Publicidade

Estado de Minas

Viçosa decreta situação de emergência por surto de febre amarela

Cidade registrou uma morte pela doença. LIRAa também apontou grande quantidade de focos do Aedes aegypti no município, o que eleva o risco de dengue


postado em 24/01/2018 10:52 / atualizado em 24/01/2018 11:02

Viçosa já registrou uma morte por febre amarela em 2018(foto: Reprodução da internet/Facebook/Prefeitura de Viçosa)
Viçosa já registrou uma morte por febre amarela em 2018 (foto: Reprodução da internet/Facebook/Prefeitura de Viçosa)
Viçosa, na Zona da Mata, é o terceiro município a decretar situação de emergência por conta do surto de febre amarela em Minas Gerais. O decreto foi assinado pelo prefeito Ângelo Chequer (PSDB) nessa terça-feira e também considera a iminência de surto de dengue. 

“Em sua decisão o prefeito considerou os dados da febre amarela no município e região, como a notificação de 105 casos suspeitos de febre amarela em municípios da área de abrangência da Unidade Regional de Saúde de Ponte Nova no período de dezembro de 2017 a janeiro de 2018; a ocorrência de 01 morte em Viçosa em decorrência da febre amarela; e as notificações de epizootias em primatas não humanos em vários pontos do município e em municípios limítrofes”, explica a nota da prefeitura. 

Por meio do decreto, o Executivo municipal poderá adotar medidas administrativas para a contenção do surto, como aquisição de insumos e materiais e a contratação de serviços de pessoa de forma emergencial por tempo indeterminado. O decreto também considera o resultado do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), que aponta grande infestação de mosquitos em vários pontos, deixando a cidade em alerta para casos de dengue. 

O decreto considera ainda o resultado do último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), que aponta elevada infestação em vários pontos da cidade e coloca Viçosa em estado de alerta sobre um possível surto de dengue. O índice de infestação predial chegou a 3,7% no município, quando o satisfatório é inferior a 1%. 

O secretário de Saúde do município, Marcos Schitini, explica que por meio do decreto é possível contratar agentes comunitários de saúde e combate a endemias, além de garantir a compra de materiais como insumos, repelentes, tentadas e combustível. Ainda nesta semana, a prefeitura deve divulgar um edital para contratação emergencial de 25 agentes. 

As outras cidades que já estão em emergência são Nova Lima, que já contabiliza oito casos de febre amarela – seis resultando em morte, e Brumadinho, que tem uma morte e um paciente internado. Os decretos passam a valer a partir do reconhecimento da situação pelo governo do estado. 

No último fim de semana, o estado de Minas Gerais decretou situação de emergência de saúde pública em três regionais por 180 dias. O decreto foi publicado no sábado no diário oficial do estado e contempla os 94 municípios que integram as áreas de Belo Horizonte, Itabira (na Região Central) e Ponte Nova (Zona da Mata). A partir dele, o governo poderá adquirir insumos, materiais e fazer contratações para atendimento nas cidades. 

A medida é semelhante à tomada em 13 de janeiro do ano passado, envolvendo 152 cidades em situação de surto por febre amarela. O documento decreta ainda a reabertura da sala de situação criada naquele mês, logo depois de uma onda de mortes no Vale do Rio Doce. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade