Publicidade

Estado de Minas

Chefe da Maternidade Odete Valadares deixa cargo durante investigação sobre formigas no CTI

Fhemig, fundação à qual está vinculada a maternidade na qual foi denunciada a presença de insetos em área isolada destinada a recém-nascidos, anuncia auditoria e apura omissão


postado em 29/03/2018 06:00 / atualizado em 29/03/2018 07:21


Depois de afastar a coordenadora do CTI da Maternidade Odete Valadares, em Belo Horizonte, a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) anunciou ontem que a diretora da unidade perdeu suas funções temporariamente. Auditoria aberta pela instituição estadual para investigar as circunstâncias da invasão de formigas em aparelhos e bebês no centro de terapia intensiva neonatal do hospital deve ser concluída na segunda-feira. O caso veio à tona no início desta semana, e a fundação considera a possibilidade de omissão da equipe responsável pelo setor.

A diretora da maternidade, servidora estadual concursada, ficará fora de suas funções pelo período de uma semana para evitar interferência nas investigações, de acordo com a Fhemig. Para o cargo, foi designado o médico Antonio Lages, ex-diretor da Odete Valadares e atual diretor Assistencial da Fhemig. Por meio de nota, a fundação afirmou que “todas as medidas necessárias para que o problema seja sanado estão sendo tomadas pela direção, sob orientação das respectivas áreas técnicas”.
Segundo direção da Fhemig, unidade hospitalar está passando por medidas para que o problema seja sanado, sob orientações técnicas(foto: Túlio Santos/EM/DA Press)
Segundo direção da Fhemig, unidade hospitalar está passando por medidas para que o problema seja sanado, sob orientações técnicas (foto: Túlio Santos/EM/DA Press)

A Fhemig reiterou que foi contratada outra empresa de dedetização para fazer com mais eficácia o procedimento, e que foram tomadas as medidas ambientais corretivas necessárias. Em paralelo às ações para coibir o problema, a auditoria segue com as investigações para a apuração dos fatos, “dada a gravidade da situação a que um dos bebês internados no CTI foi exposto e pela omissão da equipe quando da ocorrência do incidente”.

"A auditoria segue para a apuração dos fatos, dada a gravidade da situação a que um dos bebês internados no CTI foi exposto e pela omissão da equipe quando da ocorrência do incidente"

Trecho de nota da Fhemig

A denúncia de infestação dos insetos foi feita na última sexta pelo Sindicato dos Trabalhadores da Fhemig (Asthemg), depois que funcionários gravaram vídeo em que várias formigas são vistas circulando pelo corpo de um recém-nascido em uma incubadora no CTI neonatal do hospital. Ontem, a Asthemg se reuniu com funcionários e mães de bebês internados na Odete Valadares e diz ter concluído que as denúncias procedem.

 
"A auditoria segue para a apuração dos fatos, dada a gravidade da situação a que um dos bebês internados no CTI foi exposto e pela omissão da equipe quando da ocorrência do incidente"

Trecho de nota da Fhemig

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade