Publicidade

Estado de Minas

Médica e família são feitos reféns dentro de casa no Norte de Minas

A vítima foi abordada enquanto fazia uma caminhada e levada para a casa dela. Lá, ao menos três familiares dela foram feitos reféns. Os criminosos conseguiram fugir com joias e R$ 5 mil em dinheiro.


postado em 08/03/2018 17:51

Buscas estão sendo feitas em cidades da Região Norte de Minas Gerais para tentar encontrar um grupo sequestrou uma médica e a família dela em Manga. A vítima foi abordada enquanto fazia uma caminhada e levada para a casa dela. Lá, ao menos três familiares dela foram feitos reféns. Os criminosos conseguiram fugir com joias e R$ 5 mil em dinheiro. A polícia suspeita que as vítimas foram monitoradas pela quadrilha.

De acordo com a Polícia Militar (PM), a médica foi abordada quando fazia caminhada, por volta das 5h, na Avenida Doutor Olímpio Carneiro Viana. Um Palio parou ao lado dela e dois homens armados desceram. A vítima foi rendida e obrigada a entrar no carro dela. Um dos criminosos seguiu no automóvel, enquanto outros dois foram atrás em outro veículo.

O grupo foi até a casa da médica onde estavam a mãe e os filhos e funcionários da casa. Todos foram amarrados, e trancados em um dos cômodos da casa. Segundo a PM, os criminosos vasculharam a residência à procura de dinheiro e outros produtos de valor. Em um cofre, conseguiram encontrar joias. Também acharam R$ 5 mil em dinheiro.

Os criminosos pegaram três celulares das vítimas. Porém, de acordo com a PM, um dos familiares da médica conseguiu acionar o marido dela que ligou para a polícia. As viaturas quando chegaram no imóvel, não encontraram os bandidos.

O carro usado na fuga pelos homens foi abandonado próximo a Montalvânia. Dentro dele foram encontradas nove cápsulas de munição 9 milímetros, um boné e um controle de portão eletrônico. Segundo a PM, uma das vítimas reconheceu que o chapéu foi utlizado por um dos criminosos. Sobre o controle, ainda não foi identificado se ele abre algum portão na cidade.

Para a polícia, o grupo pode ter monitorado os passos da médica, pois ela foi abordada em um horário improvável.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade