Publicidade

Estado de Minas Capital

Empresa italiana Azimut Holding registra um rendimento recorde em 2021

O objetivo é fechar o ano com mais de 6 milhões de entradas líquidas; a CEO Gabriele Blei conta mais detalhes sobre esse recorde


29/09/2021 16:38

None
(foto: Unsplash)

A Azimut  Holding, uma empresa italiana entre os maiores operadores de capital privado do mundo, com uma gestão de capital superior a 77 mil milhões de euros, está registando um rendimento recorde em 2021, tanto em termos de entradas líquidas como em termos de ações na bolsa de valores. Confira entrevista com a CEO Gabriele Blei.

Entrevista: CEO da Azimut Holding fala sobre conquistas


1. Em agosto, a Azimut registou entradas líquidas de 648 milhões de euros, atingindo um valor recorde de 14,3 mil milhões de euros desde o início do ano. Como foram possíveis estes resultados? Qual é o objetivo para o final do ano?


Em 2021, conseguimos fluxos significativos até agora, graças ao contributo das nossas redes de distribuição que beneficiaram do lançamento de novos fundos, tanto na gama de fundos abertos, como em produtos líquidos para apoiar a economia real, que contribuíram desde o início do ano em 35% do líquido de novos fundos. Além disso, o trabalho da nossa Global Asset Management Team , gerou um desempenho ao cliente, líquido de custos, que variava entre %2b 5,5% e 6%. 

Na Itália, os nossos consultores financeiros angariaram 2.300 milhões de euros, mas acima de tudo este valor tem um papel ainda maior devido à qualidade do financiamento e ao trabalho em curso, para reposicionar a alocação de ativos do cliente em produtos que investem em mercados privados, o que, no atual cenário macroeconómico, ajudará a gerar o retorno adicional para proporcionar rentabilidades positivos a médio e longo prazo. 

A nível internacional, temos gerado entradas líquidas positivas de 4,6 mil milhões de euros, aos quais devem ser adicionados 7,4 mil milhões de euros de entradas líquidas ligadas às transações de fusões e aquisições nos EE.UU. e Austrália .

Num cenário de mercados normal, pretendemos continuar a tendência positiva também nos últimos quatro meses de 2021, apesar da forte sazonalidade de setembro. O objetivo é fechar o ano com mais de 6.000 milhões de euros de entradas orgânicas líquidas e, depois de agosto, estamos confiantes em conseguir superar este nível.

2. Neste panorama tão positivo, qual é o impacto da economia real?


A economia real está entrando nas carteiras dos nossos clientes porque não há alternativas.  Ao longo das décadas, os investimentos dos nossos clientes tiveram de evoluir com o contexto do mercado e agora as carteiras de obrigações e de equilíbrio já não são suficientes para gerar retornos positivos. Hoje, para obter retornos semelhantes, precisamos de diversificar ainda mais e introduzir novas classes de ativos como impulsionadores do desempenho futuro. 

A economia real entre os diferentes tipos de ações, crédito, imobiliário, deveriam ter um peso entre 15% e 30% para gerar um impacto positivo nas carteiras num contexto de taxas zero-negativas, que os bancos centrais se preparam para aumentar gradualmente. 

Atualmente, a Azimut tem uma exposição em fundos alternativos equivalente a 3.500 milhões de euros dos 78.000 milhões de ativos totais. Somos um dos poucos que fazemos isto para os clientes minoristas através de uma rede de consultores financeiros, mas isso permite-nos construir um histórico sólido e oferecer retornos aos nossos clientes.

3. As ações da Azimut atingiram, e pela primeira vez superaram, os valores pré-pandêmicos: algum comentário sobre isso e como foi possível?


A Azimut fechou os primeiros seis meses de 2021 com um crescimento líquido de 58%, até aos 226 milhões de euros, mas o que é ainda mais relevante são os lucros líquidos recorrentes que crescem quase 100% em todo o ano. 

Neste contexto, elevamos a nossa meta de resultados líquidos para 2021 de 350 milhões de euros para um intervalo de 350 a 500 milhões de euros, assumindo as condições normais de mercado. Isto vai levar-nos a gerar um resultado líquido acumulado de mais de 1.000 milhões de euros entre 2019 e 2021, com uma margem líquida no topo do sistema. No entanto, a nossa capitalização de mercado apenas desvalorizou minimamente este crescimento, embora tenhamos todo o gosto em regressar aos níveis pré-pandemias .  

Apesar disso, a nossa valorização mantém-se com um desconto entre 40% e 60% em comparação com os nossos concorrentes, apesar de um modelo de negócio que gera dinheiro, paga dividendos, é diversificado e cresce.

4. Apesar da tendência positiva dos últimos meses, persiste algum nervosismo nos mercados, como se estivéssemos na véspera de um possível acontecimento negativo. Qual é a sua ideia?


Os mercados de capitais próprios recuperaram para níveis pré-pandemias; o setor obrigacionista começou a gerar retornos negativos e é importante rever a atribuição de ativos a médio e longo prazo. Vivemos hoje num ambiente de ampla liquidez ,que os bancos centrais começarão a retirar gradualmente, enquanto a questão da inflação é um dos principais fatores de risco e existem dúvidas sobre a sua temporalidade ou não com o efeito que isso terá no aumento das curvas de rendimento. Por outro lado, o crescimento após a pandemia é robusto e estamos no início do plano europeu de próxima geração da UE que irá implementar um grande plano de investimento. 

Tudo isto pode ter um impacto positivo no crescimento e nos resultados das empresas, mas não podemos excluir um aumento da volatilidade dada a evolução do ambiente macroeconómico, as avaliações das classes de ativos cotadas que tendem a estar no topo das médias históricas e o efeito do aumento dos preços das matérias-primas, bem como a falta de alguns componentes fundamentais para muitos sectores industriais.

Os nossos clientes podem contar com uma sólida experiência com mais de 150 profissionais em 17 países, tanto em ativos líquidos como ilíquidos e numa diversificação de produto, geográfica e de risco, que nos permitirá aproveitar qualquer retrocesso de mercado para investir com um horizonte de investimento a médio prazo e gerar retornos positivos. A nossa tarefa será gerir o comportamento emocional e diversificar ao máximo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade