Publicidade

Estado de Minas EMPREGO

Na medida certa: empresas incentivam prática de atividade física dos funcionários

Com mudanças de hábito e atitude, organizações valorizam os colaboradores que fazem algum exercício físico, já que é uma forma de promover não só a melhora na qualidade de vida, mas do desempenho e produtividade


postado em 22/06/2018 15:32 / atualizado em 22/06/2018 16:33

Na Decathlon Brasil a missão da empresa é tornar o esporte acessível ao maior número de pessoas(foto: Luiz Rotondi/Divulgação)
Na Decathlon Brasil a missão da empresa é tornar o esporte acessível ao maior número de pessoas (foto: Luiz Rotondi/Divulgação)
 

Para a saúde, os benefícios da prática de uma atividade física são óbvios. Mas ela também tem impacto direto no ambiente profissional. E não só na melhora da qualidade de vida e estilo saudável, mas no resultado, na produtividade, na economia e no lucro. Muitos empregadores já perceberam essa relação e se mexem para oferecer, seja dentro da organização ou em espaços em parcerias, opções para que seus funcionários se interessem e sejam captados por algum exercício.

 

Alfonso Gutierrez, diretor de Recursos Humanos da Decathlon Brasil, afirma que a missão da empresa é tornar o esporte acessível ao maior número de pessoas. “Essa motivação começa em nós, colaboradores, que já éramos esportistas apaixonados antes de entrar na empresa, pois esse é um dos critérios de recrutamento. Ao reunir pessoas que compartilham do prazer em praticar esportes e de uma mesma vontade de torná-lo acessível, é nítido que há mais afinidade e conexão entre elas. Além disso, o exercício durante o horário de trabalho, como por exemplo antes, durante ou depois de reuniões coletivas ou individuais de decisão, quebra o gelo, aproxima as pessoas e ajuda a construir um relacionamento de confiança entre as partes, que teriam uma conexão somente profissional. Um ambiente de trabalho fluido tem papel fundamental no bem-estar do colaborador.”

 

Na Decathlon, o esporte está no DNA, todos os colaboradores são esportistas praticantes, resultado do processo de recrutamento. A empresa só vê ganhos: “Em 2014 transformamos o processo de recrutamento para aumentar a assertividade dessa seleção. O primeiro deles é a diminuição da rotatividade, uma vez que o profissional tem contato direto e diário com uma de suas paixões, o esporte – desde 2014 temos enxergado redução de 30% no turnover de colaboradores, abaixo da média geral do varejo. A empresa ganha profissionais mais engajados e o colaborador tem mais prazer em suas atividades diárias. Além disso, os valores da cultura Decathlon são os mesmos do esporte, vitalidade e responsabilidade, que nossos colaboradores se identificam, pois, assim como no esporte, na Decathlon valorizamos esses atributos para cada um exercer seu papel da melhor forma possível, como contribuição individual a um trabalho em equipe. O segundo ganho é o atendimento que esse profissional apaixonado pelo conteúdo do seu trabalho oferece ao usuário no momento da compra. A empresa consegue a fidelização de um cliente por meio da experiência com a marca e o colaborador tem mais sucesso em alcançar suas metas profissionais e ambições pessoais, aumentando sua autoconfiança, performance e seu prazer no trabalho.”

 

A empresa, conta Alfonso Gutierrez, estimula cada trabalhador a praticar a atividade que mais lhe agrada e que o faz se sentir bem, de musculação a futebol, ioga a tênis. “Incentivamos a experimentação de modalidade nunca praticada para que os colaboradores possam ter uma experiência esportiva rica e, eventualmente, descobrir novas práticas com as quais se identificam e lhe dão prazer. Outro movimento que a companhia faz ao longo do ano são treinamentos práticos com os profissionais de cada universo esportivo, com o objetivo de levá-los a experimentar novos produtos da temporada, testá-los e desfrutar do prazer da experiência, o que transmite legitimidade aos usuários no momento da compra. Dessa forma, o colaborador passa a conhecer outras modalidades e aumenta a sinergia com mais profissionais da empresa.”

 

ECONOMIA Alfonso Gutierrez enfatiza que, na Decathlon, o esporte é praticado no dia a dia das atividades, dentro ou fora do ambiente de trabalho, dependendo da modalidade. “A maior parte das nossas unidades de trabalho tem espaços destinados a isso, como quadras nas lojas e armazém ou tem a oferta desse tipo de infraestrutura nas proximidades. O uso desse espaço, interno ou externo, ocorre desde a dinâmica em grupo para seleção de candidatos até reuniões coletivas ou individuais. O esporte é usado para fortalecer atributos, como trabalho em equipe e comunicação.”

Alfonso Gutierrez, diretor de RH, diz que na Decathlon o esporte é usado para fortalecer atributos, como trabalho em equipe e comunicação(foto: Luiz Rotondi/Divulgação)
Alfonso Gutierrez, diretor de RH, diz que na Decathlon o esporte é usado para fortalecer atributos, como trabalho em equipe e comunicação (foto: Luiz Rotondi/Divulgação)
 

Com todos se mexendo, Alfonso Gutierrez revela que a Decathlon notou que a sinistralidade média no plano de saúde é 30% menor entre os funcionários que adotaram uma vida mais ativa em relação aos colaboradores que não se exercitam. Análise feita a partir dos colaboradores que usam o benefício de incentivo ao esporte oferecido pela empresa, por meio do Gympass. Isso equivale a um custo de R$ 1.073 por ano, por beneficiário. O percentual custeado pela Decathlon sobre o gympass é de 27% e, hoje, a empresa tem 70% de colaboradores usuários do cartão. “Estudo feito com 200 pessoas, pela Universidade de Bristol, do Reino Unido, mostrou o impacto imediato dos exercícios físicos sobre a produtividade. As pessoas avaliam um dia com exercício e outro sem. Os resultados foram positivos: nos dias de treino, os participantes mostraram poder maior de concentração de 21%; 41% mostraram maior motivação para trabalhar e 25% terminaram o trabalho antes do tempo.”

 

 

SAIBA MAIS

 

O que  a atividade física proporciona para empregados e empregadores:

 1 - Ao se preocupar com o bem-estar do colaborador, a empresa cumpre seu papel social

 2 -  Queda do absenteísmo por doença e melhora do sistema imunológico

 3 - Investir na saúde do colaborador não é custo, mas investimento. Pesquisas comprovam que a cada US$ 1 investido, há retorno de US$ 4 para a empresa, com o aumento da produtividade

 4 - Ação que estimula o funcionário, dinheiro não é tudo. Com o trabalhador motivado, o lucro é maior, as pessoas ficam mais motivadas e competitivas

 5 - Conscientização e aumenta da autoestima, melhora do humor

 6 - Redução da ansiedade e da depressão

 7 - Qualidade do sono

 8 - Melhora do clima organizacional, maior integração

 9 - Forma de atrair e reter talento

 10 - Redução do turnover

 

 
Motivação extra

Diretor Diego Moterani diz que empresas contratam a M9 Esportes para implementar a corrida, carro-chefe da organização(foto: M9 Esportes/Divulgação)
Diretor Diego Moterani diz que empresas contratam a M9 Esportes para implementar a corrida, carro-chefe da organização (foto: M9 Esportes/Divulgação)
Sedentarismo é mal dos tempos modernos. Esse comportamento, cada vez mais disseminado na sociedade, a deixa doente pela falta de movimento. Provocado pela mudança de hábito, principalmente a revolução tecnológica, o corpo faz menos esforço, gasta menos energia e acelera inúmeras doenças pela falta de atividade física: hipertensão arterial, diabetes, obesidade, aumento do colesterol e infarto etc. Por tudo isso é que a consciência da prática de exercício também precisa estar presente dentro das empresas. O empregador de visão cuida da qualidade de vida e do bem-estar de seus colaboradores.

Uma das maneiras é levar até os seus funcionários o estímulo para fazer uma atividade física. Diego Moterani, diretor da M9 Esportes, empresa de assessoria em qualidade de vida, especializada no atendimento corporativo, explica que presta serviço para organizações que têm essa preocupação. “Entramos dentro da empresa com o intuito de gerar atividade física e ações de bem-estar, usando o poder de integração por meio do esporte. O empregador ganha dos dois lados: primeiro, o retorno é maior, o trabalho em equipe desenvolve mais e cria-se um time campeão; em segundo lugar, mesmo nos contratando, é uma ação econômica, com menor uso do plano de saúde.”

 

Diego Moterani conta que a maioria contrata a empresa para a implementação de grupos de corrida, carro-chefe da M9 Esportes. “Mas há quem não goste e prefira campeonatos de futebol, vôlei e até kart, competição que durou um ano. Já criamos uma olimpíada militar com brinquedo inflável e demos aula de zumba dentro de uma empresa.” O diretor reconhece que seu negócio ainda é um serviço que tem de ser oferecido, já que nem todos os empresários têm essa atitude. “Empresas são feitas de pessoas e elas têm de ser cuidadas. A adesão, na maior parte, é de quem faz alguma atividade física, os mais jovens. Se são organizações com liderança tradicional e não praticantes, é mais complicado.”

 

NETWORKING Para Diego Moterani, a participação do funcionário é voluntária, uma atividade extracurricular. “Os grupos de corrida são os mais procurados. Eles se encontram fora do expediente para treinar e já combinam churrasco, viagem para correr, há ainda intercâmbio entre empresas, o que gera grande networking.” Ele enfatiza que, ao longo dos oito anos de M9 Esportes, inúmeras conquistas foram constatadas: “Há redução do índice de tabagismo, de depressão, quem enfrenta a doença se sente pertencente ao grupo, novas amizades, aprendizados”. O que também chama a atenção, destaca Diego Moterani, é que a atividade física é praticada dentro da empresa ou na rua, e é sempre em grupo, o que garante motivação e estímulo extra.

 

A falta de rotina poderia ser um complicador (ou desculpa!) para o trabalhador se esquivar da atividade física. No Instituto Aquila, empresa de consultoria, o cotidiano é dos mais agitados. Atenta a isso, Fernanda Abreu, diretora de pessoas e projetos da empresa, explica que foi disponibilizado para os funcionários o cartão Gympass, para estimular a prática de atividades físicas. “Como é internacional, temos colaboradores que o usam na França. Com academias no Brasil e fora do país, com um plano de baixo custo (a empresa assume gasto fixo mensal e o funcionário uma parcela menor), todos podem se exercitar. Como viajam muito, têm suporte na maioria dos lugares. Começamos há seis meses e estamos empolgados com o resultado. A adesão foi grande, 60% da nossa equipe, mas a meta é chegar a 80%.”

 

Fernanda Abreu destaca que é perceptível resultados como “maior produtividade, aumento da autoestima, da força de vontade de crescer profissionalmente, além da melhora no humor, diminuição do estresse e qualidade de vida”. Para a diretora de pessoas e projetos do Instituto Aquila, a empresa ganha ainda mais com “a percepção dos colabores da preocupação da empresa com sua saúde e bem-estar. E queremos mesmo que eles sejam felizes, assim, vão trabalhar com alegria, com brilho nos olhos, e todos saímos ganhando. Em um trabalho sem rotina, com muitas viagens, é função do empregador ajudar, auxiliar e incentivar o cuidado com a saúde. E a atividade física é parte importante, é prevenção de doenças”.

 

Fernanda Abreu, diretora de pessoas e projetos do Instituto Aquila, ressalta a importância de cultivas hábitos saudáveis(foto: Uarlen Valério/Divulgação)
Fernanda Abreu, diretora de pessoas e projetos do Instituto Aquila, ressalta a importância de cultivas hábitos saudáveis (foto: Uarlen Valério/Divulgação)
Fernanda Abreu conta que a empresa também procura, com regularidade, fazer ações e encontros para falar dos desafios para se ter uma vida saudável, além da atividade física. “Momento em que reservamos algumas horas para destacar a importância de cada um ter tempo para si, do valor em cultivar hábitos saudáveis e percebemos claramente como as pessoas mudam. O desempenho melhora, assim como a integração. Os próprios colaboradores criam uma competição saudável entre eles, vão juntos para a academia, o que contribui com a união e o desenvolvimento do trabalho em equipe. E estamos sempre incentivando-os, por meio dos nossos canais internos, enviando e-mails e pedindo mais adesão.”

 

 
Envolvimento de todos é essencial

Colaboradores da Coca-Cola participam de campeonato de futebol e têm até torcida organizada(foto: Coca-Cola FEMSA Brasil/Divulgação)
Colaboradores da Coca-Cola participam de campeonato de futebol e têm até torcida organizada (foto: Coca-Cola FEMSA Brasil/Divulgação)
 

 “Investir na qualidade de vida é também investir em produtividade. Colaborador satisfeito é sinônimo de melhor clima organizacional.” A frase é de Anna Paola Comini, gerente de recursos humanos da Coca-Cola FEMSA Brasil. Ela conta que a empresa sempre foi ativa em iniciativas que beneficiem seus funcionários. “Temos o cartão Gympass e a cooperativa interna que fazem convênios com academias para oferecer descontos aos colaboradores e um grupo de corrida que é o maior sucesso (para participar, o funcionário passa por avaliação física, para comprovar se está apto). Para incentivar ainda mais, a empresa paga as inscrições das provas de que participam.”

 

Anna Paola conta que o grupo de corrida proporciona encontro fora da empresa nos fins de semana, o que aumenta a união, ativa o networking, melhora a autoestima e estimula a vida saudável. “Tudo isso influencia na produtividade, nos ajuda (ela participa do grupo de corrida) a passar pela pressão do dia a dia.”

 

A gerente lembra, ainda, que há outras iniciativas da empresa, como a massagem laboral, uma sala de lazer e entretenimento com espaço para tênis de mesa e pebolim. “O campeonato de truco vai voltar, mas nada como o campeonato de futebol. Na fábrica de Itabirito é uma festa, com torcida organizada e tudo.”

 

MEDIDA CERTA Pontualmente, a organização oferece ações que também contribuem para a qualidade de vida de seus funcionários. Anna Paola destaca o programa Medida certa, em que uma nutricionista foi convidada a falar do consumo correto dos alimentos, iniciativa que fez surgir campeonato interno de redução de peso. “Os colaboradores se envolveram e acatamos algumas sugestões, como a mudança no cardápio das refeições, com menos carboidrato, mais opções de saladas e tipos diferentes de proteínas.” Em datas especiais, como o Dia Internacional da Mulher, uma aula coletiva no ritmo de zumba foi uma festa. E calorias foram queimadas.

 

Mas, independentemente da atividade física ou de lazer, a ordem é gastar energia e buscar o bem-estar também no ambiente de trabalho. “Há adesão dos colaboradores, eles buscam informações, veem com ótimos olhos as iniciativas da empresa, participam, são ativos, trazem sugestões, o que reflete no clima de cada área.”

 

Os benefícios são diferenciados e, claro, é um diferencial competitivo. Mas Anna Paola prefere não apontar a garantia da retenção de talentos, por exemplo. Ela afirma que o envolvimento é de todos e a interação entre colaboradores diretos e indiretos e prestadores de serviço é ponto alto entre tantos outros benefícios.


Saúde é tudo

*Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 70% de todas as doenças que causam afastamento do trabalho estão diretamente ligadas ao sedentarismo e à obesidade. Otimize os resultados da sua empresa investindo na qualidade de vida de seus colaboradores:

 – 84% mais integração do time de colaboradores

– 93% mais saudáveis, mais dispostos e disponíveis no dia a dia

– 89% em economia de custos com a saúde dos colaboradores

– 100% mais resultados, comprometimento e rentabilidade


Indicações*:

 – Grupos de corrida corporativos

– Grupos de caminhada

– Eventos esportivos, torneios, seja de futebol, de vôlei etc.

– Ginástica laboral

– Avaliações físicas

– Palestras

– Quick massage: massagens rápidas

 

*Fonte: M9 Esportes 

 

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade