Publicidade

Estado de Minas

Cratera com 10 metros de comprimento se abre na Pampulha

Buraco às margens da pista tem 4 metros de profundidade. No início da manhã, chovia na região. Parte da pista foi interditada


postado em 31/01/2018 08:09 / atualizado em 31/01/2018 18:33



Parte da Avenida Heráclito Mourão de Miranda, também conhecida como Avenida Atlântida, na Pampulha, está interditada no sentido Bairro Alípio de Melo por conta da abertura de uma grande cratera. As informações são da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Belo Horizonte (Comdec). 

Segundo informações do órgão nesta quarta-feira, a cratera está na altura do número 3.091 e tem 10 metros de comprimento, 2,5 metros de largura e 4 metros profundidade. O local foi isolado e eequipes da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) são aguardadas no local para os reparos. 

Não é a primeira vez que um trecho da avenida apresenta problemas nos últimos meses. Moradores da região disseram à reportagem do em.com.br que, há duas semanas, outro buraco havia sido tapado quase no mesmo local. Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (Smobi) afirmou que foram realizados serviços rotineiros de tapa-buracos na Avenida Heráclito Mourão de Miranda há cerca de duas semanas. “O serviço é realizado, de forma rotineira, durante todo ano pelas Gerências de Infraestrutura Urbana localizadas nas Regionais. Em 2017, foram investidos aproximadamente R$ 20 milhões em tapa-buracos. Foram executados em 2017, 12.861 serviços nas nove regionais”, afirmou no documento.

Também na tarde de 30 de dezembro do ano passado, a forte chuva que caiu sobre a capital mineira resultou na destruição de 11 barras de concreto que estruturavam parte da barreira de contenção da água e deixou exposto um buraco na lateral do leito do Córrego Ressaca. 

Os danos ocorreram próximo à ponte que leva os motoristas da Heráclito Mourão de Miranda para a Avenida Tancredo Neves, um dos principais acessos da região à Avenida Pedro II e ao Centro da capital mineira. A situação ocorreu oito meses depois do término das obras de alargamento do canal do córrego. 

Por meio de nota, a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) informou que uma equipe técnica já foi enviada à avenida nesta manhã e as causas da erosão estão sendo avaliadas. “A Sudecap já assinou ordem de serviço para iniciar os reparos necessários que têm previsão de serem concluídos em até sete dias. A parte afetada foi devidamente isolada pela Defesa Civil”, diz a nota. 

A Sudecap também informou que as placas de concreto que se romperam no ano passado no Córrego Ressaca já foram reparadas. “Os serviços foram concluídos na primeira quinzena de janeiro e sem ônus para a Prefeitura, pois a obra está na garantia”, finalizou. 

Cratera tem 4 metros de profundidade. Local foi isolado pela Defesa Civil de BH(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Cratera tem 4 metros de profundidade. Local foi isolado pela Defesa Civil de BH (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


OCORRÊNCIAS A Defesa Civil também informou que do meio-dia de terça-feira até as 7h desta quarta, o volume de chuva na Região da Pampulha foi de 49,8 milímetros. Foi a segunda regional da capital com mais chuva, perdendo para Venda Nova, com 52,4 milímetros no mesmo período. 

Ainda segundo o órgão, até o início da manhã haviam sido registradas três quedas de árvores, um risco de queda de árvore, dois desabamentos parciais de muro de arrimo, outros três muros com riscos e a erosão na Avenida Heráclito Mourão de Miranda. 

A chuva vai continuar ao longo do dia. Segundo a Comdec, o dia será de céu encoberto e nublado, com pancadas de chuva forte acompanhadas de raios e rajadas de vento. A temperatura não deve passar dos 25 graus. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade