Publicidade

Estado de Minas

Mercado Distrital do Cruzeiro recebe propostas


postado em 01/06/2011 07:18

Ainda desconfiados com a suspensão do projeto da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para o Mercado Distrital do Cruzeiro, na Região Centro-Sul, moradores e comerciantes do espaço resolveram indicar novos caminhos para o tradicional centro de compras e ponto turístico da cidade. É por meio da iniciativa do Instituto de Arquitetos do Brasil – Seção Minas Gerais (IAB/MG) e do Sindicato dos Arquitetos de Minas Gerais (Sinarq) que foi lançado, ontem, o Viva o Mercado, uma espécie de concurso para que arquitetos inscrevam projetos de revitalização para o espaço, levando em conta questões ambientais, sociais e culturais. As três melhores ideias, a serem escolhidas em júri popular em 10 de julho, além de receberem R$ 2 mil, vão ser levadas às mãos do prefeito Marcio Lacerda (PSB) como alternativa à proposta da PBH de transformar o mercado em um grande centro comercial, com direito, inclusive, a hotel de luxo. O edital para a premiação será lançado hoje na página do IAB/MG: www.iabmg.org.br, e as inscrições poderão ser feitas entre os dias 6 deste mês e 6 de julho.

Desde o início de março, a PBH, sob a alegação de que quer estudar melhor as alternativas para o futuro do mercado, suspendeu o projeto de demolir a atual estrutura e construir na área dois hotéis, com 387 quartos, estacionamento para 1,9 mil veículos, área de eventos e cerca de 60 lojas. Como a administração municipal não se manifesta sobre o assunto há três meses, lojistas e moradores da região estão desconfiados e apreensivos.

Segundo a presidente da Associação dos Cidadãos do Bairro Cruzeiro (Amoreiro), Patrícia Caristo, em audiência pública em 21 de maio, foi dado aos moradores e comerciantes do mercado prazo de 10 dias para se manifestarem a favor da proposta da PBH. “O secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Rafael Guimarães, nos disse que caso não nos manifestássemos, suspenderia a proposta do hotel por definitivo sem apresentar mais nenhuma outra”, conta. Ontem, segundo Patrícia, venceu o prazo e a associação juntou 8,2 mil assinaturas contra o estabelecimento de luxo na área do mercado. “Estamos com receio de que novas ofertas desse tipo estejam sendo tramadas na surdina”, diz. A prefeitura nega o limite de 10 dias que Patrícia diz ter sido estipulado, garante que a proposta está suspensa e informa estar aberta a sugestões.

Alternativas

Enquanto o polêmico projeto parece ter sido engavetado de vez, a intenção dos moradores e de alguns comerciantes do mercado é de conseguir aprovar proposta que dê mais valor ao tradicional espaço. O Viva o Mercado é uma premiação que, segundo explica a presidente do IAB-MG, Cláudia Pires, é um modelo de democracia que deveria ter sido feito antes de a PBH impor o projeto de transformar o local em hotel de luxo.

“Vamos selecionar 10 propostas vindas de arquitetos. Elas têm que combinar com o ambiente, atender a demanda da vizinhança, comerciantes e até mesmo da faculdade Fumec. Vamos promover aqui no mercado um fórum de discussão, em que os autores vão defender suas ideias diante de um júri popular. As três melhores vão receber R$ 2 mil, cada, e serão enviadas ao prefeito.” Segundo Cláudia, os participantes devem estar cientes de que o mercado recebeu indicação de tombamento em 3 de maio.


O espaço

Área: 15 mil metros quadrado


Local: Bairro Cruzeiro, Zona Sul da capital


Permissionários: 52

Lojas: há restaurantes, bares, adega, boxes de hortifrutigranjeiros, grãos, material elétrico, utensílios domésticos, frigoríficos, floricultura, delicatessen, loja de massas, produtos naturais, banca de revistas, entre outras

SERVIÇO

O edital para a premiação será lançado hoje na página do IAB/MG: www.iabmg.org.br, e as inscrições poderão ser feitas entre os dias 6 deste mês e 6 de julho


Entenda o caso
2007

Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) sinaliza a intenção de se desfazer ou dar outros usos para os mercados distritais de Santa Tereza, Barroca e Cruzeiro

PBH decide fechar o Santa Tereza, alegando ociosidade, e retira os últimos expositores do local

Nessa época, a intenção era transformar o Distrital do Cruzeiro em espaço gastronômico e cultural

2008

PBH decide transformar o Mercado de Santa Tereza em quartel da Guarda Municipal. Moradores se mobilizam e fazem plebiscito. Um processo na internet, para saber qual destinação a população gostaria de dar ao mercado, é questionado pelo Ministério Público Estadual sob suspeita de fraude. A PBH suspende a ideia. O mercado está fechado desde então

PBH apresenta maquete com o projeto de revitalização do Mercado do Cruzeiro. Permissionários, temendo perder chance de concorrer ou permanecer no local, começam a se mobilizar

O então prefeito Fernando Pimentel sanciona a Lei 9.537/2008, que garante aos permissionários do Mercado Distrital do Cruzeiro a permanência antes, durante e depois da reforma do centro de compras

Junho 2010

A Prefeitura de Belo Horizonte publica procedimento de manifestação de interesse (PMI), com o objetivo de receber estudos sobre a revitalização do Distrital do Cruzeiro. Apenas um levantamento de grande porte foi entregue, o do consórcio que envolvia a Faculdade Fumec e duas construtoras. A proposta era construir no espaço dois hotéis, com 387 quartos, estacionamento para 1,9 mil veículos, área de eventos e 60 lojas

Desde junho de 2010

Comerciantes do Distrital do Cruzeiro e moradores da região fizeram diversas mobilizações para vetar a proposta de transformar o local em hotel

Dezembro 2010

Grupo do Hospital Mater Dei arremata em leilão Mercado Distrital do Barroca por R$ 53 milhões. No local, será construído novo complexo hospitalar

Maio 2011

No início de maio, a PBH suspende o projeto do PMI do Distrital do Cruzeiro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade