Publicidade

Estado de Minas

Baixa umidade deixa BH em estado de atenção e cidades mineiras em clima de deserto

Índices ficaram em 23% nesta quinta-feira na Pampulha. Em Montalvânia na Região Norte de Minas, a umidade chegou a 13%


postado em 03/08/2017 17:07 / atualizado em 03/08/2017 23:05

A baixa umidade relativa do ar deixa Belo Horizonte em estado de atenção. Os índices ficaram em 23% nesta quinta-feira na Pampulha. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), abaixo de 30% os riscos de problemas de saúde aumentam. No interior de Minas Gerais, a situação foi ainda pior. Em Montalvânia, no Norte do estado, foi registrada taxa de 13%, próximo do clima registrados nos desertos, que é de 12%. Na capital mineira, o frio deve voltar com força no fim de semana.

A temperatura na capital mineira teve elevação nesta quinta-feira em relação aos últimos dias. A mínima registrada foi de 12ºC, dois a mais do que na quarta-feira. A diferença foi ainda maior em relação à máxima. Hoje ficou em 28,6ºC, e ontem, em 24,2ºC. Com o calor, a umidade relativa do ar teve queda brusca, caindo de 30% para 23%. A OMS considera o índice entre 21% e 30% como estado de atenção; entre 12% e 20%, de alerta, e abaixo de 12%, estado de emergência. O índice considerado ideal é 60%.

A explicação para queda é a aproximação de uma frente fria. “Isso aconteceu porque, quando uma frente fria se aproxima, provoca uma sucção de umidade grande antes da atuação. Há perspectiva de chuva na Zona da Mata, Campo das Vertentes e Sul de Minas nesta sexta-feira. Em BH, a previsão é de continuar sem precipitações”, afirma o meteorologista Luiz Ladeia, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Situação crítica vivem moradores da Região Norte de Minas Gerais. Em Montalvânia, os índices ficaram em 13%. “Esse não foi o menor deste ano. No mês passado, tivemos cidades do Triângulo que atingiram 12%. Está muito seco e vai continuar nas regiões do Triângulo, Norte e Noroeste do estado”, comenta Ladeia.

Queda de temperatura

O alívio do tempo frio deve durar pouco tempo. A partir de sábado, os termômetros já devem marcar temperaturas baixas. “A frente fria vai passar rapidamente, mas será acompanhada de uma massar de ar polar que vai fazer as temperaturas despencarem”, indicou o meteorologista.

 

(RG) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade