Publicidade

Estado de Minas

Morre segundo jovem que caiu de viaduto durante manifestações em BH

Luiz Felipe Aniceto de Almeida tinha 22 anos, trabalhava na Central de Atendimento UAI e deixou uma filha, que acaba de completar um ano de vida


postado em 11/07/2013 22:20 / atualizado em 12/07/2013 15:19

Durante as manifestações, seis jovens caíram do Viaduto José Alencar. Dois deles morreram(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
Durante as manifestações, seis jovens caíram do Viaduto José Alencar. Dois deles morreram (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)


Morreu na noite desta quinta-feira, depois de 19 dias lutando para se manter vivo, o jovem Luiz Felipe Aniceto de Almeida, de 22 anos, que caiu do Viaduto José Alencar, no entroncamento das avenidas Antônio Carlos e Abrahão Caram, em um dos confrontos violentos entre policiais e manifestantes. Ele é o segundo a morrer, dentre os seis que caíram do mesmo local.

(foto: Reprodução / Arquivo Pessoal)
(foto: Reprodução / Arquivo Pessoal)
Luiz sofreu a queda no sábado, 22 de junho, quando Japão e México se enfrentavam no Mineirão. Houve intenso confronto na ocasião e as circunstâncias da queda do jovem não foram esclarecidas. Ele fraturou as duas pernas e os dois braços, além de outros ferimentos, passou por pelo menos duas cirurgias e respirou com a ajuda de aparelhos durante todo o período em que ficou internado no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII.

O jovem Luiz deixou uma filha, que completou um ano de vida exatamente no dia em que o jovem pai faleceu. Em entrevista à repórter Luciane Evans, a mãe do jovem, Maria Soares de Almeida, contou que Luiz Felipe já havia ido a outras manifestações e sempre dizia a ela que estava indo às ruas para protestar por seus direitos. Ele queria que, com a passeata, houvesse uma melhoria no transporte público da cidade.

Naquele sábado, Maria pediu muitas vezes que Luiz não fosse à manifestação, “porque estava vendo a violência em que se tornou tudo isso.” No entanto, o rapaz, que trabalhava na Central de Atendimento UAI, saiu do trabalho por volta do meio-dia e foi para a Praça Sete, no Centro. Durante toda a tarde a mãe tentou falar com o filho pelo celular, mas não conseguiu. À noite ela soube do acidente que deixou seu filho gravemente ferido. No mesmo dia, caiu do viaduto Caio Augusto Costa Lopes, de 17.


Queda fatal

Na quarta-feira seguinte, 26 de junho, data da partida entre Brasil e Uruguai, outro violento confronto entre policiais e manifestantes ocorreu no mesmo local. Dois jovens caíram do mesmo viaduto. Um deles, Douglas Henrique de Oliveira, de 21 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu poucas horas depois. Imagens gravadas por cinegrafistas amadores indicam que ele tentou pular o vão entre os viadutos. Um inquérito policial foi aberto para investigar o caso. No mesmo dia caiu Daniel de Oliveira Martins, de 28.

No primeiro confronto, ocorrido em 17 de junho, quando Taiti e Nigéria se enfrentavam no Mineirão, houve a primeira queda no local. Nas redes sociais, quem presenciou o acidente afirmou que a vítima fugia das bombas arremessadas pela PM. Um vídeo amador registrou o momento em que uma manifestante disse a um policial militar que um jovem havia caído do viaduto e precisava de socorro. "Ele não estava rezando", foi o que respondeu o militar. Tratava-se Gustavo Magalhães Justino, de 19 anos. Na mesma ocasião caiu Nathália Nascimento Dantas, de 21.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade