UAI
Publicidade

Estado de Minas

Músicos sofrem com onda de roubos de instrumentos em BH

Artistas denunciam ação de quadrilhas especializadas em instrumentos musicais, que vêm fazendo vítimas em série em BH. Apenas nos últimos meses foram pelo menos 15


03/06/2016 06:00 - atualizado 03/06/2016 07:03

Microfone mudo: banda dos músicos Mauro Batista e Luiz Otávio Campolina suspendeu shows após furto de equipamentos
Microfone mudo: banda dos músicos Mauro Batista e Luiz Otávio Campolina suspendeu shows após furto de equipamentos (foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press)
Uma onda de roubos de instrumentos iniciadas nos últimos meses assusta e põe em alerta músicos em Belo Horizonte. A recorrência do modo de ação dos assaltantes – abordagem na chegada ou saída de shows e arrombamento de estúdios – desencadeou uma campanha nas redes sociais com a divulgação de cuidados preventivos e o pedido para que as pessoas não comprem instrumentos de procedência desconhecida. Conforme o Estado de Minas apurou, pelo menos 15 músicos tiveram os instrumentos levados, a maior parte deles em maio. O pianista e tecladista Luiz Otávio Campolina de Souza, de 26 anos, está entre as vítimas. Ele teve a ferramenta de trabalho, um teclado, roubada duas vezes no mesmo mês. “Levaram uma vez, comprei outro e roubaram novamente. Neste mês, soube de outros cinco casos de músicos que perderam tudo”, diz. Sem os instrumentos, muitos tiveram que adiar os shows ou pediram equipamentos emprestados para continuar a trabalhar.

Mesmo apresentando a denúncia à Polícia Civil e Polícia Militar, dificilmente os músicos conseguem reaver os instrumentos, que são negociados no mercado paralelo. “Desconfiamos da ação de uma quadrilha, pela semelhança dos casos. Um problema é que não conseguimos rastrear os instrumentos”, diz. A banda que Luiz integra teve que suspender shows, e desde 30 de abril não sobe mais aos palcos. Integrante do mesmo grupo, o guitarrista Mauro Moreira Batista teve o bairro abordado na BR-040, próximo ao Anel Rodoviário. Os criminosos levaram o vepiculos com todos os instrumentos. A seguradora rastreou o veículo, mas quando foi localizado já haviam sido levados teclado, duas guitarras, amplificador, bateria completa, cabos e microfones. Luiz estima prejuízo em torno de R$ 70 mil.

O estúdio Áudio 40, no Bairro Belvedere, foi arrombado no dia 27 de maio. Foram levados dois baixos elétricos, violão de corda de aço e guitarra portuguesa. “Suspeitamos que tenha sido um roubo direcionado, primeiro pela onda de assaltos no último mês e porque escolheram bem os instrumentos para levar, os mais caros e muito raros”, pontua o músico Neo Andrade, que está à frente de um dos principais estúdios de gravação e produção de áudios da capital. Em 35 anos de carreira, ele afirma nunca ter visto tantos músicos serem vítimas de ladrões. No seu caso, o prejuízo é estimado em R$ 25 mil.

TRAUMA O guitarrista Wilson Lopes, músico que integra a banda de Milton Nascimento, também teve diversos instrumentos roubados em uma abordagem traumática. No caso dele, os instrumentos estavam na sua casa, que foi invadida em 23 de maio, quando os ladrões o fizeram refém com o filho. Wilson postou na internet a lista de instrumentos que foram levados, mas até hoje nenhum foi recuperado. Ainda abalado com a história, ele evita falar sobre o ocorrido, mas disse à reportagem que está exausto com os desdobramentos do caso. “São os instrumentos com que estamos acostumados. É um transtorno ficar sem a nossa ferramenta de trabalho”, informou ele, que registrou a ocorrência na Polícia Civil.

O primeiro-secretário da Ordem dos Músicos do Brasil, Regional de Minas Gerais, José Dias Guimarães de Almeida, acredita que a crise econômica tem contribuído para aumentar o número de roubos de instrumentos. Segundo ele, alguns casos demonstram que os bandidos agem de forma planejada. “Eles já têm para quem vender. Como alguém chega em casa com cinco guitarras, cinco violões se não tiver uma forma de repassá-los?” Para ele, tudo indica que há uma quadrilha especializada agindo na capital.

O capitão Flávio Santiago, chefe da Sala de Imprensa da Polícia Militar, alerta os músicos para que se previnam. Ele orienta cuidado com o local em que acondiciona os instrumentos, evitar deixá-los em locais sem vigilância e em qualquer situação suspeita entrar em contato com a PM. A Polícia Civil foi procurada, mas não se manifestou sobre o assunto.

PARA NÃO DESAFINAR

Músicos fazem lista de dicas para evitar roubo e a comercialização ilegal de instrumentos roubados

1 - Se for comprar o instrumento na loja, só adquira produtos com nota fiscal

2 - Cuidado na hora de comprar instrumentos usados e de terceiros. Desconfie de preços muito abaixo dos de mercado. Mesmo que o produto não seja fruto de um roubo/furto, pode esconder defeitos e trazer dores de cabeça depois

3 - Tire fotos do seu instrumento de vários ângulos. É a garantia de manter um bom arquivo visual do produto. Em caso de roubo, compartilhe as imagens e contatos para qualquer informação.

4- Guarde o número de série do instrumento, assim como a marca e o modelo e tire fotos também desses dados.

5 - Se possível, instale um rastreador no instrumento ou faça seguro

6 -  Mantenha sempre o instrumento com você ou por perto. Evite, por exemplo, deixar a guitarra ou baixo no carro

7  - Nos shows, tente guardar seu equipamento de forma segura e não se afaste dele por muito tempo. Procure levar apenas o necessário

8 - Estude o trajeto para chegar até o show. Evite lugares escuros e mantenha a atenção em sinais fechados e cruzamentos

9 - Se for roubado, comunique imediatamente a polícia. Faça o mesmo ao saber de qualquer informação sobre o paradeiro do seu instrumento

10 - Se você tem informações sobre algum instrumento roubado, denuncie. E lembre-se: receptação de objetos roubados é crime, com pena de um a quatro anos de reclusão e multa


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade