Publicidade

Estado de Minas

Em Minas Gerais, consumo para residências representa 83% da venda de água pela Copasa

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, 80% do volume faturado pela Copasa é proveniente de unidades residenciais, os outros 20% estão divididos entre comércio (10%), prédios públicos (5%) e indústria (5%)


postado em 02/02/2015 19:08 / atualizado em 02/02/2015 19:38

A Copasa confirmou, nesta segunda-feira, que 83% da água vendida para os municípios mineiros com concessão da empresa é destinada às residências. Para tentar diminuir o consumo nas casas, a empresa lançou uma campanha para a economia de 30% do consumo total da água. O racionamento e a sobretaxa são outras medidas que devem ser tomadas na Grande BH.

Conforme dados da Copasa, o setor comercial representa 9% do consumo e as indústrias, 3%. No setor público, o percentual é de 5%. Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, 80% do volume faturado pela Copasa é proveniente de unidades residenciais, os outros 20%, estão divididos entre comércio (10%), prédios públicos (5%) e indústria (5%).

A situação crítica que o Estado vive muito se dá pela falta de chuva. Minas Gerais registrou o janeiro mais quente da história. E a previsão dos meteorologistas é desanimadora. De acordo com o meteorologista Ruibran dos Reis, do Climatempo, no início de fevereiro, as chuvas continuarão vindo em forma de pancadas e precipitação isolada. Nesta semana, uma frente fria que atua no Rio de Janeiro pode causar chuvas isoladas nas regiões Oeste, Sul, Zona da Mata, Campos das Vertentes e na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Fechando a quinzena, será a vez do Triângulo Mineiro, e novamente as regiões Oeste e Central. Depois disso, mais uma estiagem.

Reservatórios

Os níveis dos reservatórios do Sistema Paraopeba continuam oscilando. Na sexta-feira, a quantidade de água armazenada estava em 30,17%. Porém, nesta segunda-feira votlou a cair para 29,8%. A represa de Serra Azul, a que está com o nível mais baixo, subiu de 6,2% para 6,4%. Vargem das Flores teve queda de 28,84% para 28,3% e Rio Manso saiu de 44,64% para 44,1%. Já no Sistema Rio das Velhas, cuja captação é feita no fio d’água e não usa reservatórios, está com 20,8 metros cúbicos por segundo na captação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade