Publicidade

Estado de Minas

Aplicativo 4Move entra na briga do transporte em Belo Horizonte

Com anúncio de diferenciais na tarifa, 4Move começa a operar nesta quinta-feira com a intenção de angariar 50 mil usuários ativos na capital mineira


postado em 15/03/2018 06:00 / atualizado em 15/03/2018 07:49

Plataforma brasileira começa hoje a operar na Grande BH, prometendo diferenciais(foto: 4Move/Divulgação)
Plataforma brasileira começa hoje a operar na Grande BH, prometendo diferenciais (foto: 4Move/Divulgação)
Jogo no estilo videogame, premiação e promessa de dinheiro de volta. Com esses acessórios reunidos na tela do celular, um novo aplicativo de transporte chega a Belo Horizonte para uma competição que não tem nada de virtual: a meta é conquistar uma fatia de um mercado cada vez mais disputado. Anunciando diferenciais de tarifa, estilo e bonificação, começa a operar hoje na região metropolitana uma startup nacional que pretende, nos próximos seis meses, abocanhar 10% do mercado brasileiro e, só na Grande BH, ter 50 mil usuários ativos. A capital mineira é a terceira praça da empresa, que começou a funcionar em outubro em São Paulo e, depois, em Vitória.

O 4Move indica seus diferenciais no acesso. O usuário primeiro deve escolher seu avatar, boneco que será seu ícone no aplicativo, procedimento similar ao de um game. Quando a corrida começa, cada quilômetro rodado é transformado em pontos, que fazem o avatar subir de fase. Para cada novo patamar alcançado há promessa de prêmios ao passageiro, que vão de ingressos para cinema, vouchers para restaurantes, smartphones até viagens.

O aplicativo está disponível para Android ou iPhone, mas o passageiro só consegue baixá-lo se tiver em mãos um código-convite. A partir de hoje, 2 mil motoristas, entre particulares e taxistas, estão aptos a rodar pela plataforma. Todos foram treinados para convidar seus clientes a aderir. Para operar na capital foi construída uma sede própria na cidade, a fim de dar treinamento aos condutores.

Além de dicas de atendimento, comportamento com os passageiros e segurança, o espaço tem infraestrutura para que os veículos passem por vistoria antes de entrar em operação. Segundo a empresa, os condutores são aceitos só por meio de indicação de veteranos bem avaliados. O sistema de avaliação ao fim das corridas, que varia de 0 a 5, tem impacto direto na remuneração do motorista, de acordo com a startup: notas mais altas valem mais dinheiro. De acordo com o diretor de marketing da 4Move, Adriano Soncini, há 5 mil solicitações de cadastro na capital mineira.

Serão oferecidas quatro categorias, sendo duas de motoristas particulares e duas de táxi: blue (a mais barata), black, táxi comum e táxi executivo. Para o passageiro, a primeira sai mais em conta. Mas, mesmo pagando mais caro nas outras, Soncini garante que a base tarifária é a mais barata do mercado. Nesse quesito, a proposta é equilibrar as contas entre quem paga e quem recebe. Segundo o diretor, como o táxi é mais oneroso devido à regularização imposta pela legislação, cobra-se desse motorista uma taxa menor, e um pouco mais caro do passageiro. Já na categoria blue, o passageiro paga mais barato, mas o condutor arca com um percentual maior para a empresa. “A retenção é maior para o carro privado, mas a receita, tanto do táxi quanto do privado varia de acordo a avaliação deles por parte dos passageiros. É um sistema de meritocracia que induz o condutor a atender bem, ser educado”, afirma. O 4Move garante que vai operar sem tarifa dinâmica, independente da demanda ou das condições do tempo. Isso, de acordo com a empresa, pode levar a corridas até 50% mais baratas que em concorrentes em horário de pico.

Na categoria blue, cada dois quilômetros rodados valem um ponto na bonificação. No restante, a proporção é de um para um. Em paralelo, há o cash back (dinheiro de volta) – a cada 100 quilômetros rodados, o passageiro recebe um percentual de volta, em dinheiro que pode ser revertido em outras corridas ou depositado em conta bancária. Motoristas também têm bonificação, de acordo com o app, disponibilizada em forma de benfeitorias para o carro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade