Publicidade

Estado de Minas

Deputados vão visitar Mina Germano em Mariana

O objetivo da visita é verificar obras que são realizadas na barragem e se ainda há vazamento de rejeitos no local do rompimento


postado em 29/12/2015 11:22 / atualizado em 29/12/2015 11:28

Barragem de Germano sofreu avarias depois do rompimento da mina de Fundão(foto: Leandro Couri/EM/D. A Press )
Barragem de Germano sofreu avarias depois do rompimento da mina de Fundão (foto: Leandro Couri/EM/D. A Press )

Deputados que compõem a Comissão Extraordinária das Barragens da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), criada depois da tragédia em Mariana, na Região Central do Estado, vão visitar, na tarde desta terça-feira, a Mina Germano, da Samarco, que é controlada pela Vale e a BHP Billiton. O objetivo da visita é verificar obras que são realizadas na barragem e se ainda há vazamento de rejeitos no local do rompimento.

Os parlamentares vão começar a visita por volta das 14h. Eles pretendem verificar as obras de reforço no dique da barragem Germano. Depois do rompimento da barragem de Fundão, que fica próximo ao local, a mina sofreu avarias em um dos seus diques. Uma rachadura foi detectada na camada chamada de Selinha. Na última visita feita pelos deputados, no fim de novembro, a Samarco informou que a camada apresentava um índice de segurança de 1,22, sendo que o ideal seria de 1,5.

A visita também será realizada para detectar se ainda há vazamentos de rejeitos das barragens da Samarco. O prazo dado pela pela 12ª vara de Justiça Federal para a mineradora conter o vazamento terminou nessa segunda-feira. O descumprimento prevê multa diária de R$ 1,5 milhão. Os deputados querem, ainda, saber quais medidas estão sendo tomadas pela Samarco para cumprir as determinações legais do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

Investigações

A barragem de fundão rompeu em em 5 de novembro, deixando 17 mortos, dois desaparecidos. Essa foi a maior destruição ambiental da história do Brasil. A lama de rejeitos devastou comunidades inteiras e chegou até o mar no Espírito Santo. O delegado Regional de Ouro Preto, Rodrigo Bustamante, responsável pelo inquérito da Polícia Civil, já ouviu mais de 70 pessoas.

Ainda seguem desaparecidos Edmirson José Pessoa, de 48, funcionário da Samarco, e Ailton Martins dos Santos, de 55, ambos da Integral Engenharia.


Publicidade