UAI
Publicidade

Estado de Minas

'Capital da dengue', Campanário luta para se livrar do Aedes aegypti

Pequena cidade quer sair do topo do ranking das cidades líderes em incidência da doença. Entre as ações, cobertura de caixas d'água com tela de proteção contra o Aedes


postado em 07/03/2016 06:00 / atualizado em 07/03/2016 07:33

O município tem voltado suas atenções para caixas usadas para estocar água, recurso escasso na cidade (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
O município tem voltado suas atenções para caixas usadas para estocar água, recurso escasso na cidade (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)

Campanário – Na “capital da dengue” não há congestionamento, corre-corre, barulho de carro. A população anda de um lado para o outro de sombrinha; não porque chove, mas porque é preciso se proteger do fortíssimo sol. Quase ninguém vai a BH: cidade grande é a vizinha Teófilo Otoni, a 50 quilômetros. Na “capital da dengue”, vivem 3.733 habitantes, uma população pequeníssima, mas que, proporcionalmente, sofre com a maior incidência de dengue de todo o Brasil: fato que Campanário desconhecia até a visita do Estado de Minas. A presença de uma equipe de reportagem chamou a atenção do povoado, que, às 11h, já está sentado à mesa para almoçar e onde não há casa que não tenha experimentado o desconforto da doença transmitida pelo Aedes aegypti.

De acordo com o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, com o monitoramento de casos de dengue, zika e chikungunya até a semana epidemiológica 5, Minas Gerais lidera em incidência em três das quatro faixas populacionais em que os dados foram divididos. Campanário, com 6,2 casos para cada grupo de 100 pessoas (6.214,8 por 100 mil), tem a maior incidência entre as cidades com menos de 100 mil habitantes, e a maior de todo o país. De acordo com o levantamento, o estado é o terceiro no país em incidência de dengue, atrás de Mato Grosso do Sul e Tocantins, mas são as cidades mineiras que estão puxando o número para cima, liderando também em outras faixas populacionais. Por quê? Para Rodrigo Said, superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e de Saúde do Trabalhador da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), o estado apenas reflete a realidade do país, que, sim, está passando por um aumento significativo dos casos de dengue, quadro agravado pela circulação também do zika vírus.

Particularidades dos 853 municípios mineiros impedem generalizações. Políticas públicas, clima e a conscientização da população são fatores influenciadores. Um olhar mais atento para esses municípios, contudo, dá pistas da origem do problema. Em Campanário, o clima extremamente seco despertou uma prática perigosa. Nos quintais, multiplicam-se caixas-d’água e tambores para armazenamento do recurso tantas vezes escasso. No Bairro Lagoinha, na parte mais alta da cidade, às vezes falta água por uma semana. “Teve vez em que eu não tive água para beber. Fui ao vizinho e ele me deu uma garrafa pet, geladinha. Mas quando servi estava cheio de larva de mosquito”, conta Dulcira Gonçalves, de 70 anos. “Ele enxerga mal e nem deve ter percebido.”
Moradora retira água de cisterna sem tampa, ambiente propício para proliferação do Aedes aegypti (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)
Moradora retira água de cisterna sem tampa, ambiente propício para proliferação do Aedes aegypti (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)

Segundo a secretária de Saúde do município, Silvana de Souza e Silva Rocha, até a semana epidemiológica 8, o número de casos suspeitos de dengue já chegava a 442. Com 3.733 habitantes (população estimada em 2015), isso significa que a taxa de incidência já chega a 11.840 por 100 mil habitantes. O dado quer dizer que, a cada 100 moradores, 11,8 já tiveram dengue em 2016. “O auge da epidemia foi no carnaval, quando nossos dois postos tiveram que funcionar 24 horas. Nas últimas semanas, já percebemos uma diminuição de casos”, explica a secretária.

