Publicidade

Estado de Minas REPERCUSSÃO INTERNACIONAL

Mídia mundial não poupa adjetivos ao maior arquiteto brasileiro


postado em 06/12/2012 09:48 / atualizado em 06/12/2012 10:05

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Além das informações mais básicas sobre a vida, a obra e a morte de Oscar Niemeyer, a imprensa internacional colocou em destaque a importância de seus traços para a arquitetura mundial. O menor dos adjetivos utilizados para fazer referência ao maior arquiteto brasileiro foi “célebre”.

Conheça as obras de Niemeyer na infografia especial
Saiba mais sobre a vida e a obra do maior arquiteto brasileiro

O arquiteto participou, entre outros projetos, na concepção da sede das Nações Unidas em Nova York (1952) e projetou o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (1996), célebre por sua forma de disco voador. Em todos eles, com suas curvas que parecem desafiar a gravidade e suas estruturas de concreto, é característico o traço de Niemeyer, dotando o conjunto de uma enorme diversidade em meio aos amplos espaços vazios, disse a AFP.

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


A França, que o recebeu nos anos de exílio, quando escapou da ditadura militar, conta com quase 20 obras dele, incluindo a sede do Partido Comunista em Paris (1965) e a Casa de Cultura em Le Havre (1972). Os projetos no exterior incluem também a Galeria Serpentine, no Hyde Park, em Londres, e a Mesquita do Estado de Penang, na Malásia.

O arquiteto, que no dia 15 de dezembro faria 105 anos, estava internado desde 2 de novembro e enfrentava uma grave infecção pulmonar. A Agência AFP destacou que, até ser internado, Niemeyer seguiu trabalhando em seu ateliê diante da praia de Copacabana e deixou mais de 20 obras em andamento, em diversos países. Os correspondentes internacionais lembraram ainda que seu primeiro grande projeto foi o "Complexo da Pampulha", em Belo Horizonte, concluído em 1943.

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


Segundo a Agência, com mais de 600 obras no currículo e 20 projetos em desenvolvimento no Brasil e no exterior, como a mesquita de Argel, este pequeno homem de aparência frágil e olhar vivo dizia que queria continuar "surpreendendo".
"O que mais gostaria de fazer agora seria sem dúvida o estádio de futebol que desenhou recentemente e que tem uma forma bastante surpreendente", afirmou em uma entrevista à AFP em 2010, que respondeu por escrito, às vésperas do 50º aniversário de Brasília.

Reconhecido como um dos grandes renovadores da arquitetura do século XX, Niemeyer também foi um fervoroso militante comunista, uma ideologia que nunca abandonou. "As profundas disparidades sociais que a nova capital apresenta me entristecem", disse à AFP.

Reconhecimento
O jornal francês "Le Monde" lembrou a frase: "Não é o ângulo que me atrai. Nem a linha reta, dura, inflexível. O que me atrai é a curva sensual que se encontra no corpo da mulher perfeita", afirmou o "arquiteto da sensualidade", criador da capital brasileira, inaugurada no coração do país em 1960.

Pelo inovador uso do cimento em seus edifícios de Brasília, esse "arquiteto da sensualidade" ganhou, em 1988, o prêmio Pritzker, o equivalente ao Nobel de Arquitetura.

O periódico britânico "Guardian" afirma que sua exploração das formas livres foi maior até que a de seu mestre, o suíço Le Corbusier. Já o "New York Times" diz que as formas de suas obras são "curváceas, líricas, hedonistas".

A rede Al Jazeera, maior emissora do Catar, que transmite em árabe e em inglês, destacou seus traços futuristas e lembrou que suas obras podem ser encontradas na Argélia, Itália, Israel, Estados Unidos e Cuba, cujo antigo líder Fidel Castro foi um dos seus amigos pessoais. "Arquitetura é feito pelos governos para os ricos", disse Niemeyer na frase realçada pela rede árabe.

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


Frases curiosas
Às vésperas de seu último aniversário, ele repetia que "ter mais de 100 anos é uma merda" e que "não há nada a comemorar", exceto que o Brasil se transformou em um país "mais igualitário após a chegada ao poder de um ex-operário", o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010).

"Tenho o mesmo interesse pela vida de quando era jovem. Minha receita: não aceitar a velhice, pensar que temos 40 anos e atuar de acordo", afirmou pouco antes de completar 100 anos ao lado de Vera Lucia Cabrera, atualmente com 64 anos, sua secretária, com a qual se casou aos 98 anos.

Niemeyer defendeu o comunismo até o fim de seus dias. "Só restam dois comunistas no mundo, Oscar e eu", disse em 1995 o então presidente cubano, Fidel Castro, durante uma visita a Niemeyer em seu atelier.

Ao chegar a Brasília em 1961 e divisar os edifícios desenhados por Niemeyer, o cosmonauta russo Yuri Gagarin exclamou: "Tenho a sensação de estar desembarcando num planeta diferente, não na Terra".

Com a morte de Niemeyer, o trio fundamental responsável por Brasília deixou de existir: Burle Marx morreu em 1994 e Lúcio Costa em 1998. Agora, Brasília ficou órfã.

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)


Família
As agências lembraram ainda sua história pessoal. Em 1928, Niemeyer se casou com Annita Bildo, com quem teve uma única filha, Anna Maria. A união durou 76 anos, até a morte de Annita, no fim de 2004. Sua filha Anna Maria morreu em junho passaado, aos 82 anos, de um enfisema pulmonar.

Aos 98 anos, Niemeyer casou-se novamente com sua secretária, Vera Lucia Cabrera, atualmente de 66 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade