Publicidade

Estado de Minas

Zoo de BH fecha por uma semana e novas visitas só com cartão de vacina contra a febre amarela

Medida visa garantir segurança de visitantes e dos animais. Durante fechamento provisório, macacos serão colocados em espaço com telas finas para evitar o contato com o mosquito


postado em 24/01/2018 20:01

O mico-leão-dourado é um dos primatas que serão recolhidos na área segura(foto: Herlandes Tinoco/Fundacao Zoo-Botanica )
O mico-leão-dourado é um dos primatas que serão recolhidos na área segura (foto: Herlandes Tinoco/Fundacao Zoo-Botanica )
A partir do sábado, o Zoológico de Belo Horizonte estará fechado ao público pelo período de uma semana. Somente em 2 de fevereiro o espaço volta a receber visitantes, porém, com apresentação do comprovante de vacinação contra a febre amarela e documento de identificação pessoal para entrar no local. A medida faz parte das ações conjuntas da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB) e Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) para prevenção da doença na capital.

Entre os dias 27 de janeiro e 1º de fevereiro, o zoo estará fechado ao público para que sejam feitas adaptações e reorganizações necessárias para garantir mais segurança aos animais e aos usuários. O presidente da fundação, Sérgio Augusto Domingues destaca que a obrigatoriedade da comprovação da vacinação é uma medida para segurança dos visitantes e também dos espécimes em cativeiro no parque.

“No ano passado, os funcionários que atuam nos parques e no zoológico foram vacinados, por meio de uma ação específica em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde. Este ano, estamos cobrando o comprovante de vacinação de todos os novos funcionários, prestadores de serviços, permissionários, enfim, de qualquer pessoa que necessite entrar nas áreas sob nossa administração.”

De acordo com o dirigente, mesmo sem registros de casos da doença nas proximidades do zoo, a adoção da exigência do cartão de vacinação para visitação do espaço é importantíssimo, pois é um dos locais da cidade que mais concentra pessoas aos finais de semana e está em meio à mata.

Sérgio explica que os pequenos primatas do zoológico, mais susceptíveis à doença, estão sendo retirados da área de visitação do público. “É necessário fazer o recolhimento desses animais para uma área reservada, que é toda protegida por telas finas, já que são os mais vulneráveis à contaminação.

Infelizmente quem vier ao zoológico não poderá vê-los, mas é importante entender que essa é uma medida preventiva, temporária, num momento de alerta contra a doença”, comenta. A partir do dia 2 de fevereiro, estarão fora da área de visitação as espécies de primatas bugio, parauacu, sagui-imperador, macaco-da-noite, mico-leão-de-cara-dourada, mico-leão-dourado, macaco-prego e guigó.

Espaços com telas finas impedem entrada do mosquito(foto: Daniel Alves/Fundacao Zoo-Botanica )
Espaços com telas finas impedem entrada do mosquito (foto: Daniel Alves/Fundacao Zoo-Botanica )
No período de uma semana fechada, além da relocação dos primatas, serão remanejadas equipes  com treinamento dos funcionários para o atendimento ao público, considerando a nova exigência de apresentação do comprovante de vacinação contra a febre amarela, além de reorganizar o pessoal de recepção e de bastidores do espaço.

Macacos não transmitem a doença 

Em meio aos esforços de combate à febre amarela, é sempre importante destacar: os macacos não transmitem a doença aos humanos. No trabalho de prevenção eles são aliados, pois, quando contaminados, indicam que o local onde vivem pode ter um foco dos mosquitos transmissores infectados com o vírus. Assim, os macacos contribuem para os trabalhos de zoonoses na eliminação dos focos da doença e na elaboração das estratégias de prevenção, como isolamento de áreas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade