Publicidade

Estado de Minas

Acaba o surto de febre amarela, mas segue o alerta para vacinação

De dezembro a agosto, 261 pessoas morreram em todo o país, 162 delas somente em Minas, segundo números da secretaria estadual


postado em 07/09/2017 06:00 / atualizado em 07/09/2017 07:24

O Ministério da Saúde anunciou nessa quarta-feira o fim do surto de febre amarela no Brasil, considerado o mais letal desde a década de 1980. De dezembro a agosto, 261 pessoas morreram em todo o país, 162 delas somente em Minas, segundo números da secretaria estadual. Em entrevista coletiva, o ministro Ricardo Barros e sua equipe informaram que o último caso de febre amarela no país foi registrado em junho deste ano, mas que fica o alerta para a vacinação durante o verão. Dados mostram que, desde o início do surto, em 1º de dezembro do ano passado, até 1º de agosto de 2017, foram confirmados 777 casos de febre amarela, sendo que a Região Sudeste concentrou quase a totalidade das notificações: foram 764 casos confirmados nos quatro estados.

Minas é o estado com o maior número de registros. Foram 475 casos confirmados, a maior parte no Leste do estado. Na sequência vêm o Espírito Santo, com 252 casos e 83 mortes; o Rio de Janeiro, 25 casos e 8 mortes, e São Paulo, com 22 casos de febre amarela e 10 mortes.

Durante o surto, Minas recebeu 30 profissionais da Força Nacional do Sistema Único de Saúde e equipes para investigação de campo. A pasta reforçou que foram enviados 36,7 milhões de doses da vacina aos estados brasileiros ao longo deste ano. Doses extras foram encaminhadas aos quatro estados do Sudeste e também para a Bahia, no Nordeste. Foram liberados R$ 66,7 milhões para controle e reforço da assistência.

Alerta

O ministério também alertou para a chegada do verão e sobre a importância da imunização, tendo em vista que a estação do ano é um período com maior probabilidade de ocorrência da febre amarela. Desde abril o país adota o esquema vacinal de uma única dose durante toda a vida, seguindo orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS). A vacina tem eficácia de 95% a 99%, mas é contraindicada para menores de 6 meses, pessoas com baixa atividade do sistema imunológico e com reação alérgica grave a ovo. A vacinação segue indicada para quem ainda não foi imunizado, moradores de regiões onde houve casos de febre amarela ou morte de macacos e também para quem vai viajar para alguma dessas regiões. Em Minas Gerais, os registros mais recentes são de Gonçalves, no Sul do estado, onde quatro macacos morreram com a doença. Os resultados dos exames confirmando a contaminação são de 30 de agosto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade