Publicidade

Estado de Minas

Novo foco complica combate a incêndio no Parque Estadual do Rola-Moça

Desta vez, as chamas destroem a vegetação próximo ao Morro do Cachimbo, no Bairro Olhos D'água, Região Oeste da capital mineira. Mais de 100 homens fazem o combate


postado em 04/09/2017 16:59 / atualizado em 04/09/2017 22:33

O novo foco está concentrado no Morro do Cachimbo, próximo ao Bairro Olhos D'água(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
O novo foco está concentrado no Morro do Cachimbo, próximo ao Bairro Olhos D'água (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

A situação do incêndio no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, se complica a cada momento. Um novo foco surgiu em outro ponto da área verde. Desta vez, as chamas destroem a vegetação próximo ao Morro do Cachimbo, no Bairro Olhos D'água, Região Oeste da capital mineira. A equipe de mais de 100 homens teve que ser dividida para atuar no combate às chamas.



O combate segue a todo o vapor pelo segundo dia nos perímetros do parque. Nesta segunda-feira, mais de 100 homens participam dos trabalhos, entre bombeiros e brigadistas. Eles fazem a ação direta nas chamas com abafadores e bombas costais, e contam com a ajuda de aeronaves e jipeiros, que se apresentaram voluntariamente para fazer o deslocamento da tropa. O fogo começou no início da tarde de domingo e avançou rapidamente.

As chamas se concentraram na região conhecida como Catarina, onde há um manancial de mesmo nome, e seguiram em direção ao Condomínio Retiro das Pedras. Um grande aparato foi mobilizado para combater o fogo, que não foi controlado.

A rodovia que corta o parque precisou ser fechada por aproximadamente uma hora por causa do risco de acidentes. A fumaça proveniente da queima de vegetação tomou a via, o que prejudicou a visibilidade. Ela já foi liberada. Os militares aguardaram as chamas se aproximarem da estrada que serviria de aceiro para facilitar no combate. Porém, por volta das 16h30, um novo foco surgiu no Morro do Cachimbo. Por causa disso, a equipe que estava no local teve que ser dividida.

Aeronaves ajudaram no combate às chamas na área verde(foto: Jair Amaral/EM/D.A.Press)
Aeronaves ajudaram no combate às chamas na área verde (foto: Jair Amaral/EM/D.A.Press)


Ocorrências aumentam no parque

A causa do incêndio, de grandes proporções, e a área consumida pelo fogo ainda não foram divulgados, mas os incêndios no parque nos primeiros oito meses de 2017 já engoliram um território maior do que o destruído em todo acumulado de 2016. De janeiro a dezembro do ano passado, 23,67 hectares foram consumidos pelas chamas. De janeiro a julho deste ano, no último balanço disponibilizado pela direção do Rola-Moça, foram 15,27 hectares. Entretanto, apenas um incêndio em agosto passado destruiu 48 hectares.

Com isso, o total da área devastada em 2017 somava ao menos 63,27 hectares até ontem, quando as labaredas começaram a caminhar pela vegetação. Por volta das 14h, quando uma linha de fogo havia se alastrado em direção à cidade de Mário Campos, os ventos foram calculados em 25 km/h. No domingo, grupos de bombeiros, que contaram com o auxílio de alunos do curso de formação, e brigadistas se dividiram em duas linhas de frente. Uma atuou próxima à estrada asfaltada que corta a área de preservação, nas imediações do Bairro Jardim Canadá, em Nova Lima. A outra, no entorno do manancial Catarina.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade