Publicidade

Estado de Minas MAUREEN CHIQUET

Ex-CEO da Chanel revela em livro como se tornou exemplo de liderança

De degrau em degrau, a norte-americana chegou ao mais alto cargo da maison francesa


postado em 03/11/2019 04:00 / atualizado em 01/11/2019 16:52

(foto: Beowulf Sheehan/Divulgação)
(foto: Beowulf Sheehan/Divulgação)


De bacharel em artes a CEO internacional da Chanel. Maureen Chiquet, de 56 anos, está no seleto grupo de mulheres que já ocuparam o mais alto posto de uma empresa. A norte-americana sempre sonhou em morar em Paris, mas nunca imaginou que se mudaria para a Cidade Luz com a missão de dar um novo rumo para a marca francesa sinônimo de luxo. Antes disso, passou pela L'Oreal, Gap, Old Navy e chegou a ser presidente da Banana Republic. Maureen aprendeu a ouvir, mais que falar, incentivou a criatividade da equipe e se tornou uma referência em liderança feminina. Hoje, ela olha para trás e se orgulha de ter conduzido, com sabedoria, a Chanel ao novo milênio, em que o desafio é mais se relacionar com os clientes do que propriamente vender. Desde que deixou a maison, há quase quatro anos, a norte-americana tenta construir uma nova história. Recentemente, ela lançou o livro Do nosso jeito: mulheres, liderança e sucesso, com o objetivo de inspirar mulheres (e homens) com a sua história. O projeto da vez envolve a criação de uma série de TV. Planejar o futuro é “quase impossível”, Maureen diz, mas uma coisa é certa: ela quer continuar criando beleza no mundo.
 
O que motivou você a escrever um livro?
Comecei a escrever o livro porque criei uma iniciativa de liderança na Chanel chamada Liderança Ativa e Consciente, que estava transformando nossa cultura. Neste trabalho, incentivamos os líderes a aparecer como pessoas inteiras, não apenas como executivos. Pedimos que eles escutassem mais profundamente, fossem mais vulneráveis, fossem mais curiosos, fizessem mais perguntas e, finalmente, colaborassem mais uns com os outros. Após um ano, os resultados começaram a influenciar radicalmente a cultura da empresa. Tornamo-nos mais inovadores e abertos à mudança. Eu queria compartilhar isso com outros líderes. Quando comecei a escrever, percebi que tinha outras histórias para contar e perspectivas para compartilhar, e é por isso que o livro surge mais cedo na minha vida.

Como você explica a sua paixão pela França?
Meu pai havia aprendido francês e falava muito fluentemente. Sempre admirei meu pai e queria ser igual a ele. No ensino médio, eu tinha um professor de francês muito bom, cujo amor à cultura, comida e arte francesas me inspirou a ir para lá pela primeira vez aos dezesseis anos. Quando fui, me apaixonei pela maneira como os franceses apreciam a vida e se enchem de beleza.

No livro, você conta que, quando passou no processo seletivo da Gap, imaginava assumir uma grande responsabilidade, mas teve que começar como estagiária. Hoje, quais vantagens enxerga de ter subido degrau por degrau?
Trabalhava há três anos na L'Oreal como gerente de produtos antes de ir para a Gap. Quando soube que a minha primeira tarefa na Gap seria limpar um armário com amostras de acessórios, achei injusto, mas isso me ajudou a me familiarizar com o produto, a qualidade, a marca e a história do que vendemos. Começar como estagiária significou que eu tinha que aprender tudo de novo e não podia confiar em ideias preconcebidas que poderia ter desenvolvido na L'Oreal. Além disso, aprender um novo emprego leva tempo. Se eu tivesse entrado imediatamente com mais responsabilidade, poderia ter cometido mais erros mais tarde. E, finalmente, começando de novo, aprendi quais tarefas as pessoas que trabalhariam mais tarde para mim teriam que fazer para que eu pudesse ser uma chefe melhor.
 
(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
 

O que a experiência com um chefe durão ensinou a você?
Isso me ensinou o que “não fazer” como líder. Isso me ajudou a ter empatia com os membros da equipe que podem ser novos e inexperientes. Também aprendi um pouco sobre como defender o que eu acreditava estar certo. No livro, conto uma história sobre um “susto de bomba” que tivemos em nossos escritórios em Hong Kong. Estávamos no meio de uma reunião no domingo à noite e ouvimos dizer que havia um pacote no elevador. Nosso chefe durão queria ficar porque achava que era um alarme falso. Eu senti que não valia a pena ficar e arriscar nossas vidas. Quando me levantei para sair, ele me castigou, mas eu ganhei um enorme respeito dos outros membros da equipe.

Com o nascimento da sua segunda filha, você aprendeu a não deixar o trabalho controlar a sua vida. Como equilibrar carreira, família e saúde?
Não sei se existe uma solução única. Acredito que cada pessoa precisa priorizar e fazer escolhas. E haverá sacrifícios. É importante aceitar isso e saber quais compromissos você está disposta a fazer.

Durante um tempo, você formou uma família pouco convencional, em que a mãe trabalhava fora e o pai cuidava da casa e das crianças. O que falta para isso ser naturalizado?
Quando meu ex-marido e eu decidimos que eu trabalharia e ele ficaria em casa, era uma escolha não tradicional. Muitas das mães da escola não trabalhavam e estavam muito mais envolvidas nas atividades cotidianas de seus filhos. Minhas filhas adoravam ter o pai tão envolvido e parecia dar certo quando eram jovens. No entanto, aprendi muitos anos depois que eles sentiam muito a minha falta quando trabalhava até tarde e viajava com tanta frequência. Há uma história no meu livro sobre um momento em que minha filha mais velha e eu brigamos e descobri o quanto foi difícil para ela todos esses anos. Ainda me entristece saber que perdi tantos momentos especiais em suas vidas, mas escolhi trabalhar e amei o meu trabalho. E, como uma mulher de sucesso que gosta da sua carreira, sei que também dei um bom exemplo para minhas filhas seguirem seus sonhos. O que não é “natural” é a suposição social de que a mulher pode ou deve tentar “ter tudo”; que ela pode ter um emprego em período integral e ser mãe em período integral sem ter consequências. Através da minha experiência, percebi que não existe um “equilíbrio perfeito entre trabalho e vida pessoal” ou “mãe perfeita”. Esforçar para alcançar esses ideais realmente nos machuca porque nos prepara para o fracasso. Precisamos aceitar que a vida não será perfeita. Haverá coisas de que sentiremos falta ou momentos que doerão. A coisa mais importante é ser muito clara sobre o que queremos e comunicar do coração aos nossos entes queridos.

O que motivou você, verdadeiramente, a aceitar a proposta da Chanel?
Na época, a Gap ainda era uma empresa de muito sucesso e a Chanel era uma marca muito menor e menos importante. Para mim, era um risco mudar minha família inteira da Califórnia para Paris e depois para NY. No entanto, eu admirava Coco Chanel como mulher, uma força criativa e um iconoclasta. Eu fui inspirado por sua história de vir de um orfanato para se tornar uma das designers mais famosas do mundo. Eu amei que ela mudou radicalmente a moda. Ela tirou as mulheres de saias longas, decotes altos e espartilhos e as libertou, oferecendo tweeds e camisas (roupas que os homens costumavam usar). Ela era uma feminista autodeterminada que, mudando a moda, mudou a maneira como as mulheres poderiam ser no mundo. Também concordei muito com a filosofia da empresa na época: investir a longo prazo e confiar na criatividade para alimentar a marca.

O que você mais aprendeu com a história de Coco Chanel?
A visão de Coco Chanel era particular. Ela queria se vestir de maneira diferente. Ela tinha seus próprios gostos e estética que compartilhava com o mundo. Acho que toda grande arte se origina de algo muito pessoal. Pesquisas, dados, tabelas e gráficos de consumidores nunca podem realmente determinar como algo tão emocional quanto a moda inspirará e encantará um cliente. Aprendi com a história dela que o que quer que você decida fazer deve estar ligado a algo com o qual realmente se importa como pessoa.

Do que mais você se orgulha de ter feito enquanto esteve à frente da Chanel?
Tenho muito orgulho do trabalho de liderança. Ele ajudou as equipes a ouvir melhor, colaborar mais, ser mais flexível e curioso e lidar com as extensas mudanças nos negócios e no mundo em geral. Ao incentivar os líderes a refletir sobre seus próprios estilos, eles aparecem como seres humanos com suas equipes, abrem os olhos e os ouvidos para tudo ao seu redor e trabalham melhor juntos. Fomos capazes de lançar iniciativas inovadoras e promover o crescimento excepcional da marca.

O que significa luxo para você?
O significado do luxo mudou para mim. Não se trata tanto de adquirir coisas. É sobre os momentos privilegiados que posso passar comigo e com meus entes queridos, é sobre fazer algo que eu realmente amo, como criar histórias, é sobre estar na natureza, é sobre absorver arte de diferentes formas.

O que a roupa diz sobre uma pessoa?
Para mim, as roupas funcionam como uma expressão externa da pessoa que você pensa que quer ser. Você escolhe o que veste todos os dias para que as roupas reflitam como você se sente e quem você considera que é.

Assim como você, muitas pessoas têm a ideia de que a Chanel está fora de alcance. Como as marcas de luxo podem se aproximar dos consumidores?
Acho que as grandes marcas têm um propósito mais profundo e, por esse motivo, criam uma conexão íntima com seus clientes. Não se trata de prestar serviços aos clientes, mas de se relacionar com os clientes. Existe uma marca de tênis, a Converse, cujo objetivo é apoiar música e arte periféricas. Em vez de apenas tentar mostrar artistas na publicidade, eles criaram estúdios de gravação em todo o mundo onde artistas que não podiam pagar pelo tempo de estúdio podiam gravar suas músicas. Este é um exemplo de relacionamento com seu consumidor sem apenas tentar vender algo a eles. E quando eles fizeram isso, seus negócios dispararam.

Você teve que descobrir sozinha como ser uma líder. Como define hoje a sua maneira de liderar?
Felizmente, está “além do rótulo”! Em outras palavras, não gosto de ser definida por uma certa “maneira de ser”. Adoro colaborar na criação de novos produtos e ideias para o futuro.

Na sua vida, em quais momentos você quebrou regras e subverteu padrões?
Mais recentemente, decidi, em vez de voltar ao cargo de CEO em negócio de varejo/luxo, criar uma série de TV. Tive uma maravilhosa carreira de 35 anos no varejo e no luxo, mas, para mim, isso foi meio que um padrão. Aprendi tanto e tenho tantas histórias que subverti meu próprio padrão ao decidir usar o que sei e aprender para criar algo totalmente novo.

Ser CEO da Chanel era o que você imaginava quando chegasse ao topo da carreira?
Não. Não mesmo. Nunca imaginei nem administrar uma empresa. Fiquei muito perto do que me importava – criar produtos e histórias bonitas e morar na França! Meu caminho me levou a esse trabalho e, enquanto eu o amava, não o considerava “o topo” da minha carreira, mas uma passagem ou capítulo da minha vida.

O que você conhece sobre a moda no Brasil?
Não muito, para ser honesta. Sei que os brasileiros têm seu próprio senso de estilo, que contempla pessoas de todas as formas e tamanhos.

Na sua opinião, o que os brasileiros podem ensinar para o resto do mundo?
Pelo pouco que sei, os brasileiros celebram todos os tipos de corpos, sexos e raças. E fazem isso de uma maneira divertida, não tão séria. Acho que esta é uma ótima mensagem para o resto do mundo.

O que é beleza para você?
Acho que a beleza emana da alma, das histórias que podemos ver em objetos, lugares ou pessoas. Acho que a beleza está na imperfeição, acho que a beleza está frequentemente nas coisas que achamos feias ou que ignoramos. Beleza não é uma ideia fixa de perfeição.

Você usa cabelos curtos, quase nada de maquiagem e prefere jeans a vestido de festa. Como define o seu estilo?
Espero que meu estilo esteja “além do rótulo”. Ele realmente muda dependendo de onde estou ou do que estou fazendo. Em geral, gosto de misturar coisas e criar paradoxos ou contrastes: masculino/feminino, elegante/casual, ousado/sutil.

Como você espera que a sua história inspire outras mulheres?
Espero que, ao ler minha história, outras mulheres (e homens) possam refletir sobre seus próprios caminhos em direção ao “sucesso em seus próprios termos”. Sempre faço três perguntas que formam o cerne de como naveguei na minha vida: 1. Com o que realmente me importo? Quando supero títulos, ideias de sucesso na carreira e dinheiro, quando afasto o que as outras pessoas pensam, o que devo “fazer” ou o que a sociedade diz, o que não posso viver sem? O que faz meu coração bater mais rápido? 2. Em que sou verdadeiramente bom? Que habilidades naturais tenho? 3. Em que circunstâncias estou? Em outras palavras, tenho recursos suficientes para não fazer compromissos? Se não cumprir, quais compromissos estou disposto a fazer? Ao me fazer essas perguntas, o caminho me encontrou!

Envelhecer é um problema para você?
Na verdade, me sinto mais eu do que nunca. No entanto, é sempre difícil lidar com as partes físicas do envelhecimento.

Como você imagina a sua vida daqui a alguns anos?
Aprendi que é quase impossível projetar o futuro e a melhor maneira de viver é estar por completo em cada dia que chega.

Pensa em morar definitivamente na França?
Vivi na França grande parte da minha vida. Adoro o país e, embora não ache que vou me mudar para lá permanentemente, posso me imaginar passando grandes períodos em Paris no futuro. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade