Publicidade

Estado de Minas

Cabo da PM acusado de assaltos em BH estava afastado do serviço operacional

Questões médicas representaram o afastamento para o serviço interno, sem uso de armamento. Em um dos roubos, militar, que portava réplica de arma de fogo, foi agredido


postado em 13/03/2018 06:00 / atualizado em 13/03/2018 07:54

Em menos de 12 horas, um cabo da Polícia Militar foi acusado de assaltar duas pessoas, roubar o carro de uma das vítimas e o celular de outra. Ele foi rendido por um segurança privado, espancado por populares e levado para o Hospital Militar, no Bairro Santa Efigênia, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, com ferimentos na cabeça. Os crimes ocorreram no domingo, das 6h às 17h30, em áreas diferentes da capital. Flávio Rodrigues do Carmo, de 40 anos, há 12 na PM, foi autuado em flagrante e responderá criminalmente por roubo consumado, e também na esfera administrativa, o que poderá provocar sua expulsão da corporação. Nas ações, ele usou a réplica de plástico de um revólver.


Há um mês, o militar foi afastado do serviço operacional por questões médicas, fazendo apenas serviços internos, sem uso de armamento, conforme explicou ontem o subcomandante do 5º Batalhão, major Maurício José de Oliveira. Ele disse que, após o assalto a uma jovem que portava um celular, na esquina da Rua Araguari com a Avenida dos Andradas, no Bairro Barro Preto, populares acionaram a PM pelo número 190. “O homem estava imobilizado pelo segurança privado, que passava e viu que a arma usada para constranger a vítima era um simulacro (réplica) de armamento”, afirmou.


Vestido com roupa esporte, “bermuda, camiseta e boné”, Flávio foi levado para o hospital com ferimentos na cabeça e em outras partes do corpo. Sob cuidados médicos, o homem foi identificado como policial lotado no 5º Batalhão. O subcomandante alegou que não teve acesso à ficha médica do cabo e, portanto, não sabia informar se ele usava medicamento controlado ou se tinha feito uso de álcool ou drogas.

DESVIO DE CONDUTA O registro de outra ocorrência no mesmo dia, por volta das 6h, revelou “características semelhantes”. Perto de uma boate no Bairro Buritis, uma mulher que tinha ido buscar a filha na casa noturna teve o carro (um Fiat Palio) roubado. No veículo havia R$ 500, segundo a vítima. O subcomandante contou que, na fuga, o homem passou pelas avenidas Mário Werneck e Barão Homem de Melo e, na Rua Ernani Agrícola, no mesmo bairro, bateu num poste e deixou o local. Pela descrição do criminoso, militares levaram a mulher até o hospital, onde ela apontou Flávio como o autor do roubo. O major adiantou que o acusado se declarou inocente.


Por estar à disposição da Justiça, a réplica da arma e o celular tomado da mulher de 23 anos não foram apresentados. Sem antecedentes criminais, o cabo responderá a processo administrativo disciplinar, o que poderá levar a sua demissão ou exclusão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade