Publicidade

Estado de Minas

'Time de assassino': mesmo sem Bruno em campo, Boa é alvo de protestos de torcida

O jogo foi marcado por críticas vindas da arquibancada


postado em 28/03/2017 17:25 / atualizado em 28/03/2017 22:07

A contratação do goleiro Bruno ainda traz problemas para o Boa Esporte. Depois de o clube perder todos os patrocinadores, foi a vez de os jogadores sofrerem retaliação. Durante o empate por 1 a 1 fora de casa contra o Patrocinense, torcedores direcionaram o grito de “time de assassino” à equipe de Varginha.

Bruno, entretanto, não estava presente na partida. O goleiro está em boas condições físicas, treina com o elenco do Boa Esporte e terá estreia antecipada. Apesar disso, ainda não há data para o retorno aos gramados.

O empate contra o Patrocinense garantiu o Boa no hexagonal final do Estadual. A uma rodada do fim da primeira fase, a equipe de Varginha ocupa a terceira posição do grupo B, com 14 pontos - cinco a menos que o vice-líder Uberaba e sete a mais que o quarto colocado Mamoré.

Caso Bruno

Em 2010, o goleiro foi preso e condenado por sequestro e cárcere privado do filho Bruninho, além do assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samúdio. Após cumprir parte dos mais de 22 anos de pena, Bruno foi solto no final de fevereiro. Ele poderá ficar em liberdade até, pelo menos, o julgamento em segunda instância do recurso contra a condenação.

 

RB

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade