da lotérica. “O comércio perde demais, porque as pessoas têm que ir até São Sebastião do Paraíso (cidade vizinha, a 30 quilômetros) e acabam gastando por lá o dinheiro”, afirma.

CENTRO-OESTE Os ataques de ontem não ficaram restritos ao Sul de Minas: também assustaram a população de município no Centro-Oeste. A agência do Banco do Brasil foi explodida, mas, segundo a PM, os assaltantes não conseguiram levar nenhuma quantia em dinheiro. Nesse caso, o ataque ocorreu por volta das 3h30, e não há relatos de uso de armas longas.

Segundo o subtenente Carlos Luiz Costa, a Polícia Militar encontrou cápsulas de pistola .40 e de revólver calibre 38, após tiros disparados para o alto pelos criminosos. A polícia estima que eram oito assaltantes, que estariam em três carros de passeio. Com a agência do Banco do Brasil paralisada, restou aos moradores de Pains se deslocarem 31 quilômetros até a vizinha Arcos para conseguir fazer serviços bancários. O atendimento foi normal em Pains na agência do Sicoob.

Ver galeria . 7 Fotos Bandidos que fugiram em direção a Formiga destruíram banco que fica na Praça Tonico RabeloDenise Guerra/TV Alterosa
Bandidos que fugiram em direção a Formiga destruíram banco que fica na Praça Tonico Rabelo (foto: Denise Guerra/TV Alterosa )


FORÇA-TAREFA
Sobre os ataques, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) informou que coordena força-tarefa formada por 13 instituições e voltada para a redução de assalto a instituições bancárias. “O grupo tem forte atuação na área de inteligência, fazendo o mapeamento do modus operandi dos criminosos e a identificação de quadrilhas. As avaliações e ações de inteligência valem para ações como roubos, explosões de caixas eletrônicos, crime do ‘sapatinho’ (sequestro de bancários) e uso de maçarico para chegar ao dinheiro dos caixas”, informou, em nota. Ainda de acordo com a Sesp, as apurações da inteligência se transformam em operações repressivas e preventivas, com foco no interior do esstado.

A pasta ressalta que desde a criação da força-tarefa as explosões de caixas eletrônicos e roubos a bancos estão em queda. Entre 2016 e 2017, tiveram redução de 31,65% em todo o estado, saindo de 237 para 162 ocorrências – embora a violência nos ataques tenha aumentado. Participam da força-tarefa a Sesp, a Polícia Militar, a Polícia Civil, o Ministério Público, o Corpo de Bombeiros, o Exército, a Polícia Rodoviária Federal, a Polícia Federal, a Agência Brasileira de Inteligência, a Associação Mineira de Bancos, a Associação Brasileira de Bancos, a Federação Brasileira dos bancos (Febraban) e a Secretaria de Estado de Administração Prisional. (Com Larissa Ricci)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade