Publicidade

Estado de Minas

Conheça o álbum Rubber soul (1965)


postado em 07/11/2012 08:12 / atualizado em 07/11/2012 08:31

(foto: Don Mccullin. livro/ um dia na vida dos Beatles)
(foto: Don Mccullin. livro/ um dia na vida dos Beatles)
Ousadia é a melhor palavra para resumir o álbum Rubber soul lançado em dezembro de 1965. Deste álbum em diante, a banda intensifica suas experimentações sonoras, forçando o grupo a não mais se apresentar ao vivo, algo que aconteceu em agosto de 1966, exatamente por não conseguir reproduzir com fidelidade as músicas, cada vez mais complexas e cheias de detalhes. De acordo com Ringo Starr (no documentário Anthology), em Rubber soul “a banda estava finalmente começando a se encontrar no estúdio”. O grupo também alegava cansaço com a agenda de shows e viagens. Neste mesmo período, o quarteto decide parar de se apresentar em programas de TV, pelas mesmas razões. Em vez disso, a banda começou a gravar vídeos promocionais de suas canções e enviava para as TVs. Pode- se dizer que os primórdios do que viriam a ser os videoclipes se iniciaram quando os Beatles lançaram os vídeos de Paperback writer e Rain. Influenciados pela soul music e artistas como The Byrds e Bob Dylan, os Beatles expandiram seus horizontes musicais. Dentre as 14 faixas deste álbum, várias se tornaram sucessos inquestionáveis. Outras, além disso, marcaram época como algumas das mais belas composições da música popular. A terceira faixa, You won't see me, de Paul McCartney (creditada Lennon/McCartney, obviamente) é uma delas que dispensa maiores comentários. Piano, backing vocal (psicodélico), melodia se encaixando com uma felicidade única. Se a banda já estava com lugar marcado na história, com este álbum ela alcançou outro patamar, explorando novos temas, com letras mais profundas e instigantes, inclusive fugindo do tema comum dos relacionamentos, como em Nowhere man, diversificando e experimentando novos efeitos ( Think for yourself, de George Harrison, é um dos exemplos) e instrumentos (cítara em Norwegian wood). A trinca de baladas do álbum beira a perfeição. Michelle, Girl e In my life. Esta última, com o produtor George Martin, tocando piano. Ringo Starr ajuda a compor e é a voz em What goes on. Já a ácida I'm looking through you e Drive my car, são outros grandes destaques. O álbum se encerra com Wait (que inicialmente foi gravada para entrar em Help!), If I needed someone (segunda música de Harrison no álbum, com clara influência da banda The Byrds) e Run for your life, talvez a menos inspirada do álbum. No mesmo dia, saiu um single com as músicas Ticket to ride e Day tripper, chegando mais uma vez ao número 1 das paradas.

 

Assista ao vídeo dos Beatles tocando a música Nowhere man:

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade