Publicidade

Estado de Minas

Dilma reafirma compromisso com recuperação do Rio Doce e punição para os culpados

Presidente disse que seu governo, ao lado dos governos de Minas e do Espírito Santo, vai agir para que tragédias como a de Mariana não se repitam nunca mais


postado em 15/12/2015 15:05 / atualizado em 16/12/2015 07:29

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou nesta terça-feira em Congonhas, Minas Gerais, que seu governo, em parceria com os de Minas Gerais e do Espírito Santo, trabalha pela revitalização do Rio Doce, devastado pela lama de rejeitos da barragem da Samarco, que se rompeu no mês passado em Mariana.

Ao inaugurar o Museu de Congonhas, a petista afirmou fazer parte dos esforços para que cidades como as da região não dependam exclusivamente da mineração. Dilma disse que seu governo está tomando as medidas necessárias para que situações como a tragédia ambiental de Mariana não se repitam. "É algo que devemos àqueles que perderam suas vidas aqui na região de Mariana, na região da bacia hidrográfica do Rio Doce que perderam também seus meios de vida".

"Nos importa transformar novamente o Rio Doce naquilo que ele foi outrora. Um local com margens reflorestadas e com nascentes preservadas, recuperando inteiramente o rio. Esse é um projeto que não se esgota no curto prazo, mas que começa no curto prazo e que se estende até que o rio seja de fato aquele rio que nós herdamos dos nossos ancestrais" , afirmou. Dilma porém, não detalhou quais serão os investimentos para que isso aconteça.

Dilma disse que a revitalização é uma das missões do seu governo, assim como a garantia do atendimento às vítimas e o trabalho para responsabilizar os culpados pelo desastre.

Dilma lembrou que a região é dependente da mineração e que o museu faz parte do projeto para aumentar a participação da cultura e do turismo na economia de Congonhas. "Compartilhamos com a população daqui o esforço de diversificar a economia, diminuindo a dependência da mineração. Este propósito ganho novo impulso após a tragédia em Mariana", disse.

Em seu discurso, Dilma ressaltou que o projeto do museu demorou 12 anos para se realizar e que nasce com o propósito de valorizar o patrimônio artístico nacional. "A intenção é tornar o museu um centro de referência para pesquisas sobre barroco e pedra sabão. É uma conquista para a cidade e população", afirmou.

A inauguração do museu faz parte das comemorações dos 30 anos da elevação do sítio histórico de Congonhas como Patrimônio Cultural Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Foram gastos R$ 25 milhões na obra, sendo R$ 7,5 milhões da prefeitura de Congonhas e o restante financiado com recursos captados pela Lei Rouanet. O BNDES é um dos principais patrocinadores do museu, com a destinação de R$ 7,2 milhões. (Com Agência Estado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade