Publicidade

Estado de Minas

Moradores de condomínios se juntam aos bombeiros contra incêndio no Rola-Moça

Com as chamas avançando fora de controle rumo a moradias em áreas como a do Parque do Rola-Moça, moradores viram brigadistas, encaram focos e passam noites torcendo contra o vento


postado em 05/09/2017 06:00 / atualizado em 05/09/2017 07:37

Enquanto brigadistas, muitos deles moradores, ficavam cara a cara com as labaredas, quatro aviões davam rasantes lançando água para tentar conter avanço da ameaça(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Enquanto brigadistas, muitos deles moradores, ficavam cara a cara com as labaredas, quatro aviões davam rasantes lançando água para tentar conter avanço da ameaça (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Labaredas fora de controle, que avançam cada vez mais em direção a condomínios e casas da zona rural da porção Sul da Grande BH, transformaram em combatentes contabilistas, lojistas, administradores de empresas e outros profissionais que moram em Casa Branca, distrito de Brumadinho. Para impedir que o incêndio que consome os parques estaduais da Serra da Calçada e da Serra do Rola-Moça destruam suas propriedades, muitas dessas pessoas se unem aos bombeiros desde o domingo para enfrentar as chamas, que seguiam sem controle e com surgimento de novos focos no início da noite de ontem. Prenúncio do que tende a ser um dos períodos mais críticos em termos de incêndios florestais no estado, o fogo atingia apenas na manhã de ontem 15 locais na região metropolitana da capital. Em BH, uma queimada também chegou a ameaçar moradias no Bairro Engenho Nogueira, na Região da Pampulha. Diante do risco que se alastra, além de se engajar no combate resta a moradores torcer contra o vento.


Dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) mostram que incêndios nos perímetros das áreas verdes do estado aumentaram no mês passado em relação a agosto de 2016: foram 111 casos neste ano, contra 107 em 2016. A maior preocupação, contudo, é com o que está por vir. Somente nos quatro primeiros dias de setembro foi registrado 13,9% do total de focos do mesmo mês de 2016. Situação reforçada pelo número de focos de calor medidos pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe): em agosto, foram 2.141 pontos, a pior marca nos últimos seis anos. Neste setembro foram 265 locais, contra o total de 2.090 nos 30 dias de setembro do ano passado.

Em Brumadinho, onde as chamas chegaram a menos de 300 metros de algumas casas, moradores de condomínios vestiram blusões amarelos e calças grossas, balaclavas (proteção para o rosto) e capuzes para tentar se defender. Armados apenas de bombas d’água costais, chicotes de borracha e abafadores para ingressar na mata fechada de cerrado, tiveram de escalar terrenos íngremes sob o calor do dia e das chamas. Desde domingo, uma extensa linha de fogo desce dos contrafortes do Retiro das Pedras e do Parque Estadual da Serra da Calçada, avançando cerca de três quilômetros pelo Parque Estadual da Serra do Rola-Moça e inundando com uma cortina de fumaça densa e uma nuvem de fuligem as moradias do distrito de Casa Branca.

Na noite de ontem, com o fogo sem controle e a estrada de acesso a Casa Branca interditada, militares se mantinham de prontidão na via que corta a área verde, no sentido Jardim Canadá/Casa Branca, para evitar que as chamas passassem para o outro lado da pista. “As chamas estão perto do Condomínio Retiro das Pedras, do lado esquerdo. Vamos monitorar para que não passem para o lado oposto”, explicou Marcus Vinícius de Freitas, gerente do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça.

Imagem aérea feita por bombeiros mostra labaredas cercando propriedade vizinha a unidade de conservação(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Imagem aérea feita por bombeiros mostra labaredas cercando propriedade vizinha a unidade de conservação (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Quatro aviões e um helicóptero deram apoio ontem aos 200 brigadistas e bombeiros, que só conseguiam chegar à área em chamas por meio aéreo. É o segundo incêndio em uma semana no Rola-Moça. O fogo já destruiu matas ciliares do manancial Catarina, onde a Copasa faz captação de água, e boa parte do Monumento Natural Serra da Moeda, nas bacias dos rios Paraopeba e Velhas.

Com as chamas descendo a serra de 1.300 metros de altura, a noite para os moradores do fundo do vale, especialmente no condomínio Quintas de Casa Branca, foi de muita apreensão e de preparação. O fogo assustou. Chegou a três lotes de distância (cerca de 250 metros) da casa da administradora de empresas Marise das Neves, de 53 anos. “Tentei fazer minha parte, fiz um aceiro – corte na vegetação para evitar que o fogo se alastre – e depois fiquei jogando água com uma mangueira na vegetação, para prevenir que o fogo entrasse na minha casa”, conta.

Segundo ela, a ajuda de vizinhos foi fundamental, principalmente para remover das beiradas das cercas material que pudesse ser combustível. Ainda assim, foi impossível pregar os olhos durante a noite. “Você não dorme. Passa a noite toda acordada, vendo o fogo descer a serra. Venta muito forte e isso faz as labaredas aumentarem de tamanho e serem direcionadas para o nosso lado. Minha casa ficou toda suja de fuligem por causa das cinzas”, descreveu.

Na BR-040, cerca de três quilômetros distante do foco principal, já se podiam ver as grandes colunas de fumaça cinzenta rompendo o céu sem nuvens. Na estrada pelo Parque do Rola-Moça, o tráfego principal era de bombeiros e de veículos de transporte de brigadistas. Mais adiante, os mirantes conhecidos por permitirem avistar distantes paisagens de Ibirité, Betim, Brumadinho e Belo Horizonte se tornaram um ponto de observação das chamas, que reduziam o cerrado amarelado a uma mancha cinzenta. O cheiro de queimado se adensava com a aproximação de Casa Branca, no fundo do vale, onde até a luz do Sol estava mais fraca, retida pela fumaça e pela fuligem.
Ver galeria . 9 Fotos Combate a incêndio na Serra do Rola-Moça entra no segundo dia. Bombeiros, brigadistas e voluntários atuam no local. Jipeiros ajudam no transporte das pessoas aos locais mais difíceisJair Amaral/EM/DA Press
Combate a incêndio na Serra do Rola-Moça entra no segundo dia. Bombeiros, brigadistas e voluntários atuam no local. Jipeiros ajudam no transporte das pessoas aos locais mais difíceis (foto: Jair Amaral/EM/DA Press )

COMBATE AÉREO A guerra contra as chamas tinha duas frentes. Uma delas era de combate mais direto, com bombeiros e brigadistas do Parque do Rola-Moça sendo desembarcados de helicóptero muito perto da linha de fogo. Em um terreno acidentado, o enfrentamento às chamas com abafadores e bombas era feito sob o som de aviões em rasantes sobre os focos, para bombardeá-los com água e tentar reduzir o poder das labaredas. Na outra linha de combate, nos limites do condomínio abaixo, brigadistas voluntários e mantidos pelo residencial corriam de rua em rua procurando focos que ameaçassem as casas. Uma atenção muito grande foi dada às áreas de mananciais, de onde grossas mangueiras plásticas levam água de duas nascentes para abastecer o condomínio. Nesses pontos, de onde já se podia ouvir o fogo crepitar, os combatentes preferiram manter guarda.

“O mais difícil é que o vento é muito forte e torna as chamas ainda mais agressivas. Traz muita fumaça, que dificulta nossa respiração. Dentro do possível, estamos conseguindo controlar. Vamos ficar aqui até quando for preciso. Ouvimos que a previsão é de, pelo menos, uma semana de mobilização”, disse o contabilista Luiz Fernando Ferreira, de 38, brigadista voluntário e morador do condomínio.

Enquanto moradores como ele pegavam ferramentas e arriscavam suas vidas para impedir que o fogo chegasse às propriedades, boa parte das moradias da comunidade estava vazia, já que servem como casas de campo nos fins de semana. Nesses locais, contudo, o uivo dos cães deixados pelos donos dá ideia do medo que os animais enfrentam ao sentir o fogo se aproximar sem ter para onde fugir.
Ver galeria . 14 Fotos Incêndio no Parque Serra do Rola Moça mobiliza brigadistas e bombeiros para conter as chamas que avançam sobre manancialDivulgação/CBMG
Incêndio no Parque Serra do Rola Moça mobiliza brigadistas e bombeiros para conter as chamas que avançam sobre manancial (foto: Divulgação/CBMG )

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade