Publicidade

Estado de Minas

Milton Nascimento diz que sem amizade de Fernando Brant "vida não teria sido tão linda"

Cantor relembrou parcerias, momentos de amizade e músicas inesquecíveis escritas por Brant


postado em 13/06/2015 15:17 / atualizado em 13/06/2015 21:33

(foto: Euler Júnior/EM DA Press)
(foto: Euler Júnior/EM DA Press)

O cantor Milton Nascimento esteve no velório de Fernando Brant na tarde deste sábado e disse, em entrevista coletiva, “minha vida não teria sido tão linda” sem a amizade com o compositor. Ele relembrou parcerias, momentos de amizade e músicas inesquecíveis escritas por Brant.

“Guardo de lembrança do Fernando, de toda minha vida. Não é só pouquinho aqui ou um pouquinho ali. Ele faz parte da coisa mais séria da minha vida, que eu aprendi com meus pais, que é a amizade. Desde que a gente se conheceu foi sempre uma coisa muito forte. Cada coisa que acontecia nas nossas vidas a gente compartilhava. Minha vida não teria sido tão linda se não fosse esse tipo de amizade que surgiu, não só do Fernando como de outros amigos de Belo Horizonte”.

Milton lembrou a primeira composição de Fernando para ele. “A gente era tão amigo que fui pra São Paulo e tava compondo numa tarde três musicas: Pai Grande, Morro Velho e mais uma que falei ‘essa não vou fazer a letra’. Fiquei pensando: ‘tem um amigo meu em BH que quero que faça esta letra’. Vim para BH e falei com Fernando: você tem que fazer uma letra para uma música minha. Ele falou: você está louco? Passados meses, ele fez  uma das coisas mais importantes das nossas vidas, que foi Travessia".

Segundo Milton, com Travessia, eles concorreram a um festival e a música ainda “voa pelo mundo”. “Essa música abriu as portas para todos nós. Foi uma coisa muito linda porque o Fernando nunca tinha feito letra até Travessia e a partir desse dia foi a vida inteira, até hoje, sem parar”, comenta.

Milton levou um susto com a morte do amigo. Disse que não conseguiu acreditar. “Fui para cama muito apavorado e 5h da manhã já estava na estrada”. Brant morreu na noite de sexta-feira, aos 68 anos, de complicações decorrentes de uma cirurgia de transplante de fígado. Submetido a uma primeira operação na terça-feira, o músico teve rejeição ao órgão e passou por um segundo transplante, na madrugada de ontem, no Hospital das Clínicas. A família confirmou a morte por volta das 21h40. Casado com Leise Brant, o compositor deixa as filhas Izabel e Ana Luiza, o filho do coração, Diógenes, e dois netos.

“O legado que ele deixa são todas as coisas que escreveu, as poesias, as palavras, o que a gente viveu juntos, o que não vivemos juntos – parcerias que ele fez com muitas outras pessoas. É o que há. Fernando deve estar num lugar bem especial numa hora dessas”, afirmou Milton.



Ver galeria . 33 Fotos Fernando Brant morre aos 68 anos, em Belo Horizonte, de complicações decorrentes de uma cirurgia de transplante de fígadoEuler Júnior/EM/D.A Press
Fernando Brant morre aos 68 anos, em Belo Horizonte, de complicações decorrentes de uma cirurgia de transplante de fígado (foto: Euler Júnior/EM/D.A Press )


Amigos prestam homenagem a Fernando Brant


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade