Publicidade

Estado de Minas GESTÃO

Especialista dá dicas de como planejar sua carreira

A maioria das pessoas almeja o sucesso profissional. Professor da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) indica o caminho


09/04/2021 12:15 - atualizado 09/04/2021 12:16

Marcos Minoru Nakatsugawa, professor da Fecap, explica sobre as carreiras em Y, W OU T. Qual você segue?(foto: Fecap/Divulgação)
Marcos Minoru Nakatsugawa, professor da Fecap, explica sobre as carreiras em Y, W OU T. Qual você segue? (foto: Fecap/Divulgação)


A maioria das pessoas almeja o sucesso profissional, seja pelo status social que ele traz, seja pelo conforto financeiro de um bom cargo. Mas por onde começar o planejamento de sua carreira?

Para ajudar nessa questão, o professor dos cursos de graduação e pós-graduação da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Marcos Minoru Nakatsugawa, dá algumas dicas.

Por onde começar?

"O planejamento de carreira deve começar pela identificação dos objetivos do profissional. Antes de qualquer coisa, defina o que quer fazer, aonde quer chegar em termos profissionais", diz Minoru. Um exemplo prático: algumas pessoas querem ser executivos, presidentes, gerentes das organizações. Outras querem equalizar suas vidas profissional e pessoal, ou têm interesse em servir a alguma causa especial.

"Há pessoas que gostam de se especializar em uma área. Não pretendem ser gestores, pelo fato de não gostarem de cuidar e lidar com gente. Por outro lado, existem pessoas que querem ascender profissionalmente, galgando posições, tendo mais poder. Também há pessoas que procuram estabilidade, o que não significa que serão encostadas".

Esses aspectos diferenciam, por exemplo, o empreendedor do empregado. O perfil do empreendedor assume riscos, enquanto o empregado, principalmente o de "carteira assinada", prefere a segurança.

Carreira em Y, W OU T?


  1. CARREIRA EM Y: é um conceito antigo, que diz que um profissional, quando ascende profissionalmente, tem duas possibilidades. A "abertura" do Y vai para dois lados, para a direita ou para a esquerda. Um lado representa a busca de posições gerenciais. O outro caracteriza o profissional especialista, que se aprofunda em determinado tema, sem assumir gestão de pessoas, e ali "estaciona", por assim dizer.
  2. CARREIRA EM W: surgiu quando grandes projetos começaram a ser implementados em empresas. O profissional mantém a sua função original e a responsabilidade por suas tarefas em sua área de atuação original, mas, em paralelo, participa de projetos. Apesar do desgaste que isso pode causar, a experiência com pessoas de outros setores traz um grande ganho. Ele transita pelos "lados" do W, sem optar pelas extremidades do Y. A rotação nas funções faz o profissional entender outros aspectos, o que pode fazer a pessoa se interessar por outra área e realizar mudanças laterais ou horizontais, não somente verticais (como no Y), na sua vida profissional.

  3. CARREIRA EM T: conceito mais moderno, surgido no século 21. A barra vertical do T representa a sua especialização. Já a barra horizontal corresponde às possibilidades de movimentações laterais ou horizontais na carreira, para adquirir experiência em outras áreas, correlatas ou não à sua especialização.


Expectativas do empregado x expectativas da empresa 

O professor diz que essa deve ser uma preocupação dos dois lados.

"A empresa investe em processos para que os profissionais contratados se alinhem com a cultura, a missão, a visão e os valores dela. O profissional precisa identificar se esses valores são os mesmos que ele tem, se sua missão e sua visão de futuro apontam no mesmo sentido do da empresa."

Para uma pessoa que planeja uma carreira consistente, baseada em valores, trabalhar num ambiente em que aquilo no que ela acredita vai contra o que a empresa valoriza é prejudicial. Neste cenário, é preciso realizar uma movimentação de carreira.

Além disso, é preciso se preparar especificamente. Uma pessoa que quer fazer carreira em multinacional precisa investir no estudo profundo do inglês, no mínimo. Se a multinacional for de outra cultura, por exemplo, francesa, dominar o francês será um grande diferencial.

Por outro lado, se a empresa em que o profissional atua não consegue movimentá-lo na direção deste sonho, é hora de buscar satisfazer suas necessidades em outra empresa que possa possibilitar isso.


Conversa franca entre empresa e empregado


O especialista diz que algumas empresas começaram a contratar profissionais especialistas em carreira, para além das funções tradicionais de gestão de pessoas.

"Este profissional é responsável por discutir internamente a carreira e a trajetória profissional de seus colaboradores. Algo que todos os gestores deviam fazer com seus profissionais, alinhar expectativas. Às vezes, as pessoas não querem ser promovidas, mas objetivam um aumento salarial por mérito ou um bônus pontual para comprar um carro, por exemplo."


Erro na contratação ou promoção


Algumas empresas também fazem escolhas equivocadas e promovem quem não está preparado para ser gestor ou líder. Às vezes, uma promoção pode ser ruim, tanto para a empresa quanto para o funcionário, dependendo das expectativas.

É por vezes melhor deixar um colaborador ir embora. Um colaborador "ruim", que vem pedir demissão por insatisfação com algo, pode continuar alocado em outro posto, realizando outra função, e até desempenhar melhor essas novas atividades.

Já um profissional "bom", que recebeu uma proposta da concorrência, pode receber aumento para continuar, mas sua permanência pode ser ruim para o profissional e para a empresa.

Sobre a FECAP: https://www.fecap.br/ 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade