Publicidade

Estado de Minas

Homem mais procurado pela polícia em Betim é preso por tráfico e por suspeita de matar cinco

"Jiraya" é apontado como chefe do tráfico de drogas no Bairro Citrolândia. Seu grupo, segundo a Polícia Civil, pretendia interceptar o transporte dele para a penitenciária


postado em 28/06/2017 19:16 / atualizado em 28/06/2017 21:49

O homem mais procurado pela Polícia Civil em Betim teve os seis mandados de prisão em aberto pro tráfico, homicídio e organização criminosa cumpridos em Itatiaiuçu, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. F.S.C, conhecido como "Jiraya" na região onde atuava, no Bairro Citrolândia, em Betim, é apontado pela corporação como extremamente perigoso, suspeito de ter matado cinco pessoas. Segundo as investigações, a quadrilha pretendia interceptar viaturas no transporte do preso para a penitenciária Bicas II.

O delegado Álvaro Huertas, que há um ano trabalhava para desarticular e prender a quadrilha encabeçada por "Jiraya", contou que o suspeito era o homem mais procurado de Betim. "Era uma situação de medo na comunidade e ninguém tinha coragem de denunciá-lo, por isso tivemos dificuldade de investigá-lo e localizá-lo", contou.

Segundo Huertas, oito integrantes da quadrilha, que ocupavam cargos de gerência na organização encabeçada por Jiraya, foram presos em dezembro do ano passado. Além do tráfico, o grupo criminoso roubava carros para desmanche e é suspeito também de roubar ônibus que iam para Inhotim, em Brumadinho, na Grande BH. O delegado confirmou ter encontrado carros e motos depenados no local que funcionava como escritório do grupo, no Citrolândia.

Sobre a prisão, Huertas contou que desde que que começou a ser procurado o suspeito se mudou de Betim. Ele foi localizado em uma casa no município de Itatiaiuçu, portando um submetralhadora de fabricação caseira, de calibre .40. A arma causou estranhamento à corporação, já que o calibre é pouco usado no estado. O homem tido pela polícia como braço direito do chefe da quadrilha não foi preso e ainda é procurado pelos agentes.

Tráfico
Os principais locais por onde circulava a maconha e a cocaína vendidas pelo grupo são as cidades vizinhas do Citrolândia – Juatuba e Mateus Leme, segundo o delegado. De acordo com o Huertas, não há provas de que os produtos ilícitos fossem comercializados na capital.

Como os principais integrantes da quadrilha foram presos em dezembro do ano passado, o delegado contou que foi feita uma nova formação da quadrilha por Jiraya. "É muito comum a presença de menores de idade no tráfico, que atuam principalmente no varejo. À medida que os superiores são presos, os menores sobem para a gerencia", contou como funciona o escalonamento da organização. Ele também tem passagens pela polícia por porte ilegal de arma e corrupção de menores.


Publicidade