AÇÃO Para José Elias de Meira, agente de saúde e coordenador da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) em Campanário, a melhoria dos números é resultado de uma ação coordenada de enfrentamento ao mosquito Aedes aegypti. Mais de metade da cidade já está com as caixas-d’água e tambores cobertos com telas compradas pelo município. São sete agentes de endemia para os 1.604 imóveis, cinco a mais do que o preconizado: é necessário um agente para cada 800 a 1 mil imóveis. Mas falta conscientização. “Tem casa em que a gente entra, coloca o larvicida e, quando viramos as costas ,vemos o morador jogando a água tratada fora. Aqui, o problema é a seca e a mente das pessoas. Em algumas estamos pedindo, ao longo dos últimos meses, para cobrirem as caixas, mas só agora, depois que alguém da casa teve dengue, que tomaram providência”, lamenta José, cumprimentado pelo nome os moradores em cada imóvel onde entra.

Há quem tente convencer que está fazendo sua parte, mas que termina se “entregando”. “Meus vizinhos todos tiveram dengue, mas o mosquito não me pega”, ri Cilene Esteves de Matos, de 43, dona de uma cisterna aberta no quintal de casa, onde as larvas de mosquito, em estágio inicial, se aglomeravam. “Jogo um litro de água sanitária duas vezes por semana, estou esperando ter dinheiro para tampar a cisterna.” José Elias explica que a medida não é eficiente, já que não se sabe a quantidade de água no poço. Alertada de que estava jogando dinheiro fora e ameaçando a cidade, já que as larvas podiam ser vistas a olho nu, Cilene confessou: “Não sabia que precisava cobrir a água que uso pra molhar as plantas. Só tampo a água que uso em casa”.

 

Falta código de posturas

A “politicagem” também atrapalha Campanário. Silvana e José Elias lamentam o fato de o município não ter um código de posturas. “Aqui está cheio de lote sujo, mas não conseguimos multar ninguém. Cidade pequena é pior, tem muita política. A pessoa fala que não vai limpar e fica por isso mesmo”, afirma a secretária de saúde. Ela lamenta o fato de a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Teófilo Otoni não ter enviado o caminhão fumacê, mas, segundo Rodrigo Said, o município precisa ter número de casos significativo e um plano de aplicação definido. “Caso tenha ações de controle complementares, com visita casa a casa, tratamento focal por meio da bomba costal (mais eficiente por ir direto ao foco do mosquito), não se faz necessário o uso do fumacê”, explica.

Segundo Said, houve um entendimento da SES/SRS de que as ações realizadas pelo próprio município de Campanário, entre elas, o uso da bomba costal, começam a refletir numa quebra da cadeia de transmissão, com expectativa de redução no número de notificações. Nessas horas, ser pequeno ajuda a alertar para a importância dos cuidados, afinal, todo mundo dá notícia da dengue do vizinho.



Notificações do estado


No dois primeiros meses deste ano, foram registrados 124.729 casos prováveis de dengue e confirmados 13 óbitos relacionados à doença. As mortes foram em seis municípios de Minas. Os registros de casos prováveis de 2016 já chamam atenção se comparados com os números do ano passado, quando foram 196.618 casos prováveis da doença, acumulados durante os 12 meses do ano passado, com 74 óbitos. Em relação à febre chikungunya, Minas já teve 11 casos confirmados, importados da Colômbia, Bahia, Sergipe e Alagoas. Neste ano, 413 foram notificados, sendo que, destes, 233 foram descartados e 180 permanecem em investigação. Nenhum caso foi confirmado até o momento em Minas. Os casos notificados de zika de 2016 já chegam a 755, enquanto em 2015 foram 70. No ano passado, três casos da doença foram confirmados, contra nenhum neste ano. Todos permanecem em investigação. Em Belo Horizonte, até o dia 3, foram notificados 31.062 casos suspeitos de dengue, sendo que 6.073 foram confirmados e 24.989 permanecem como suspeitos.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade