Publicidade

Estado de Minas

Obra da Catedral Cristo Rei, em BH, chega à metade do cronograma previsto

Complexo religioso começa a tomar forma com a colaboração de devotos, concretizando projeto da Arquidiocese de BH


postado em 21/05/2017 06:00 / atualizado em 21/05/2017 09:25

Catedral Cristo Rei, em BH(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Catedral Cristo Rei, em BH (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Devoção que ergue paredes, sustenta bases e irriga o terreno para fortalecer a cultura, os trabalhos sociais e educativos, as ações de solidariedade e, principalmente, a fé do povo. Sonho antigo de católicos, a Catedral Cristo Rei, projeto da Arquidiocese de Belo Horizonte, entra no quarto ano de construção – metade do tempo previsto, portanto – com avanços e mudanças na paisagem da Região Norte da capital. Até o fim do ano a estrutura da nave deverá estar concluída, permitindo, em janeiro de 2018, o começo da concretagem do piso da Tenda da Paz ou Templo, espaço interno dedicado às celebrações religiosas. Também no próximo ano, segundo o arquiteto e gerente de projetos da instituição, Leonardo Araújo, será iniciada a construção dos pórticos com 100 metros de altura e da cúpula (teto da igreja) de 2,8 mil metros quadrados, na arrancada para a inauguração, prevista para 2021, ano do centenário da Arquidiocese de BH.

Satisfeito com os resultados e ressaltando que as doações são vitais para a empreitada, o arcebispo metropolitano dom Walmor Oliveira de Azevedo celebrará no próximo dia 1º, às 7h, missa de agradecimento aos operários e apresentação das últimas intervenções. “As obras são motivo de alegria e gratidão. Alegria por vencermos várias etapas, os trabalhos evoluem sem parar, com a graça de Deus. Agradecimento porque muitas pessoas estão nos ajudando. É com a força da solidariedade que a Catedral Cristo Rei vem sendo edificada.”

Dom Walmor acrescenta: “Concentramos nossos trabalhos na construção de setores que integram a parte abaixo da nave da catedral, a Tenda da Paz. Esses espaços vão compor a Rede Catedral de Cultura, com a missão de promover a inclusão dos mais pobres nos campos da educação e cultura. Quando estiver concluída, a Cristo Rei contribuirá para a formação de crianças e jovens da periferia com as oficinas da escola de música, de mosaicos e outras importantes atividades. Nossa Igreja ampliará ainda mais sua rede de serviços, dedicada às pessoas que precisam de amparo”.

Na manhã de sexta-feira, o gerente Leonardo Araújo mostrou a área sobre a qual será construído o piso da nave, parte da Praça das Famílias, que terá gravados futuramente, nas contas de um rosário, os nomes e cidades das pessoas que colaboram com o projeto, orçado em
R$ 120 milhões. Entre a supervisão da obra e outras funções no terreno da Avenida Cristiano Machado, no Bairro Juliana, o arquiteto e sua equipe já escolhem o tipo de material a ser usado nesse espaço de 16 mil metros quadrados, onde ficará o altar externo, e que abrigará até 20 mil pessoas, sendo 5 mil dentro do templo. “As doações dão o ritmo da obra. Quanto maiores, maior também a velocidade dos serviços”, disse o arquiteto. Do total de recursos exigidos, já foram investidos cerca de 25%, incluindo fundações, pilares, vigas e outros serviços.

Caminhando ao lado do engenheiro Antônio Márcio Freitas, responsável pela execução dos trabalhos, Leonardo dá instruções ao grupo de armadores que monta a estrutura para sustentar o piso da nave. “Hoje temos 60 operários aqui. Desde o início do ano, decidimos ‘internalizar’ a obra, ou seja, a Mitra Arquidiocesana toca integralmente o projeto, e não uma construtora, como ocorria antes. Nesse tempo de crise, a medida gera economia. Estamos nos adaptando a cada dia para superar dificuldades”, afirma o arquiteto, mostrando a grua de 40 metros de altura que transporta uma fôrma de madeira, peça a ser usada na concretagem da parede 34. “Quando construirmos os pórticos, o equipamento será três vezes maior”, observa. A catedral em construção no terreno terá 44 mil metros quadrados (veja quadro).

DINÂMICA

O arquiteto Leonardo Araújo e o engenheiro Antônio Freitas (D) observam o avanço dos trabalhos no terreno do Bairro Juliana, na Região Norte de BH(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
O arquiteto Leonardo Araújo e o engenheiro Antônio Freitas (D) observam o avanço dos trabalhos no terreno do Bairro Juliana, na Região Norte de BH (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Iniciada em 2013, dois anos depois de instalada uma cruz de 20 metros de altura no terreno, a construção da Catedral Cristo Rei segue projeto de Oscar Niemeyer (1906-1912). Na estrutura sob a Praça das Famílias haverá uma série de setores de evangelização e prestação de serviços, como a Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida, auditório com 800 lugares, cinco museus, escola de música e especializada na arte dos mosaicos, entre outros. A evangelização, por sinal, começou em 2015, no canteiro de obras, ao ser erguida a Tenda Cristo Rei, aberta diariamente e com programação que inclui missas, orações do terço e atendimento de confissões. Futuramente, o espaço poderá ser usado como hospedagem para o clero.

