Publicidade

Estado de Minas

Secretaria de Saúde atribui letalidade por febre amarela em Minas a rapidez no diagnóstico

Pasta diz que não houve agravamento do quadro epidemiológico: o que mudou entre os dois períodos foi a rápida resposta do sistema de diagnóstico laboratorial


postado em 08/02/2018 06:00 / atualizado em 08/02/2018 08:16

O aumento do número de mortes por febre amarela em Minas Gerais em relação ao número de casos confirmados da doença, no comparativo com boletim divulgado na mesma época ano passado, levou a Secretaria de Estado da Saúde a divulgar nota atribuindo a situação na atual temporada à rapidez no processo de confirmação laboratorial – e não a um possível agravamento do surto. Segundo informe da pasta na terça-feira, o estado já computava na atual temporada 61 mortes em decorrência da virose em seu tipo silvestre e 164 casos confirmados – uma taxa de letalidade de 37,2%.


Os números apontam maior relação diagnósticos confirmados/mortes que a registrada no mesmo período da temporada passada, quando, em 6 de fevereiro, o estado divulgou que 59 pessoas haviam perdido a vida. Na época, eram 167 diagnósticos confirmados da virose, o que indica índice de letalidade de 35,3% (veja gráficos). Porém, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, não houve agravamento do quadro epidemiológico: o que mudou entre os dois períodos, na avaliação da pasta, foi a rápida resposta do sistema de diagnóstico laboratorial da Fundação Ezequiel Dias (Funed). “No boletim de 2017 tínhamos 167 casos confirmados e 641 em investigação, pelas razões já descritas, contra 164 casos confirmados no boletim mais recente e 301 em investigação”, completa o texto.


(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)
Para a secretaria, os dados indicam cenário mais favorável em relação ao da temporada passada, “o que se atribui, em grande medida, às ações empreendidas pela Secretaria de Estado da Saúde em parceria com os municípios, principalmente no que diz respeito ao aumento da cobertura vacinal para mais de 83%”. A meta de cobertura vacinal para barrar o surto de febre amarela, perseguida desde o ano passado, é de 95% de imunização.


Apesar dos esforços, em todo o estado 321 municípios ainda não conseguiram imunizar 80% da população, segundo dados da própria Saúde estadual, o que corresponde a 37,6% de todo o território mineiro. As ações foram intensificadas em 395 comunidades. A preocupação maior na atual temporada é com o Sul e o Nordeste mineiros, onde há municípios com baixa taxa de vacinação.


A secretaria reforça que a medida mais importante para prevenção e controle da doença é a vacinação. Por esse motivo, toda pessoa acima de 9 meses que more ou vá viajar para área rural, de mata ou silvestre deve ser vacinada em uma unidade básica de saúde. Não há em Minas Gerais nenhum caso de febre amarela associado à vacina.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade