Publicidade

Estado de Minas CARREIRA

Onde os profissionais querem trabalhar?

Com mais de 96 mil entrevistados, estudo mapeia quais são as empresas dos sonhos entre jovens, profissionais de média gerência e alta liderança. Na lista, pesos-pesados como Google, Petrobras, Nestlé, Fiat e MRV Engenharia


postado em 05/09/2019 11:00 / atualizado em 05/09/2019 11:00

Para Danilca Galdini, boa parte dos líderes focam nas dificuldades, não se colocam como agente da transformação(foto: Cia de Talentos/Divulgação )
Para Danilca Galdini, boa parte dos líderes focam nas dificuldades, não se colocam como agente da transformação (foto: Cia de Talentos/Divulgação )

 
Realizada desde 2002, a pesquisa divulgada pela Cia de Talentos, consultoria de educação para a carreira, traz um mapeamento completo das impressões e expectativas de estudantes e jovens em início de carreira e de profissionais da média gestão e da alta liderança. O levantamento de 2019, com 96.827 respondentes no Brasil, que contou com a participação de outras 56.350 pessoas da América Latina, incluindo Argentina, Chile, Colômbia, El Salvador, México, Panamá, Paraguai e Peru, se destaca pela percepção de que os profissionais brasileiros estão sentindo falta de coerência entre o que as empresas dizem e o que fazem. Mesmo entre a alta liderança esse fator é recorrente. Apenas 18% dos líderes consideram que suas empresas mantêm coerência entre discurso e prática.

“A alta liderança também questiona a coerência das empresas. O que é curioso, porque é como se este não fosse justamente a missão dos líderes”, afirma Danilca Galdini, head de Insights da Cia de Talentos. “Boa parte dos líderes focam nas dificuldades, não se colocam como agente da transformação. Ainda estão no modelo de liderança com base no papel de 'super-homem' – mantendo um relacionamento distante das pessoas, para que não vejam suas vulnerabilidades”, comenta Danilca. “Mas começa a surgir outro perfil de CEO, mais transparente, que abre o canal de conversas. E começa a nascer uma liderança exercida por um grupo de pessoas, e todos com suas vulnerabilidades e fortalezas – mais para ‘vingadores' do que para 'super-homem'”, complementa. 

Além da coerência, os profissionais de todos os níveis consideram muito importante que uma empresa seja transparente. Mas, de acordo com os dados da Carreira dos Sonhos 2019, ainda há um longo caminho a percorrer nesse campo. “Apenas 37% dos jovens, 31% da média gestão e 40% da alta liderança concordam que a empresa em que trabalham é transparente.”

A pesquisa também indica fraqueza nas relações profissionais. Quando os profissionais foram questionados se seus líderes compartilham dos mesmos valores que eles, apenas 25% dos jovens, 23% da média gestão e 31% da alta liderança disseram que sim.

O estudo indica ainda que falta tempo para que os profissionais se dediquem a novos projetos e mostrem todas as suas habilidades, uma vez que conseguem executar apenas as funções que estão dentro de seu escopo. “Quando não temos tempo para ir além das nossas responsabilidades, deixamos de experimentar novas situações, de aprender e, consequentemente de gerar melhorias e inovações para a empresa. Aqueles que ocupam cargos de média gestão são os que mais sentem esses problemas, o que torna a dificuldade ainda maior porque eles são os responsáveis por passar adiante a cultura organizacional para suas equipes e estimular o aprendizado contínuo”, explica Danilca. 


Existe otimismo


Mas ainda existe otimismo. A maioria dos entrevistados tem uma empresa dos sonhos. Google e Nestlé são as mais almejadas pelo mercado de trabalho em todos os grupos estudados. Para conferir a pesquisa completa, basta acessar www.carreiradossonhos.com.br.

Queremos empregos que se ajustem ao nosso estilo de vida, que ofereçam oportunidades de crescimento e nos conectem verdadeiramente a um significado e propósito maior. As empresas dos sonhos são, portanto, aquelas que conseguem nos proporcionar algo mais próximo disso

Danilca Galdini, head de Insights da Cia de Talentos

O Google é uma empresa onipresente no imaginário de milhões de profissionais. Por que será? Para Danilca Galdini, “passamos a maior parte de nossas vidas no trabalho, então não queremos sobreviver, queremos prosperar em ambientes saudáveis. Queremos ser tratados com respeito e contribuir com nossas habilidades. Queremos empregos que se ajustem ao seu estilo de vida, que ofereçam oportunidades de crescimento e nos conectem verdadeiramente a um significado e propósito maior. As empresas dos sonhos são, portanto, aquelas que conseguem nos proporcionar algo mais próximo disso. Talvez não todos os itens que fazem parte desse desejo, mas aqueles que são os mais importantes para a pessoa (porque existem diferenças nas priorizações do que é relevante para cada pessoa)”. 

A head de Insights da Cia de Talentos lembra que os jovens mineiros sonham em trabalhar no Google e destacam como principais motivos: “O aprendizado e o desenvolvimento constante que a empresa proporciona (20%); a possibilidade de inovar e implementar mudanças significativas para as pessoas ou sociedade (16%); a possibilidade de fazer o que gosta, de sentir-se realizado profissionalmente (14%) e as políticas flexíveis da empresa, que ajudam a integrar a vida pessoal e profissional (14%). E para 55% dos jovens mineiros, o grande destaque do Google – algo que o torna único – é sua capacidade de inovar, de transformar o mercado atual. Todos esses itens estão de alguma maneira relacionados com as expectativas que temos sobre o trabalho e o ambiente profissional”.

Aprendizado constante e os sonhos dos mineiros 


E como alcançar a vaga dos sonhos? Para Danilca Galdini, o aprendizado e o desenvolvimento constante têm relação com empregabilidade, com tornar-se (e manter-se) interessante para o mercado. “Ele é visto como início de um ciclo: desenvolvimento proporciona experiência, que proporciona crescimento profissional, que melhora a empregabilidade e, portanto, abre caminho para melhores oportunidades de trabalho, que geram ainda mais desenvolvimento e assim por diante. As pessoas, independentemente da idade, já entenderam que para dar conta de atender às demandas do futuro terão que aprender para sempre, então buscam empresas que proporcionem/estimulem esse aprendizado.”

Na Era Digital e com a velocidade das transformações tecnológicas, Danilca Galdini enfatiza que a inovação tem dois significados para as pessoas: “Primeiro, uma empresa inovadora está sempre mudando e se adaptando, na prática isso significa que as pessoas que trabalham nela estão sempre sendo expostas a situações novas e aprendendo. Empresas inovadoras mantém seus funcionários atualizados e preparados para o futuro, ou seja, colaboram com a empregabilidade dos profissionais. Em segundo lugar, trabalhar em uma empresa inovadora significa fazer parte de algo importante, ter a chance de deixar sua marca no mundo, contribuir para algo maior”. 

Danilca Galdini destaca que as políticas flexíveis conversam com o desejo das pessoas por uma vida integrada, com a expectativa de um lifestyle que acomode todas as necessidades dos diferentes papéis que exercemos na vida.

Além do Google, os jovens mineiros também escolheram a Fiat como uma empresa dos sonhos para trabalhar. Danilca Galdini destaca os itens que esses profissionais apontaram como os principais motivos para esse desejo: “O aprendizado e o desenvolvimento constante que a empresa proporciona (30%); a possibilidade de fazer o que gostam, de sentirem-se realizados profissionalmente (21%); e a boa imagem que a empresa tem (13%). E pontuam que o grande destaque da empresa, algo que a torna única e especial, é sua capacidade de inovar (47%).” 

Ela lembra que a Fiat uma empresa tradicional em Minas Gerais, reconhecida como uma empregadora importante para a região. “A percepção que os jovens mineiros têm da Fiat, de ser uma empresa que possibilita o aprendizado e o desenvolvimento, é construída a partir das práticas organizacionais da empresa como o Programa de Estágio, Programa de Trainee, Programa de Desenvolvimento de Liderança, entre outros.”

Também está na lista dos sonhos dos mineiros a MRV Engenharia. Na percepção deles, a empresa é uma busca na carreira porque oferece “a possibilidade de fazer o que gostam, de sentirem-se realizados profissionalmente (30%); a boa imagem que a empresa tem (25%); e o aprendizado e o desenvolvimento constante que a empresa proporciona (25%). E pontuam que o grande destaque da MRV, algo que a torna única e especial, é sua cultura organizacional (27%) e sua capacidade de inovar (25%)”.

Para Danilca Galdini, nos últimos anos a MRV ganhou destaque, sendo reconhecida como uma das melhores empresas para trabalhar no segmento de construção e, ao mesmo tempo, passou a fazer um trabalho de aproximação com o público jovem, possibilitando que eles possam conhecer o dia a dia da empresa mesmo sem trabalhar nela (Programa Portas Abertas). “Ações como esta são muito bem avaliadas pelos jovens, que estão em um momento profissional de descobertas.”


O emprego dos sonhos


As 10 companhias mais citadas são:


– Jovens: Google, Nestlé, Itaú, Petrobras, Ambev, ONU, Bayer, Natura, Nubank e Grupo Globo

– Média gestão: Google, Nestlé, Natura, Petrobras, Itaú, Ambev, Vale, Unilever, Johnson & Johnson e Nubank

– Alta liderança: Google, Nestlé, Natura, Amazon, Itaú, Apple, Disney, Johnson & Johnson, Ambev e Petrobras


Empresa dos sonhos por região: 


Região Sudeste – Minas Gerais

1 – Google
2 – Petrobras
3 – Nestlé
4 – Fiat
5 – Vale
6 – Itaú
7 – Ambev
8 – MRV Engenharia
9 – Polícia Federal
10 – ONU 


Publicidade