A atual fase de trabalhos na Catedral Cristo Rei é muito importante, segundo o arquiteto  Leonardo Araújo, pois cria “a base” para a construção da cúpula e dos pórticos brancos, que, conforme o projeto de Niemeyer, se assemelham à vela de um barco, asas ou, dependendo da interpretação de cada uma, dedos se tocando. Diante da dinâmica da obra, Leonardo conta que o piso da Praça das Famílias, com seu formato ovalado, ficará dois metros acima do nível da Avenida Cristiano Machado. “A concretagem do piso deverá durar poucos meses. Tempo maior será para erguer a cúpula e o pórtico”, informa animado.

Leonardo informa ainda que os operários terminaram os trabalhos de construção da segunda parte da laje do auditório, que ficará abaixo da Tenda da Paz. “Uma conquista importante, graças à ajuda de quem contribui com o Projeto Praça das Famílias”, agradece. Ele diz ainda que será colocada uma imagem de Nossa Senhora da Piedade, padroeira de Minas, na frente do templo. O material da escultura poderá ser mármore ou cobre.

O projeto gigantesco não para de reservar surpresas. Leonardo lembra que, sob o templo, ficará a Cripta Jesus Ressuscitado, memorial para preservar a história da arquidiocese. Lá estarão sepultados arcebispos, bispos e padres que serviram a Igreja na capital e região metropolitana, e haverá painéis interativos, nos quais os fiéis poderão recordar momentos importantes na trajetória da instituição centenária.

Saiba mais

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
» A Catedral Cristo Rei terá capacidade para 5 mil pessoas sentadas na parte interna. Em grandes eventos, poderá receber até 20 mil

» Serão 44 mil metros quadrados de área construída, considerando-se o templo, três andares abaixo da praça e estacionamento. O terreno de propriedade da arquidiocese tem 22,4 mil metros quadrados

» O monumento terá dois pórticos com 100 metros de altura, campanário com 40 metros e sete sinos, além de uma cruz de 20 metros, tudo na cor branca

» Os investimentos estimados são da ordem de R$ 120 milhões

» A atual Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de BH, que vem funcionando em caráter provisório, continuará como Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua

HISTÓRIA EM CONSTRUÇÃO

1922
Dom Antônio dos Santos Cabral, o dom Cabral (1884-1967), primeiro arcebispo de Belo Horizonte, chega à capital e assume a nova diocese – a Arquidiocese de BH foi instituída em 1921. Entre as muitas tarefas, estava o desafio de construir a Catedral Cristo Rei, mas as dificuldades da época e uma enfermidade que acometeu o religioso adiaram por décadas o sonho

2004
Ao chegar a BH e assumir a Arquidiocese de BH, dom Walmor Oliveira de Azevedo começa a ouvir indagações sobre a construção da Catedral Cristo Rei

2005
Dom Walmor vai ao Rio de Janeiro e se encontra com o arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) para solicitar uma concepção arquitetônica para a catedral. Depois de um período de reflexão, fica decidido que o templo será construído na Avenida Cristiano Machado, no Bairro Juliana, na Região Norte da cidade, epicentro da Arquidiocese de BH, que engloba 28 municípios

2006
Niemeyer apresenta a concepção arquitetônica do templo

2010
Depois de um período de planejamento, a Arquidiocese de BH e o escritório de Oscar Niemeyer assinam o contrato referente aos projetos do conjunto arquitetônico da Catedral Cristo Rei

2011
Em 20 de novembro, o terreno recebe a cruz da Catedral Cristo Rei, de 20 metros de altura. Com a participação de milhares de fiéis, dom Walmor abençoa a pedra fundamental proveniente do Santuário Estadual Nossa Senhora da Piedade, localizado em Caeté, na Grande BH

ETAPAS DA OBRAS


2012
Arquidiocese de BH e Mendes Júnior, construtora especializada na execução de projetos de Oscar Niemeyer, assinam protocolo de intenções para as obras da catedral

2013
Em 7 de abril começam os trabalhos de sondagem, limpeza e colocação de tapumes

2014
Em março têm início a terraplenagem e obras de contenção; em agosto, começa a fase de fundações profundas. Nessa etapa, 600 estacas de concreto armado, com até 22 metros, são instaladas no terreno

2015
Em maio, começa a fase da superestrutura (paredes, pilares etc.)

2016
Concluídos os três pavimentos que integram o setor da Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida


Para doar
Quem quiser colaborar com doação de qualquer valor pode usar a internet, no site ww.catedralcristoreibh.com.br/doa. Informações: (31) 3269-3100.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade