Publicidade

Estado de Minas

Veja como funciona a central de monitoramento por câmeras que vigia BH

Um suicídio já foi evitado. O socorro a vítimas de acidente, agilizado. Um crime deixou de ganhar maiores proporções. Sinergia em favor da cidade possibilita intervenção rápida, que ajuda a salvar vidas


postado em 10/04/2017 06:00 / atualizado em 10/04/2017 07:30

Centro de Operações da Prefeitura de Belo Horizonte (Cop-BH) é uma espécie de força-tarefa que reúne 15 instituições municipais e do estado(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Centro de Operações da Prefeitura de Belo Horizonte (Cop-BH) é uma espécie de força-tarefa que reúne 15 instituições municipais e do estado (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Do Bairro Buritis, Região Oeste de Belo Horizonte, o guarda municipal que monitorava uma câmera de vídeo instalada na Avenida dos Andradas percebeu um homem no alto de um galpão. Ele aproximou a imagem e viu que o rapaz estava com uma corda enrolada no pescoço, prestes a cometer suicídio. Rapidamente, o agente acionou colegas da corporação, do Samu e do Corpo de Bombeiros. Uma vida foi salva.


Essa e várias outras histórias com final feliz são contadas pelas dezenas de profissionais que trabalham no Centro de Operações da Prefeitura de Belo Horizonte (Cop-BH), uma espécie de força-tarefa que reúne 15 instituições municipais e do estado numa sala no Buritis. Semelhante ao Big Brother Brasil, a central de videomonitoramento, criada para a Copa do Mundo de 2014, vigia a cidade por meio de centenas de câmeras.

O principal resultado do Cop é proporcionar resposta rápida a fatos que, até a criação da central, eram resolvidos num tempo maior. A presença de diferentes instituições na mesma sala possibilita uma sinergia em favor da cidade. “Esse tempo de resposta é essencial”, contou Denise Fontes, gerente de Operações do Cop-BH, que funciona 24 horas ininterruptas durante os sete dias da semana.

A sinergia ocorre diariamente, como explica Cristina Maria Souza, uma das representantes do Samu. “Há poucas semanas, uma carreta desgovernada atingiu vários veículos na BR-356, no Belvedere (Região Sul). Vimos pela imagem que o trânsito ficou parado e não havia espaço para o helicóptero pousar para socorrer os feridos. Acionamos, então, a Guarda Municipal e a BHTrans para que auxiliasse nossas ambulâncias a chegarem no local pela contramão.”

Mais uma vez, vidas foram salvas. As decisões são tomadas com maior agilidade, pondera Cristina, quando profissionais de instituições diferentes veem as imagens na mesma sala. Há poucos dias, outra vida foi salva graças à imagem captada numa das estações do Move, no Centro, e exibida no Cop. Tratava-se de um crime por motivo fútil.

Um jovem ficou indignado com outros que tentaram furar a fila para entrar no transporte coletivo e, transtornado, golpeou um dos rapazes com um canivete. O sangue se espalhou na estação. Houve pânico e correria. As imagens chamaram a atenção de quem estava no Cop. Uma equipe do Samu foi acionada, socorreu a vítima e a levou ao Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII. O autor se entregou horas depois numa unidade da Polícia Militar.

NO TRÂNSITO As mesmas câmeras que flagraram esse crime ajudam a monitorar o trânsito na cidade. Dependendo das imagens, Artur Abreu, gerente de Operações do BRT, ajuda a montar estratégias para reduzir a dor de cabeça de motoristas e passageiros. “Há poucos dias, por exemplo, uma árvore caiu na Avenida Carandaí, na região hospitalar. Acionamos o pessoal para liberar a via com maior rapidez. Na hipótese de algum evento que ocasione queda na velocidade média dos ônibus, haverá perda no número de viagens. Avisamos às concessionárias para colocar ônibus extras, pois um veículo não conseguiria fazer a viagem de ida e volta no tempo normal”, explicou Artur Abreu.

E quando há protestos ou manifestações no Centro da cidade? Novamente, o Cop entra em ação. Além de desviar o trânsito, uma estratégia curiosa é aplicada. Caminhões da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) passam no itinerário programado pelos manifestantes para recolher objetos que possam ser usados por eventuais vândalos que se infiltram entre os protestantes pacíficos.

As câmeras ainda ajudam a amenizar um problema antigo de Belo Horizonte. Quando chove, conta o subinspetor da Guarda Municipal Wellington Rodrigues, alguns equipamentos são direcionados para o Ribeirão Arrudas. “Pelo monitor, acompanhamos a evolução do leito. Dependendo do que pode ocorrer, acionamos a Defesa Civil e interditamos o trânsito (em parte da Via-Expressa).” Dessa forma, caso o leito transborde, o estrago será menor, pois pessoas são orientadas a não passar pela região. “Com o Cop, nosso tempo de resposta foi otimizado”, diz Arthur Abreu.

DENGUE
Além das 15 instituições, uma empresa privada se beneficia do Cop. Trata-se de uma firma de helicópteros, que tem parceria com a prefeitura. A organização recebe informações do Cop e, em troca, fornece imagens aéreas e outros serviços.

Há alguns meses, técnicos da Secretaria Municipal de Saúde sobrevoaram a cidade para levantar focos de criatórios do Aedes aegypti, transmissor da dengue e de outras doenças, em imóveis particulares. Com base no levantamento, estratégias para combater o mosquito foram adotadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade