Publicidade

Estado de Minas

Bombeiro ''parteiro'' faz parto de bebê dentro da viatura neste domingo

Sargento Glayson conta com entusiasmo a oportunidade de fazer a vez de um parteiro. "Esse tipo de ocorrência é gratificante", relata


postado em 11/06/2017 13:11 / atualizado em 11/06/2017 14:55

O sargento Glayson segura Yasmim. Ao lado, o soldadado Leon e ao fundo, o cabo Souza(foto: Bombeiros/Divulgação)
O sargento Glayson segura Yasmim. Ao lado, o soldadado Leon e ao fundo, o cabo Souza (foto: Bombeiros/Divulgação)
Um parteiro experiente. Assim o sargento Glayson Martins Barbosa, 48 anos, definiu o trabalho que desempenhou na manhã deste domingo, no Bairro Leblon. na Região de Venda Nova, ao fazer o parto de Yasmin,  que veio ao mundo em uma unidade de resgate do Corpo de Bombeiros de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Sargento Glayson está na corporação há 29 anos - ele corrige se nome dele for pronunciado com o som de a, é  ê, viu? ou seja, Glêyson-, e conta que sua experiência como parteiro não vem apenas do curso que fez na corporação. "Tenho oito filhos e assisti ao parto de todos eles",  atesta.

O bombeiro militar diz que assistir ao nascimento de uma criança é sempre emocionante. E diz preferir  esse tipo de ocorrência às demais que envolvem a profissão que exerce há quase 3O anos. "Principalmente quando tem morte, porque isso magoa a gente", justificou.

Apesar da vocação para parteiro, sargento Glayson diz que na lida como Bombeiro fez de  seis a oito partos na viatura. Resgates de parturientes, ele não lembra.

Escadaria


O pai de Yasmin, Luciano Sérgio, 24 anos, foi quem pediu o socorro.  De acordo com o sargento Glayson, ele ligou para o Samu. "Como todas as ambulâncias estavam empenhadas e a nossa guarnição, apesar do chamado ser de BH, era a única disponível no momento, fomos atender a ocorrência, feita às 6h40 de hoje", relatou o sargento.

Ele também contou que não foi fácil levar  Ariane Souza, 24 anos, até a unidade de resgate. O casal mora em uma casa abaixo do nível da rua. Entre a rua e a moradia, segundo contou o militar, há em torno de 40 degraus.

Sargento Glayson atesta que Yasmin veio ao mundo às 7h20, portanto, exata uma hora depois que o pai chamou o Samu. "Ele (o pai) ficou muito emocionado depois do parto e, após eu cortar o cordão umbilical, dei a menina para ele segurar", recordou o sargento.

Plantão


Glayson  conversou com o em.com.br na tarde domingo, por telefone, depois de descansar em casa de um plantão de 25 horas e 30 minutos, que deveriam ser de 24 horas, mas Yasmin resolveu vir ao mundo faltando menos de duas horas para o militar encerrar o expediente.  

Ele deveria ter saído  do serviço às 8  horas deste domingo. Porém, deixou a sede dos Bombeiros em Sabará às 9h30. Depois do parto na unidade de resgate dos Bombeiros, o sargento Glayson e os colegas, soldado Leon e cabo Souza, deixaram Yasmin e os pais no Hospital Sofia Feldman.


Publicidade